“O racismo, a xenofobia e a homofobia são transversais, mas passam silenciosas no espaço escolar”

Professor português José Manuel Resende fala como o racismo, a xenofobia, a homofobia e o problema da desigualdade de gênero se dão nas sociabilidades escolares e a importância da equidade no tratamento, ou seja, o tom de voz, o uso de palavrões, entre outros.

De acordo com pesquisador, essas temas, transversais, passam silenciosos ou com alguma omissão no espaço escolar.

“Mas no espaço em que é modal, no cafezinho ao lado da escola, são questões exclusivas, discussões acaloradas, sanções e repreensões de uns [alunos] para com os outros pela falta de respeito pelo modo como foi tratado.”

Ainda segundo Resende, na atualidade, não se pode pensar a problemática da desigualdade sem associá-la às desigualdades no tratamento.

“Quer dizer, não é só o problema da desigualdade, em termos de ter mais ou menos dinheiro, mas no acesso a ver uma equidade e igualdade no tratamento. No tom de voz, não xingar, não desqualificar com nomes feios”.

Assista:

Esta postagem faz parte de uma série que cobriu a visita de José Manuel Resende ao Instituto Vladimir Herzog. Confira o que foi publicado aqui.

Deixe um Comentário