COVID-19, desigualdade social e Direitos Humanos

Por Rogê Carnaval

Em um mundo em que a concentração de renda cresce cada vez mais, o Brasil não se diferencia, e inclusive interrompe a tendência de diminuição das desigualdades sociais que vinha se verificando nos últimos 20 anos.

Como será que a desigualdade social, a concentração das riquezas em tão poucas mãos, especialmente no Brasil (que é um dos países mais desiguais do mundo), se materializa em tempos de covid-19? Como afeta os Direitos Humanos?

Em um contexto tão peculiar como o que vivemos em meio à pandemia de coronavírus, quais possibilidades estão postas para que possamos efetivamente diminuir o abismo social entre as classes, com o propósito de pensar uma sociedade brasileira mais equânime, mais equilibrada?

Convido você a refletir no vídeo abaixo: 

Para complementar nossa conversa, escrevi um artigo que trata sobre COVID-19, desigualdade social e Direitos Humanos. Após a leitura, convido você a compartilhar comigo suas impressões aqui nos comentários do post! 

Abaixo, os links referentes aos temas abordados no vídeo: 

Concentração de riqueza aumenta no Brasil e no mundo

Professor francês Thomas Piketty

O capital no século XXI

Super ricos estão ficando com quase toda riqueza às custas de bilhões de pessoas 

Menos de 10% dos municípios brasileiros possuem leito de UTI

Pobreza e desigualdade aumentaram nos últimos 4 anos no Brasil, revela estudo

Brasil tem maior concentração de renda do mundo entre o 1% mais rico

Imposto sobre grandes fortunas renderia 100 bilhões por ano


Clique e veja a série Respeitar! nos tempos de coronavírus, com reflexões acerca de temas das formações do projeto e que dialogam com o período de isolamento social por causa do coronavírus (Covid-19). 

2 comentários

  1. Ana Rosa em 10 de abril de 2020 às 13:59

    Importante demais que essas informações circulem!!

    • Respeitar É Preciso! em 10 de abril de 2020 às 15:38

      Com certeza, Ana! Uma reflexão super necessária.

Deixe um Comentário