Uma cidade justa é aquela que acolhe e possibilita
a todos e todas uma vida digna e segura

* Por Gunga Castro, para a Campanha Direito à cidade

Temos conversado, nas últimas semanas, a respeito do uso dos espaços e da participação de todos os cidadãos nos eventos, festividades e movimentos que correm nas cidades. Mas, de que todos estamos falando? Que todos são considerados quando lutamos pelo direito à cidade? 

Vamos lembrar aqui daqueles que parecem “não caber” nos espaços da cidade; daqueles que são continuamente esquecidos em nossas pautas de direitos; daqueles para quem a cidade, decididamente, não foi feita: sim, estamos falando das pessoas que achamos por bem chamar de “pessoas com deficiência”,  que só são lembradas quando aparecem, exibem seus corpos e explicitam as diversas barreiras colocadas por uma sociedade que insiste em resolver a questão da mobilidade construindo algumas rampas em alguns poucos locais (sobretudo aqueles frequentados por camadas privilegiadas da sociedade, nos bairros de alto poder aquisitivo), ou impondo “puxadinhos” indignos – tais como as rampas provisórias (aquelas que só aparecem quando surge uma pessoa com dificuldade de locomoção), ou aquelas sem a inclinação adequada, que só servem a alguns, os “banquinhos” para as pessoas de baixa estatura, os banheiros improvisados, a entrada pela porta de serviço , as pontes/tábuas, e até os “colos” (quem se sente bem sendo carregado por um desconhecido?) – ao invés de oferecer a todos  uma cidade sem barreiras, justa e aberta, desde sua concepção. Estamos falando daqueles a quem resta apenas sobreviver na cidade. E não são poucos.

De uma forma geral, a ideia da deficiência nos remete a pensar em pessoas com dificuldade de locomoção ou, no máximo as surdas e cegas, mas as barreiras são impostas também de forma cruel e desumana para muitos: os de baixa estatura, os mutilados, aqueles cujos corpos não se ajustam às cadeiras comuns, os que não falam, os que não entendem o que é falado pela maioria, as crianças, os idosos, os analfabetos, entre outros, muitos outros.  

Pensar em uma cidade que seja, de fato, respeitosa com sua população, é concebê-la para acolher e atender a todos, respeitando a condição de sujeito de direito de cada um e, mais que isso, ensinando nossas crianças, por meio de ações e exemplos, a viver com todos e conhecer o mosaico que compõe toda e qualquer sociedade; ou estaremos oferecendo a elas uma visão pequena e insignificante do mundo.        

Adriano, jovem de 27 anos, morador da zona sul da cidade de São Paulo, trabalha como auxiliar de serviços em uma empresa localizada no centro da cidade, e enfrenta diariamente o desafio de locomover-se na cidade fazendo uso de cadeira de rodas. Foi com ele que a equipe do Respeitar é Preciso! pode conversar durante bastante tempo. O tempo de esperar que o ônibus adequado às suas necessidades chegasse ao ponto.

Começando do começo: ainda que seu turno de trabalho só tenha início às 9 horas da manhã, e o percurso de ônibus e metrô seja cumprido em menos de 40 minutos, Adriano é obrigado a acordar por volta das 5 horas, já pensando nas dificuldades que enfrentará para chegar ao ponto de ônibus, atravessar as ruas de seu bairro, transitar pela calçada (ora plana, ora inclinada; ora lisa, ora esburacada) e… aguardar seu ônibus. Aquele cujo piso é rebaixado.

Feito isso, enfrenta de novo uma série de obstáculos para descer do ônibus (e muitas vezes, escuta manifestações de impaciência, por conta do tempo que a operação exige), chegar ao escritório, acomodar-se, locomover-se, alimentar-se (sempre no local do trabalho), usar o banheiro, o bebedouro, o elevador, as filas, trabalhar e… tudo de novo para retornar a sua casa.

Adriano se considera, não um cidadão, mas um escravo da cidade, que tem sempre sua vida, seus horários, sua força e até sua saúde dependentes e dominados pela crueldade de uma organização/administração/poder público que não o considera, cidadão e sujeito de direito. Uma cidade que, assim como as outras do nosso país, não permite que ele usufrua de sua vida social e cultural.

“Assistir a um show? É…. quando tem um lugar reservado, é sempre na passagem, na corrente de vento, no gargarejo, ou lá longe… bem distante dos meus amigos, que nem sempre renunciam aos melhores lugares”. E o Carnaval? “Tá brincando, né?”.  

E foi com esse bom humor que ele se despediu, sem deixar de falar que “dá tempo de conversar bastante ainda, até meu ônibus chegar”. Ainda que seja definido nos documentos oficiais como “pessoa com deficiência”, Adriano, assim como outros milhares, seria melhor definido como um sujeito de direito impedido de viver plenamente em sua cidade pelas barreiras físicas, éticas, sociais e políticas que lhes são impostas a cada momento de sua vida, desde seu nascimento. 

Vamos pensar isso na escola? 

As crianças que frequentam a escola hoje em dia, diferente do que acontecia há alguns anos, contam com um ambiente muito mais diverso e real. Esta, com certeza, foi uma das maiores contribuições que as leis da inclusão escolar trouxeram para a vida e a convivência na escola: permitiu que as crianças, todas elas, “invadissem” a escola e mostrassem, não só aos seus colegas, mas também a todos os adultos, que viver em sociedade é muito mais do que viver com aqueles se parecem conosco. Desta forma, estamos dando um primeiro e importante passo em direção a uma atuação baseada nos princípios da Educação em Direitos Humanos, cujo pilar de sustentação está na ideia da igualdade de direitos e na garantia da dignidade de todos. Mas ainda há muito o que ser feito.

Embora seja fundamental ensinar as crianças a não discriminar, priorizar alguns colegas em algumas situações (como fila, espera, lugar na classe, etc.), é preciso também lidar, a todo momento, e por meio de ações (os discursos costumam ajudar muito pouco) com a ideia de que a diversidade é parte constituinte de qualquer grupo, e não uma característica de alguns grupos onde se encontram determinadas pessoas tidas como “diferentes”. Não, não são diferentes, apenas pouco familiares, por conta de uma sociedade que os coloca nesta situação “diferenciada” a todo momento, esta sim, com deficiência .


* Professora polivalente por formação (Normal Superior), foi professora regente de Educação Infantil e Ensino Fundamental 1 em escolas da rede privada de São Paulo, de 1985 a 2007, passando, neste ano, a coordenar o Núcleo de Práticas Inclusivas da Escola da Vila, em São Paulo, até o ano de 2017. Atua também, desde o ano de 2000 até os dias de hoje, como formadora de professores na área de Alfabetização, Língua Portuguesa, Educação Inclusiva e Matemática, em diversos estados do Brasil. Atualmente, presta assessoria na área de Educação Inclusiva em escolas da cidade de São Paulo, compõe a equipe de educadores em Educação em Direitos Humanos do Instituto Vladimir Herzog. É selecionadora da área de educação inclusiva do Prêmio Educador Nota 10 da Fundação Victor Civita e atua como parceira em diversos projetos do Centro de Educação Terapêutica Lugar de Vida.

 


Veja também:

EDh – Desafios contemporâneos, Educação e Inclusão, palestra de Biancha Angelucci 

Associação Nacional Reggae conta como foi defender o Parque Chácara do Jockey SP

Ativista pela inclusão escolar: conheca Mariana Rosa, mãe da Alice

Deixe um Comentário