5° Encontro na DRE Capela do Socorro 2018

5° Encontro

Data: 30/08/2018
Formadora: Celinha Nascimento
Local: CEU Vila Rubi
Horário: 14h às 17h
Pauta:
– Abertura com apresentação de quatro escolas (Equipe da DRE)
– “Escutar é Preciso!”
– Vídeo “O Contador de Histórias”
– Exercícios em Trios – Escuta Qualificada

A formadora iniciou perguntando o que os participantes estavam fazendo sobre Mapeamento e Plano de Ação, temas dos encontros anteriores. Havia 10 pessoas participando pela primeira vez e vários depoimentos sobre mapeamentos:

  • EMEI VILA NATAL: escolheu eixo Comunicação para Mapear;
  • EMEI MILTON SANTOS: escolheu os ATEs como foco de ação;
  • EMEF JOÃO DA SILVA: fazendo mapeamento
  • CEI JARDIM TRÊS CORAÇÕES: falam da escassez de tempo para fazer ações de mapeamento e também compartilhar conteúdo das formações aos colegas.

A formadora fez uma breve homenagem ao jornalista recém-falecido Audálio Dantas, o que provocou uma breve conversa sobre escuta (a escolha foi proposital) e seu papel na história como “alguém que parou para escutar” Carolina Maria de Jesus e a história de Vladimir Herzog. Várias pessoas conheciam a escritora, mas não sabiam da ligação dela com Audálio Dantas.

A formadora fez uma retomada do trabalho realizado no primeiro semestre com todas as ações do projeto, pois muitas pessoas não as conhecem. Falou enquanto frisava a necessidade de as pessoas que frequentam as formações poderem falar em suas unidades sobre o que fizeram e aprenderam. Muitos relatam que esta é uma grande dificuldade que encontram: socializar o que aprendem nas formações.

O trecho do filme “O Contador de histórias” foi exibido para introduzir o tema “Escuta”:

Após o vídeo, o grupo leu o texto de apoio “Cuidados para abrir espaços de diálogo” (págs. 52 a 63 do material impresso Respeito na Escola: Orientações Gerais). O texto foi estudado à luz do vídeo, traçando as respectivas pontes. O grupo gostou muito do filme e rapidamente perceberam as tais pontes.

Falou-se de todos os itens apontados pelo texto – princípios que conseguiram observar nas cenas assistidas:

  • Relação de Confiança
  • Ritualização das ações
  • Acolhimento
  • Proposição de regras para a conversa, distribuição da fala
  • Suspensão do julgamento
  • Fazer escuta qualificada

Os itens que acreditam que aparecem com mais força [no paralelo entre o texto e o filme] é a relação de confiança, a suspensão do julgamento e a escuta qualificada. A proposição de regras nem sempre é entendida. No filme, a personagem faz isso sem precisar dizer uma única palavra. Daí retomarmos a ideia, e o princípio, de que as regras também são colocadas em silêncio, sem dedos em riste ou algo que o valha. Aqui, a discussão sobre postura ganha corpo.

Depois o grupo fez o exercício da escuta em trios, utilizando 15 minutos para todo a atividade. O grupo gostou do exercício afirmando que ele é muito útil para provocar reflexões sobre o que é escutar de verdade e que pode ser replicado nas unidades.

Numa rápida passagem pelos trios e o microfone chegando a alguns deles, foi possível perceber que o silencio não é tão fácil, mas não impossível; que é muito bom poder falar-compartilhar seus problemas para outra pessoa e que existem duas possibilidades: quando o que ouve não está no problema ajuda de uma maneira e quando está no problema, ajuda de outra. Dentro ou fora do problema, sabendo muito ou nada sabendo da questão a ser enfrentada, temos formas diferentes de contribuir e ambas muito potentes.

***

*Acesse a apresentação de slides da formadora.

Deixe um Comentário