Tarefa 6 – Curso REP! – Veronica Rodrigues Damiao

Data

19 de julho de 2020

Cursista

Veronica Rodrigues Damiao

Função

Prof Ensino Fundamental I e Médio

DRE / Unidade Educacional

São Mateus

Escola

Emef Arquiteto VilaNova Artigas

Cursista: Verônica Rodrigues Damião

Profª. Ens. Fund II e Médio

 

 

CURSO: RESPEITAR É PRECISO

Projeto:  Ações de Cidadania

 

 JUSTIFICATIVAS

Atingir objetivos propostos pelo Decreto 54.452/13, tais como:

– promoção de melhoria da qualidade social na Educação Básica e, consequentemente, dos Índices de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB;

– ressignificação da avaliação com ênfase no seu caráter formativo para educandos e professores;

– incentivo à autonomia e valorização das ações previstas nos Projetos Político-Pedagógicos das Unidades Educacionais.

– fortalecimento da gestão democrática e participativa, com envolvimento das famílias.

JUSTIFICATIVAS ESPECÍFICAS DA U. E.:

      O Projeto Ações de Cidadania foi pensado em consonância com o Projeto Político Pedagógico da unidade escolar. Em específico, este  projeto coloca em prática o que prevê a ação “Aprendendo a Conviver”, desenvolvida na EMEF , o projeto Ações de Cidadania pretende manter e ampliar parcerias com o “Grêmio Estudantil. Desta forma, juntos, “Ações de Cidadania” e “Grêmio Estudantil” irão buscar a inserção do maior número de estudantes em ações contínuas que tenham por objetivo a formação cidadã dentro da unidade escolar.

     Na ação “Aprendendo a Conviver”, planejada como pilar para a construção de uma “escola cidadã” no Projeto Político Pedagógico da unidade, valoriza-se a necessidade de mediar e reduzir conflitos, melhorando o diálogo entre os membros que compõem o ambiente educacional: alunos, funcionários em geral, direção, coordenação, professores e comunidade ao redor. Sendo assim, o estabelecimento de uma rotina de ações que visem conscientizar sobre direitos e deveres para a vida em sociedade e a priorização da resolução pacífica dos conflitos servirá para o fortalecimento das práticas democráticas e a convivência que favorece a troca de ideias e o comportamento pacífico.

      Este projeto está em concordância com o Programa “São Paulo Integral”  e suas especificações a partir da portaria 5.956/2016,  na busca por  aumentar, gradativamente, o tempo permanecido por crianças e adolescentes dentro do ambiente educativo oficial. Deste modo, os encontros do projeto Ações de Cidadania, no contra turno escolar, propõem-se como uma experiência de formação cidadã, calcada na possibilidade do protagonismo infanto-juvenil.

       O projeto continuará tentando estabelecer parcerias com outras unidades escolares, bem como, tentará aproximar-se de profissionais da comunidade interessados em contribuir com seus conhecimentos e dialogar com os serviços da rede de proteção à criança e ao adolescente da região. O projeto auxiliará, no que for requisitado, o Grêmio Estudantil,  além de desenvolver ações de capacitação e empoderamento dos estudantes interessados.

Portaria 5.930/13:

Ampliação da jornada diária dos educandos com os seguintes objetivos:

 I- aumentar, gradativamente, o tempo de permanência dos educandos na escola, por meio de ações sistematizadas no contra turno escolar, de caráter educacional que promovam:

  1. a) a melhoria do processo de ensino e da aprendizagem;
  2. b) as relações de convívio;
  3. c) o enriquecimento do currículo;
  4. d) a integração entre os diferentes segmentos da escola.

 II- potencializar o uso dos recursos e espaços disponíveis ampliando os ambientes de aprendizagem e possibilitando seu acesso a educandos e professores;

III- propiciar a recuperação paralela para educandos com aproveitamento insuficiente;

OBJETIVOS DO PROJETO AÇÕES DE CIDADANIA:

– Alavancar e incentivar a construção de uma cidadania sólida, participativa e multicultural.  Fomentação do debate, respeitando os variados pontos de vista;

– Atuar na mediação dos conflitos que ocorrem dentro da unidade escolar;

– Dar visibilidade e alcançar resoluções de conflito de forma não-violenta;

– Desenvolver a autoestima dos estudantes, com tempo e espaço previstos para que formulem propostas e intervenções no cotidiano escolar;

– Estimular valores como: solidariedade e ética, não só dentro do ambiente escolar;

– Promover um processo de reflexão contínua dos representantes de turma e sua interação pacífica com os outros estudantes. Facilitar a formação de lideranças positivas dentro do ambiente escolar, preocupadas com a qualidade no processo ensino-aprendizagem.

– Estimular ações sociais que envolvam o processo de conscientização da comunidade e aumento da sua parceria com a escola.

Metas Gerais

O Programa Mais Educação, Instituído pela Portaria Interministerial nº 17/2007, objetiva garantir a educação integral para crianças, adolescentes e jovens da Educação Básica brasileira, ofertando no contra turno escolar atividades sócios-educativas desenvolvidas de acordo com a proposta da Educação Integral a ampliação da jornada escolar e organização do currículo.

O Projeto Ações de Cidadania foi pensado em consonância com o Projeto Político Pedagógico da unidade escolar. Em específico, este projeto coloca em prática o que prevê a ação “Aprendendo a Conviver”, buscando a inserção do maior número de estudantes em ações contínuas que tenham por objetivo a formação cidadã dentro da unidade escolar. Deste modo, os encontros do projeto Ações de Cidadania, no contra turno escolar, propõem-se como uma experiência de formação cidadã, calcada na possibilidade do protagonismo infanto-juvenil e estabelece uma relação entre a realidade da U.E., o Currículo da Cidade, avaliações internas, sondagens, e níveis de proficiência constatados nas avaliações externas. Este projeto está em concordância com o Programa “São Paulo Integral”  e suas especificações, na busca por  aumentar, gradativamente, o tempo permanecido por crianças e adolescentes dentro do ambiente educativo, a fim de torná-los  cidadãos autônomos e participativos nos diversos aspectos da vida social.

 Duração do projeto:

O projeto tem duração de 2 horas/aula semanais no que se refere ao encontro com educandos do Grêmio Estudantil, durante o ano letivo.

Análise do trabalho:

Os alunos do Grêmio Estudantil auxiliam na ligação entre os educandos da Unidade Educacional com os atores escolares, contribuindo com a pauta das Assembleias que são realizadas na Unidade no mínimo uma vez a cada mês, porém ocorrem paralelamente Assembleias nas salas de aula sem necessidade de aviso prévio, sendo de acordo com a necessidade de cada turma e docente.

A assembléia é corriqueira e faz parte da rotina da escola, mas percebi que as Assembleias de pauta individualizada (que ocorre em cada turma conforme necessidade) parece ser muito mais eficaz e significativa em comparação a Assembléia Geral.

Na Assembléia Geral os temas são gerais de necessidade da escola como um todo, porém muitos educandos tem se mostrado alheios a ela, não dão a devida importância que o momento merece. Acham que estão matando aula e quando é em uma aula que eles tem maior empatia, acabam reclamando.

De acordo com o curso percebo que falta inserir o aluno de fato em todo processo, fazer com que tenha sentido e significado, colaborar para que ele perceba a importância da fala , da argumentação e o importante papel que ele exerce no momento. O trabalho já é feito, porém ficar somente na fala parece não ter o efeito esperado.

Por fim, focamos muito em dar o poder de fala para o educando, porém a fala pela fala se torna vazio, creio que além de dar o poder da fala, é necessário reconhecê-la de fato.

 

Referências bibliográficas

BRASIL. Constituição Federal de 1988.

____. ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE.  Lei n° 8.069, de 13 de julho

de 1990.

____. Lei nº. 10.639 de 09 de janeiro de 2003. Inclui a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” no currículo oficial da rede de ensino. Diário Oficial da União, Brasília, 2003.

_____. Lei 10.673 de 23 de maio de 2003. Dispõe sobre a criação da Secretaria Especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial.

_____. LEI MARIA DA PENHA. Lei N.°11.340, de 7 de Agosto de 2006.

_____. Lei nº. 11.645 de 10 de março de 2008. Inclui a obrigatoriedade da temática “História e Cultrura Afro-Brasileira e Indígena” no currículo oficial da rede de ensino. Diário Oficial da União, Brasília, 2008.

_____. Lei n. 12.228 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003.

_____. LEI Nº 12.737, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012. Dispõe sobre a tipificação criminal de delitos informáticos; altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal; e dá outras providências.

ARENDT, Hannah. Ação, In:______. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2009.

______________. Entre o Passado e o Futuro. São Paulo: Perspectiva, 1972.

BAGNO, Marcos. O preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1997.

DIONISIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxili

dora. (Org.). Gêneros Textuais & Ensino. São Paulo: Parábola, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

GOMES, Nilma Lino. Educação e Relações Raciais: Refletindo sobre Algumas Estratégias de Atuação. In Kabenguele Munanga (Org), Superando o racismo na escola (pp. 143-154). Brasília: MEC/SECAD 2005.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. Trad. de Tomaz T. da Silva.

SÃO PAULO (cidade). Portaria 5930/2013. Regulamenta o Decreto nº 54.452, de 10/10/13, que institui, na Secretaria Municipal de Educação, o Programa de Reorganização Curricular e Administrativa, Ampliação e Fortalecimento da Rede Municipal de Ensino de São Paulo- “Mais Educação São Paulo”.

SILVA, Tomaz T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. B.Horizonte: Autêntica, 2002.