Tarefa 6 – Curso REP! – Susana Galindo Qualho

Data

1 de julho de 2020

Cursista

Susana Galindo Qualho

Função

Prof. Educação infantil e fundamental 1

DRE / Unidade Educacional

Itaquera

Escola

Emei Prof Luiz Pereira

Sou professora de educação infantil em uma Emei, e nós da ed.infantil, temos o costume de fazer cartas de intenções para mostrar qual será a nossa proposta de ação. Achei oportuno realizar uma carta de intenções para este retorno de aula e talvez usa-la realmente, não somente para esta atividade.

São Paulo, 021 de julho de 2020.

 

Caro leitor,

 

É por meio desta carta que exponho minhas intenções na atuação de meu trabalho, perante a comunidade e crianças atendidas nesta unidade.

Primeiramente, descreverei meu percurso até aqui. No ano passado já fui professora de módulo neste mesmo período, o que me favoreceu na melhoria de minhas atividades diárias, nas reflexões como módulo e como professora, e nas escutas mais aguçadas nos corredores, salas e espaço. Em minha prática para agir durante este ano, sabendo das dificuldades enfrentas e, claro, ciente de que cada ano há muitas mudanças, principalmente neste ano, com o novo corona vírus, sabendo que cada grupo de crianças exige novas experiências e adequações, assim vou me adaptando as novas exigências, novas demandas e novas situações.

Sabemos dos desafios que vamos passar e estamos passando, por este motivo, pretendo ter um olhar sensível para toda a comunidade, familiares e crianças da unidade, dando voz, vez e tendo a escuta sensível e ativa.

Na rotina diária da unidade pretendo estar sempre orientando durante a circulação e exploração dos espaços, sobre o seu uso para organização do coletivo, respeitando a individualidade de cada um e também o respeito e cuidado ao próximo, seja durante integrações das turmas ou somente num grupo de alunos. Além de atuar no auxílio e orientação nos banheiros, bem como os materiais de higiene.

Não importa onde eu estiver ou qual a situação, pretendo entender, identificar e escutar os sentimentos, gestos, e qualquer tipo de diálogo ou linguagens que os pequenos tentem se expressar; observando, auxiliando e dando voz a eles, fazendo o possível para acolher suas angustias, anseios, alegrias e conquistas.

Assim farei com os pais e familiares, que vão em busca de ajuda, orientações ou até mesmo um desabafo.
Farei a proposta de um grêmio, muitas rodas de conversas com temas trazidos pelas crianças e temas com assuntos que precisamos trabalhar, como o cuidado e respeito ao próximo.

Darei orientação no momento da refeição, incentivando a autonomia durante o servir e se alimentar, além de mostrar a importância da alimentação saudável.

Por fim, desejo que este ano seja repleto de acolhimentos, saberes, descobertas, escolhas, observações, risos, conversas e boas intenções.

Atenciosamente,

Susana Galindo Qualho