Tarefa 6 – Curso REP! – Solange martins alves ferra

Data

28 de julho de 2020

Cursista

Solange martins alves ferra

Função

Prof ed infantil

DRE / Unidade Educacional

Penha

Escola

Cei anna florencio romao

SOLANGE MARTINS ALVES FERRA

RF 7970617

CEI ANNA FLORÊNCIO ROMÃO

DRE PENHA

 

TAREFA DO CURSO RESPEITAR É PRECISO

 

PROPOSTA DE AÇÃO PARA DESEVOLVER JUNTO A COMUNIDADE CONSIDERANDO A VOLTA ÀS AULAS EM ÉPOCA DE PANDEMIA

 

JUSTIFICATIVA:  A volta às aulas na Educação Infantil (CEI), que compreende bebês e crianças de meses até 4 anos, em tempos de pandemia parece girar em torno de alguns  elementos, como: os responsáveis estão retornando ao trabalho presencial, as empresas, comércios e serviços não dispensam seus funcionários e pedem assim o retorno gradual, sendo assim, as crianças precisam de um lugar para ficar. Percebemos assim, que o CEI atende a um duplo direito, “o direito da criança aos cuidados” e “o direito dos pais a exercerem sua profissão”.

O momento prevê ações baseadas no valor do respeito para todos, de forma a garantir a igualdade e equidade.

A U.E da qual faço parte, possui uma comunidade em que a maioria dos pais trabalham no comércio e tiveram muitas perdas, visto que esse segmento ficou fechado por muito tempo, faz-se necessário o diálogo com os mesmos, pois já estão retornando ao trabalho e consequentemente seus filhos retornarão também a escola. Rever a relação entre as famílias, revisitar a forma de se comunicar, conhecendo as condições específicas de cada crianças terá que ser praticada, pois há necessidade de transformações. Também há de se pensar em priorizar famílias em vulnerabilidade social e que possuam trabalhadores na área de saúde ou outros serviços essenciais.

A comunicação: fala, escuta e postura serão primordiais!

Vale ressaltar que o espaço da Educação Infantil é precioso e promover momentos de rodas de conversa, sobre a pandemia com as crianças é dar vez e voz a eles, onde exercitam sua cidadania em uma espécie de pequenas assembléias.

 

FINALIDADE:  Acolher as famílias e as crianças, no contato direto para atender suas necessidades e apoiá-las em seu desenvolvimento,  embora sabendo que na educação infantil,  no trabalho com crianças menores, nem sempre é possível seguir os protocolos exigidos no momento atual, mas temos que ter em mente que o propósito é o Respeito Mútuo, pois juntos encontramos soluções ; escola e família representam papéis diferentes na complexidade de educar uma criança, mas devem atuar em parceria no caminho de encontrar soluções, e desenvolver ações continuadas para refletir e crescer num caráter coletivo. Penso, que durante esse percurso pode haver conflitos e será preciso identificar problemas, pois sabemos que a relação entre as pessoas são complexas, mas também são construídas através da escuta mútua, do reconhecimento das necessidades de cada um ou da comunidade, pois refletir e crescer faz parte de um caráter coletivo.

OBJETIVOS/RESULTADOS ESPERADOS: Com esse trabalho de conscientização da época que estamos vivenciando (Pandemia Covid 19), pretendo sensibilizar as famílias da necessidades de cuidados para que toda a comunidade escolar, ultrapasse essa fase com saúde e para isso a escola tem que saber qual é o patrimônio de conhecimento dos responsáveis, o que ensinar a eles, afinal estamos passando por uma crise sanitária, os protocolos de higiene serão importantíssimos, também o uso de tempos e espaços, além das regras de convivência.

Ações que se pretende que sejam realizadas, visto que, a volta às aulas vai exigir novos arranjos territoriais e  práticas de mudanças, lembrando que essas ações envolverão todos os integrantes da escola, para que assim o momento do acolhimentos e os posteriores a ele sejam realizados com visando a diversidade, sem discriminação e com muito respeito, lembrando que todos tem que ser acolhidos, não estaremos retornando de um período de férias:

*Criação de horários alternativos para entrada e saída

*Educadores retornem as UEs anterior às crianças, para assim poder organizar e reorganizar o ambiente para as novas rotinas

*Suspensão temporária de eventos sociais presenciais

*Portas e janelas permanecendo sempre abertas

*Promoção de maior número possível de vivências ao ar livre

*Redução do número de alunos por sala

*Escalonamento do uso de refeitório, parques, brinquedoteca…

*Maior uso dos murais da escola e via agenda de informações que abordem o assunto, exemplo Você Sabia?…

*Oferta de álcool em gel, água, sabão…

*Orientar o pais /responsáveis sobre as regras de funcionamento da EU na reabertura

* Comunicar aos responsáveis sobre a importância de se manter a criança em casa, quando a mesma estiver doente

*Discutir com as crianças seus direitos e deveres através de inúmeras vivências sobre  o assunto

*Promoção de informações aos pais e responsáveis sobre o vírus e os cuidados de higiene para que deem continuidade em suas casas

*Contato (virtual, panfletos, cartazes…) das famílias com profissionais de posto de saúde para maiores esclarecimentos

*Uso de máscaras para toda a comunidade e há de se pensar nas crianças menores de 2 anos, onde o uso não é recomendado

* Luvas e aventais descartáveis para funcionários

*Cuidado redobrado no manuseio da troca de fraldas, pois sabe-se que o novo corona vírus pode estar nas fezes

*Coleta frequente do lixo

*Higienização das superfícies como: trocadores, colchonetes, brinquedos…

*Cuidado especial no preparo, e oferta das refeições

*Aferir e mensurar a temperatura das crianças, mas não só isso, perceber com chegam ao CEI, mudanças sutis em suas expressões faciais, postura corporal, respiração, além de ouvir os familiares sobre seu estado de saúde e mudanças de comportamento em casa

*Investir na formação de toda a equipe: limpeza, ATEs, professores, gestores, cozinha… cuidado ético e afetivo ao mesmo tempo

 

DURAÇÃO:  Enquanto a doença perdurar e ainda não tivermos uma vacina disponível a toda a população; além da preocupação com a saúde da criança e consequentemente dos familiares, temos que  lembrar que nesta faixa etária, as crianças são mais suscetíveis a doenças, não é raro vê-las com diarréia,  por outro lado, segundo  a OMS, elas não foram classificadas como grupo de risco.

 

AVALIAÇÃO: É preciso considerar o prejuízo da aprendizagem e socialização das crianças, pois haverá impactos emocionais, físicos, cognitivos. Daí vê-se a importância do mapeamento, há de se pensar como vivem essas famílias; se residem em espaços pequenos com várias pessoas convivendo juntas, sem quintal, sem segurança, perto ou longe de praças ou um lugar onde se possa brincar, tomar sol, se ficam na rua…  se além das perdas econômicas, se perderam algum ente querido; ou seja há diferentes sinais da realidade.

Verificar que  os resultados vão depender do conhecimento que nós, profissionais da educação , vamos ter que observar na comunidade, seus interesses e necessidades, considerando as diferenças , lembrando que o objetivo maior é o direito a vida, o respeito a dignidade e a garantia de uma escola harmoniosa.

Deve-se pensar num retorno racional, pois ainda temos muitas incertezas, não pode-se aceitar que nossa escola se transforme num depósito de crianças, passando por cima das ações pedagógicas da nossa rede e lembrando que o princípio da Educação Infantil pressupõe movimento, contato, relacionamento, exploração de brinquedos e jogos.

A ESCOLA DEVE SER UM ESPAÇO PARA VIVER OS DIREITOS HUMANOS

 

REFERÊNCIAS: Material do Instituto Wladimir Herzog, Lives dos meses de junho e julho, Minuta de protocolo Volta às aulas da SME DE São Paulo