Tarefa 6 – Curso REP! – Silvana Fátima Boni Morato

Data

5 de agosto de 2020

Cursista

Silvana Fátima Boni Morato

Função

PROFESSOR ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO

DRE / Unidade Educacional

São Mateus

Escola

CEU EMEF MARIA LISBOA DA SILVA/ EMEF PLÍNIO DE QUEIROZ

RESPEITAR É PRECISO

TEMA: Programa Imprensa Jovem e sua aplicação na Educação para os Direitos Humanos

 

Silvana Fátima Boni Morato

RF:610.310.3

CEU MARIA LISBOA DA SILVA

EMEF PLÍNIO DE QUEIROZ

 

 

 

 

Justificativa

Pensando na Educação em Direitos Humanos e os desafios do contexto atual, o Projeto Imprensa Jovem vem em consonância com esse tema uma vez que o protagonismo infanto-juvenil será de suma importância para o retorno às aulas presenciais, a fim de auxiliar os demais estudantes no engajamento das disciplinas e na disseminação de conhecimentos.

A Portaria de nº 7.991, de 13 de dezembro de 2016, esclarece as normas complementares e os procedimentos para a implementação do Programa Imprensa Jovem nas Unidades Educacionais da Rede Municipal de Ensino da Cidade de São Paulo.

Já a Portaria de nº 7849, de 01 de dezembro de 2016, trás as atribuições relacionadas ao Programa quanto ao planejamento, acompanhamento, avaliação dos projetos e ações de Educomunicação desenvolvidos pelas Unidades Educacionais, conforme as disposições da Lei Municipal nº 13.941/2004 para formular, implementar, acompanhar e avaliar, em conjunto com a COPED, projetos para a ampliação de jornada dos estudantes de acordo com as Diretrizes nacionais e municipais, objetivando o desenvolvimento de ações que promovam o protagonismo infantil e juvenil, o direito à comunicação e à liberdade de expressão por meio, inclusive, da apropriação de recursos midiáticos de aprendizagem.

De acordo com Melo (2011) ajudar o estudante a descobrir diferentes caminhos para decifrar os meios de comunicação social é uma das formas capazes de alterar, ainda que em um mínimo grau, esse estado de “coisas”.

Ainda de acordo com o autor:

Disseminar formas de compreensão de linguagem cinematográfica, introduzir nas escolas o hábito da leitura prazerosa, enfim, ajudar as crianças a compreenderem os produtos da indústria cultural e a se posicionarem de forma crítica diante deles é uma forma de se contrapor aos atos de poder com que a sociedade as conduz para satisfazer as demandas do sistema e não as suas próprias necessidades (MELO, 2011, p.172).

 

 

Particularmente nos últimos anos, houve um crescimento exacerbado no tocante as mídias de produção digitais ligadas a internet (canais de vídeos, podcasts, blogs, aplicativos, entre outros), como é o caso de indivíduos que antes eram anônimos e que assumiram um espaço na sociedade agindo sobre a opinião pública, os famosos “youtubers”. No entanto muitas vezes o estudante ao interagir com essas mídias digitais está em um papel de espectador recebendo somente a informação pronta.

Por isso, o projeto se justifica no sentido de tornar o estudante protagonista nos diferentes meios de comunicação a fim de que ele se torne um cidadão ativo e participativo da sociedade em que vive.

Público alvo

Este projeto se destina aos estudantes da Educação Básica, em especial aos que estão matriculados no Ensino Fundamental I.

 

Intenção

 

O referido projeto tem como foco a parceria com as TIC’s (Tecnologias de Informação e Comunicação), dando ênfase nas produções mencionadas, ajudando a desenvolver diferentes competências e habilidades nos estudantes como a criatividade, a autonomia, a expressão verbal e gestual, o raciocínio, a organização do pensamento e a escrita, em consonância com a Portaria de nº 5.930, DOC de 15/10/2013, que institui o Programa Mais Educação São Paulo e as necessidades apontadas pela comunidade escolar.

 

Objetivos

 

  • Compreender a história da mídia no cenário mundial e consequentemente no Brasil;
  • Fazer com que a implementação do jornalismo infanto-juvenil ofereça aos potenciais leitores não apenas materiais em diferentes áreas de conhecimento, mas também informações mais aprofundadas e críticas sobre os mais variados temas;
  • Desenvolver o conhecimento por meio da manipulação de diferentes tipos de mídias e tecnologias como celular, tablets, computadores, câmera fotográfica, filmadora, entre outros;
  • Entender o processo e as funções de cada indivíduo que trabalha na produção, edição, diagramação e publicação de filmagens, jornais, mídias, vídeos e imagens;
  • Incentivar a publicação das produções midiáticas em formato digital como hipertexto, podcast e videocast, em espaços virtuais como sites, blogs, redes sociais e Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA);
  • Desenvolver a habilidade de ler mídias digitais e interpretá-las;
  • Favorecer a produção dos estudantes e aplicar algumas técnicas relacionadas a filmagens e fotografias produzidas como: planos, ângulos, sequências, estilos, tempos, temas e outras características;
  • Conhecimento de materiais necessários para a produção audiovisual como os maquinários (filmadoras, microfones, projetor, refletores e mais);
  • Possibilitar aos estudantes a percepção de que se pode assumir o papel principal na produção digital na internet;
  • Desenvolver habilidades fundamentais para a criação de conteúdos: senso crítico, pesquisa, organização de ideias, elaboração de textos com qualidade, expressão verbal e corporal, comunicação e trabalho em grupo.

Resultados esperados

 

O resultado esperado através da implementação do Programa Imprensa Jovem é tornar o estudante protagonista de mídias relacionadas às linguagens impressa (boletim informativo, jornal impresso, jornal mural, jornal comunitário, revista, fanzine, história em quadrinhos, fotografia), radiofônica e televisiva (rádio escolar, webrádio, TV escolar), audiovisual (cinema e vídeo) e digital (blog, podcast e redes sociais), além de outras formas de comunicação que acompanhem a evolução tecnológica, enriquecendo assim seu repertorio cognitivo para serem produtores e protagonistas de mídias, ao invés de mero espectador delas.

Duração

Durante o ano letivo de 2021, seguindo a Portaria nº 7.991 (DOC de 14/12/2016, página 09 de 13 de dezembro de 2016) trás no Artigo 6º, Parágrafo 4º que: “Os projetos vinculados ao Programa Imprensa Jovem e desenvolvidos na ampliação da jornada do educando, observarão as seguintes orientações: (…) c) deverão ser previstas até 02 (duas) horas-aulas semanais para planejamento e preparo das atividades do Projeto, remuneradas como Jornada Especial de Trabalho Excedente – TEX”; sendo até 8 horas semanais com atendimento ao estudante, totalizando 10 horas semanais o Projeto como um todo.

 

Avaliação

 

O acompanhamento e a avaliação dos estudantes se darão de forma contínua considerando-se a frequência, a participação efetiva em atividades internas, a cobertura de eventos em que a Imprensa Jovem for convidada, a criação de conteúdos e o trabalho em grupo. Ao final do ano, será realizado portfólio digital, além de jornal impresso, contendo os trabalhos realizados no Programa.