Tarefa 6 – Curso REP! – Sandra Regina de Oliveira Nunes

Data

6 de agosto de 2020

Cursista

Sandra Regina de Oliveira Nunes

Função

Professora

DRE / Unidade Educacional

Pirituba / Jaraguá

Escola

Emei Papa João Paulo ll

Sala de Aula e seus Valores: Respeito e Educação Igualitária

Justificativa: Essa proposta surgiu após a observação e através das experiências reais vividas diariamente no ambiente escolar no qual atuo como professora. E, acredito que o professor precisa ter uma escuta ativa para entender as necessidades, os anseios e dúvidas dos alunos, onde possa ser mediador, acolhendo e incentivando, respeitando as individualidades e diferenças para promover e formar cidadãos com autonomia e consciência de seus atos.

Por ser professora de educação infantil, e atuar em uma comunidade, os desafios são enormes, pois temos famílias com culturas e situações diferentes. A partir daí penso a atuar com as crianças de forma mais efetiva as questões relacionadas ao Respeito, principalmente no que diz respeito as diferenças e a partir daí envolver a família das crianças, o qual a escola tem certa dificuldade de chegar.

Para que realmente se faça ações práticas é necessário envolver todos que atuam no ambiente escolar, afinal, todos são educadores, gestão, professor, quadro de apoio, entre outros. Utilizando o Conselho da Escola, e criando o Grêmio Mirim para que seja dada voz as crianças e os adultos envolvidos nessas ações, promovendo rodas de conversa, trazendo vídeos, leituras a fim de trazer reflexões sobre o respeito e sobre as diferenças, onde o diálogo seja algo sensível, pois não existe escola sem diálogo.

Objetivos: Embora passamos por um momento em que estamos em quarentena por conta da pandemia, penso que quando se der o retorno ás aulas, poderei colocar em prática ás ações relatadas aqui, a começar pelo acolhimento para com as crianças e as famílias devido ao longo tempo de distanciamento enfrentado. Ouvindo e dando voz as famílias, para se fazer uma educação igualitária.

A duração do tempo se dará ao longo do ano, com ações que tragam reflexões, através de reuniões com diálogos, questionamentos, leituras, promover oficinas;

Os resultados serão avaliados através de questionarias, cartazes , fotos, redes sociais a fim de que os protagonistas envolvidos sintam – se estimuladas e contribuindo e participando a fim de se promover uma educação verdadeira em direitos humanos.