Tarefa 6 – Curso REP! – MônicaAparecida Donizete de Almeida

Data

30 de julho de 2020

Cursista

MônicaAparecida Donizete de Almeida

Função

Coordenadora pedagógica

DRE / Unidade Educacional

Campo Limpo

Escola

Emef Mauro Faccio Gonçalves Zacaria

INSTITUTO VLADIMIR HERZOG

CURSO: RESPEITAR É PRECISO – 2020

PARTICIPANTE: Mônica Aparecida Donizete de Almeida

Email: [email protected]

TAREFA/ PROPOSTA DE AÇÃO

Formação de professores para atuação intencionalizada voltada para a Educação dos Direitos Humanos.

Local de ação: Escola e mesmo durante a pandemia o processo de formação contínua voltada para a temática.

 

JUSTIFICATIVA: Sabemos que cabe à escola, o papel de repensar a sua forma de ensinar, a maneira como concebe o aprender e o processo avaliativo, por isso julgamos importante o desenvolvimento de estudos que busquem compreender esse processo, especialmente, no que tange a educação para a diversidade. Isto significa que precisamos repensar e refletir criticamente sobre as ações e condutas cotidianas, tendo em vista desenvolver novas formas de atuar na educação, que garanta a realização de uma prática educativa, que de fato acolha todos (as) nas suas especificidades, possibilitando as aprendizagens fundamentais para a formação do cidadão, bem como as condições necessárias para que aprendam durante todo o processo de escolaridade, numa cultura de respeito e garantia dos direitos humanos e de equidade para todos.

No entanto, para que isso aconteça é fundamental  que os educadores (as) tenham  convicção de que a aprendizagem é possível para todos os alunos e alunas e que deste modo ao reconhecer as diferenças em salas de aula sejam capazes de reconhecer o outro e valorizá-lo de acordo com suas  especificidades e potencialidades, reconhecendo-os como sujeitos de direitos, independentemente das  diferenças sociais, econômicas, de gênero, de origem ( geográfica, étnica, linguística, religiosa) , dificuldade cognitiva ou de qualquer outras  deficiências ( sensorial, mental, cerebral, física, ). Mas para isso precisamos oferecer aos professores (as)  subsídios teóricos necessários à revisão de práticas que já estão, de certa forma, consagradas pelo uso, e que não sendo devidamente analisadas, continuam sustentando o que precisa ser modificado: a exclusão de nossos alunos e alunas, negando-lhes o direito à cidadania e à dignidade. Precisamos, pois, rever, re-significar nossas escolhas e tudo que estamos desenvolvendo frente ao processo de ensino e aprendizagem no contexto de uma escola aberta às diferenças que respeitem de fato a todos e que garantem todos os direitos a todos os estudantes, partindo do princípio a Educação em Direitos Humanos.

QUAIS SEGMENTOS SERÃO PROTAGONISTAS?

Os docentes são os protagonistas nessa formação. Partimos da ideia de formação continuada na perspectiva dos Direitos Humanos, conhecendo o verdadeiro sentido dessa proposta, como formação pessoal para vislumbrar a prática dessa proposta no presente e no futuro. Uma prática coerente com ações voltadas para o respeito mútuo, considerando que são sujeitos de direitos, naturalizando as ações voltadas com esse teor teórico, perpetuando a formação em serviço, atribuída de valores.

FINALIDADE/INTENÇÃO

Compreendemos que não se faz uma educação de qualidade sem uma educação cidadã, uma educação que valorize a diversidade humana e os locais dessa formação humana. A escola é um ambiente apropriado para se lutar, pela eliminação de preconceitos e de práticas discriminatórias, onde alunos e alunas, professores e professoras, possam construir suas identidades individuais e de grupo, exercitando o direito e o respeito à diferença, e que a cada ano vem nos mostrando que a diversidade  não se apresenta como um assunto esgotado e acabado, podendo assim ser explorado e estudado a cada dia, nesse sentido, a construção de uma relação de igualdade de direitos é fundamental, exercitando de fato o direito de que todos são iguais, exercitando a verdadeira escuta e a prática de diálogo pautado nos referenciais para a Educação dos Direitos Humanos.

OBJETIVOS/ RESULTADOS ESPERADOS

Constituir grupos de formação que assegure sistematicamente a reflexão sobre a prática, como uma forma dos professores se conhecerem como sujeitos que tem um saber e sensibilidade para olhar criticamente a própria ação,

Assegurar aos professores um processo contínuo de aperfeiçoamento, atualização e conhecimento do território, com vistas a reformular o projeto politico pedagógico da escola com aprofundamento da visão de currículo na perspectiva sócio histórico e cultural, visando à construção de estratégias para melhor equacionar questões ligadas ao combate às discriminações raciais, de gênero, dos deficientes, entre outras. Estabelecendo relações de confiança e respeito, na perspectiva de diálogo para uma educação compreensiva, resgatando a dignidade humana como princípio fundamental.

Formação de uma equipe envolvida e comprometida com uma concepção de ensino que considere a diversidade e a pluralidade tanto no âmbito do trabalho com conteúdos escolares quanto no das relações interpessoais, como elementos constitutivos do processo ensino aprendizagem, que potencializa a formação cidadã, considerando a Educação dos Direitos Humanos, considerando uma prática permanente e continuada, voltada para a mudança e uma inculcação de valores para atingir corações e mentes.

Implementação de trabalhos com projetos que atendam as necessidades de inclusão, que respeitem a diversidade, a cultura e reafirmem o direito à diferença com os princípios da Educação dos Direitos Humanos.

Transformar o ambiente escolar em um espaço acolhedor para todos, no qual o processo de aprendizagem seja colaborativo, continuo, valorize e responda às diferenças humanas  através do diálogo e da escuta.

DURAÇÃO

Ao longo do ano

 

 

QUAIS SERÃO AS AÇÕES

Discussão e reflexão acerca de situações e condições geradoras dos problemas e dificuldades identificados no processo de formação e de ensino aprendizagem e do convívio escolar para a educação em Direitos Humanos.

Discussão curricular envolvendo temáticas que possam subsidiar as diferentes etapas /ciclos de aprendizagem (crianças, jovens, adultos) na perspectiva das aprendizagens das relações de escuta e convívio com o outro e do respeito mútuo.

Durante os horários de formação dos docentes, apresentar o material do curso Respeitar e Preciso e criar as discussões acerca das reflexões propostas, disponibilizar casos práticos ocorridos na escola para reflexão das práticas de mediação de conflitos.

Conhecer e discutir a portaria da mediação de conflito, com o intuito inclusive de rever a formação da comissão e propostas de novos componentes.

Ser tema principal do processo de formação dos docentes nos horários de Jeif.

 

AVALIAÇÃO

A avaliação será continua em cada ação realizada. A ideia é discutir essa formação nos horários formativos dos docentes, como conhecedora de causas e ideia dos mesmos com quem atuo, percebo a necessidade de desmistificar a ideia de Educação em Direitos Humanos pelos professores, uma vez que eles atuam diretamente na elaboração dos conflitos presentes na U.E, assim, faz –se necessário a formação para uma mudança de ações diante das situações de conflito.

A avaliação a cada encontro dará oportunidade de conhecer a ideia e essas mudanças necessárias através dos diálogos estabelecidos durante a formação, bem como as propostas que surgirem.