Tarefa 6 – Curso REP! – Milena Simões Coutinho do Nascimento

Data

24 de julho de 2020

Cursista

Milena Simões Coutinho do Nascimento

Função

PEIF

DRE / Unidade Educacional

Campo Limpo

Escola

EMEF Maurício Simão

O mapeamento da comunidade escolar

Durante as aulas do curso Respeitar é Preciso! – a Educação em Direitos Humanos e a atuação das Comissões de Mediação de Conflitos, chamou-me a atenção a aula que fala sobre o mapeamento da comunidade escolar.

Passei a refletir sobre como fazemos e, até mesmo, se fazemos esse mapeamento.

Diante da situação de pandemia que estamos vivendo e que assola as nossas periferias, muitas vezes nos vimos barrados no contato com as famílias. Fosse para assuntos pedagógicos, fosse para comunicar a entrega de cestas básicas ou outras comunicações importantes a serem feitas, é grande o número de contatos que não conseguimos realizar. Essa situação me fez pensar sobre como atualizamos nossos cadastros, com que frequência e se somos eficientes nessa atualização.

Com o abismo social que se escancara nesse momento difícil, nunca antes vivido por nós enquanto população, o senso de coletividade e solidariedade se fortaleceu e diversas ações foram desenvolvidas para que pudéssemos ajudar as nossas famílias mais carentes, mas mais uma vez nos percebemos desconhecedores da realidade das famílias que atendemos. Não somos capazes de dizer quantas pessoas há em cada família, quantas dessas pessoas trabalham. Se essas famílias estão inscritas em um ou mais benefícios sociais. Sabemos apenas as crianças que são inscritas no Bolsa Família pois mensamente temos que passar uma planilha com número de faltas. Mas não estar cadastrado em benefícios sociais significa que essa família não precisa de ajuda?

O mapeamento pode nos ajudar a responder essa e muitas outras perguntas, nortear ações solidárias de iniciativa da própria comunidade escolar e ainda nos mostrar quais famílias precisam de orientação quanto ao caminho que devem percorrer para obter acesso aos programas governamentais.

Para que sejamos eficientes nesse mapeamento é necessário que haja o envolvimento de todos os segmentos da escola no contato com essas famílias. É preciso que a ação passe pelo Conselho de Escola e também pela Comissão de Mediação de Conflito que atua na prevenção dos conflitos que possam vir a gerar violência. A fome, a invisibilidade e a injustiça social são fatores geradores de conflitos que muitas vezes culminam em violência escolar. Por essa razão a importância da Comissão nessa ação.

É preciso que os segmentos se reúnam e definam conjuntamente a melhor forma de atualizarmos as fichas cadastrais dos alunos e qual seria a melhor forma de mantermos esses cadastros atualizados.

Juntos, também, devemos definir a melhor forma de conversar com as famílias e explicar a necessidade de mapearmos essa comunidade com relação à situação socioeconômica, de forma que esse mapeamento não soe como invasivo e para que seja respondido com o máximo de verdade possível, por mais que muitas vezes essa verdade seja dolorosa de apresentar.

Talvez uma das possibilidades seria realizar visitas agendadas ás casas para um conversa e cadastro. Mas isso precisa ser aceito pelo grupo e necessita de grupos dispostos a realizar essa tarefa.

O objetivo principal dessa ação é poder fazer com que as ações solidárias de fato cheguem às famílias que necessitam, de forma que possamos ampliar essas ações de acordo com a necessidade. E ainda conseguir um contato mais efetivo com as famílias.

Com isso toda a comunidade escolar fica fortalecida e mais unidade no apoio mútuo.

O tempo necessário para essas ações não pode ser pequeno, pensando em uma EMEF com quase 1500 alunos. Mas podemos organizar um cronograma priorizando as séries iniciais e gradualmente avançar sobre os outros ciclos. Já a atualização cadastral pode ser mais rapidamente realizada por meio de formulários.

Se conseguirmos, ao decorrer dessas ações, conhecer melhor as famílias que atendemos e nos aproximarmos mais daqueles que estão precisando de ajuda, a avaliação será positiva. Qualquer ação que seja pensada e realizada com o intuito de aproximar, fortalecer, ajudar e compartilhar terá uma avaliação positiva.