Tarefa 6 – Curso REP! – Meg Masssri Sampaio

Data

6 de agosto de 2020

Cursista

Meg Masssri Sampaio

Função

Professor

DRE / Unidade Educacional

Freguesia do Ó / Brasilândia

Escola

Emei Manuel Bandeira

Meg Masssri Sampaio – [email protected]

Atividade realizada em cumprimento a exigência do Curso Respeitar é Preciso do Instituo Vladimir Herzog.

Meg Massari Sampaio

RF – 8045879

DRE – Freguesia Brasilândia.

TEMA: DIVERSIDADE E RESPEITO

 

JUSTIFICATIVA: As crianças pequenas chegam na escola demonstrando o que normalmente aprende com as pessoas que mais convivem, normalmente a família. Por esse motivo o tema diversidade e respeito é importante de ser trabalhado na escola, pois como diz o Caderno Respeito na escola é “Escutando e convivendo com as diferenças se ensina e se aprende a escutar e a conviver com as diferenças. As diferenças podem aparecer e serem trabalhadas em grupo e no grupo e chegarmos a conclusões através do diálogo e atividades propostas, traçando ações coletivas, mesmo que nem todos pensem da mesma forma” (págs. 100 e 101). É preciso que desde pequenas aprendam que todas as pessoas merecem respeito e valor independentemente de sua aparência, cor, crenças, entre outros.  O tema escolhido foi pelo fato de ter ocorrido duas situações na escola que chamaram a atenção de alguns professores, a primeira é que uma criança chamou a cozinheira de negra feia enquanto servia a refeição e a outra é que um menino batia em todos os colegas e nenhum deles queria brincar com ele ou mesmo sentar perto dele, a professora ao conversar com a mãe disse que batia nele, pois era filho dela e muito atrevido. Ambas situações ocorreram a semana anterior do início do isolamento social devido a Pandemia do Coronavírus. Como sou módulo na EMEI cheguei a conversar com a professora da criança e mais outras sobre a atitude em relação a cozinheira. Como não conseguimos fazer nada anteriormente, então resolvi preparar esse projeto para que assim que possível possamos enquanto grupo colocá-lo em prática.

PROTAGONISTAS:

Crianças, famílias, professores, gestão, ATEs, Agentes de Apoio, Auxiliares de Limpeza e Cozinheiras

FINALIDADE:

Construir conhecimento juntos, através do diálogo nas rodas de conversa, pesquisa, construir histórias, ouvir histórias, realizar brincadeiras, assistir filmes, criar noção de pertencimento e criar respeito uns para com os outros, independente de sua condição social, cor, aspectos físicos, deficiências, entre outros com o intuito de que passem a ter uma boa convivência com todos e todas.

OBJETIVOS/RESULTADOS ESPERADOS:

  • Levantar dados das famílias e mapear as diversidades dentro delas;
  • Realizar pesquisa com as famílias sobre a árvore genealógica;
  • Solicitar aos pais e aos funcionários que venham a escola nos contar alguma história de vida sobre preconceito e respeito;
  • Promover o diálogo entre crianças e adultos de como se sentem aos serem maltratadas e desvalorizadas nas rodas de conversas;
  • Possibilitar a visualização em espelhos, fotos e desenhos de sua imagem e a imagem dos amigos, grandes e pequenos;
  • Construir valores e respeito entre as pessoas para que as crianças possam levar para a vida;
  • Promover brincadeiras, histórias, músicas que tratem da temática;
  • Reconhecer a diferença que faz parte de nossa sociedade;
  • Conhecer sobre o racismo e preconceito;
  • Possibilitar que todos enxerguem as diferenças como oportunidade de construírem aprendizagens, conhecimentos e construam novos significados sobre o tema.
  • Trabalhar o conceito de amizade;
  • Fortalecer as relações humanas e sociais.

DURAÇÃO: Um ano

AÇÕES:

Enviar para as famílias um questionário perguntando qual a cor de pele deles, se conhecem a história de sua família, o que acreditam ser discriminação, preconceito, racismo e solicitar que façam junto com as crianças a árvore genealógica das famílias e que enviem uma foto da crianças sozinha e uma da família para a construção do mural “Cada família é especial” e “Cada um é de um jeito”

Apresentar a obra de Adriana Varejão – “Polvo” que traz a magia de toda a mistura que temos em terra tupiniquinsEssa obra foi criada a partir de pesquisas realizadas pelo IBGE onde as pessoas se denominavam “branquinha”, “morena-bem-chegada”, “morena-jambo”, “queimada de praia”, “cor-de-ouro”, “puxa-para-branco” entre muitos outros. A intenção é mostrar para as crianças e adultos as diversas cores de pele existente e conversar sobre elas.

https://www.google.com/search?q=obra+de+adriana+varej%C3%A3o+polvo&client=firefox-b-d&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=2ahUKEwilp6qFu4XrAhXbHrkGHWm0ChoQ_AUoAXoECA4QAw&biw=1366&bih=654#imgrc=_zOys7_EfQeOQM

As crianças e os adultos deverão se olhar no espelho e após se desenharem, após fazer um grande mural com as expressões artísticas e conversar sobre elas.

Colocar as crianças e funcionários em pequenos círculos, pedir que estiquem os braços e tirar fotos de cima. Expor as fotos para apreciação e discussão.

Filmes:

  • Kiriku e a feiticeira que mostra a coragem de um pequenino bebê negro, que nasce na África e irá salvar seu povoado da feiticeira má. Ao longo do filme que é um conto, podemos observar inúmeras referências à cultura da África, suas vestimentas, musicalidade, a relação com a natureza entre, e outros. Aqui queremos mostrar um pouco da nossa história enquanto povo brasileiro conversar sobre a escravidão e como os negros chegaram ao Brasil. Após fazer uma relação com o mural de fotos das famílias e as árvores genealógicas das famílias.
  • Sherek – Em um pântano distante vive Shrek, um ogro solitário que vê, sem mais nem menos, sua vida ser invadida por uma série de personagens de contos de fada, como três ratos cegos, um grande e malvado lobo e ainda três porcos que não têm um lugar onde morar. Todos eles foram expulsos de seus lares pelo maligno Lorde Farquaad. Determinado a recuperar a tranquilidade de antes, Shrek resolve encontrar Farquaad e com ele faz um acordo: todos os personagens poderão retornar aos seus lares se ele e seu amigo Burro resgatarem uma bela princesa, que é prisioneira de um dragão. Porém, quando Shrek e o Burro enfim conseguem resgatar a princesa logo eles descobrem que seus problemas estão apenas começando.

Sugestões de leitura:

  • O patinho feio – Ruth Rocha – No meio do ninho da mãe pata apareceu um ovo cinza e bem maior que os demais. A pata chocou todos sem distinção. Ao nascerem os patinhos, achou um deles estranho, mesmo assim resolveu criá-lo. Apesar da acolhida, este filhote sentia-se um verdadeiro patinho feio. Um dia, cansado daquela situação, o patinho foge para bem longe e passa por vários apuros. E, quando chega o verão, descobre sua verdadeira origem.
  • Dê todas as cores de Nye Ribeiro – Juvenal, o jardineiro, cuidava de seu jardim no maior capricho. No primeiro canteiro, plantava margaridas brancas, no segundo, girassóis amarelos… E assim por diante. Mas, um dia, nasceu uma tulipa no canteiro de margaridas, uma petúnia no canteiro de girassóis… No começo umas rejeitavam as outras, mas, com o tempo, foram aprendendo a conviver em harmonia.
  • A Princesa e a Ervilha de Rachel Isadora – Durante dez anos, a escritora e ilustradora Rachel Isadora percorreu vários países da África, inspirando-se para adaptar contos de fadas, como esta clássica história de Hans Christian Andersen. Suas primorosas ilustrações levam os leitores até as belas paisagens africanas, onde uma pequenina ervilha será capaz de mudar destinos.
  • Diversidade de Nuria Roca – Embora milhões de crianças vivam em nosso planeta, cada uma é diferente e única. Diferentes crianças falam línguas diferentes e possuem diferentes cores de olhos, cabelo e pele. Meninos e meninas vivem em diferentes lugares, que apresentam climas diferentes, culturas diferentes e festividades diferentes. Quando abrirem este livro, os leitores conhecerão crianças da China, do Alasca, do Japão, da Europa, da Austrália, da África, das Américas e de muitos outros lugares. Os pais e os educadores também aprovarão este livro, que traz orientações e sugestões de atividades para ajudar as crianças a conhecer e a apreciar a maravilhosa diversidade das crianças do mundo.
  • Diversidade de Tatiane Belinky – Se todo mundo fosse igualzinho, o mundo não teria graça! Mas só reconhecer que as pessoas são diferentes não basta. É preciso respeitar as diferenças. E os versos de ‘Diversidade’ nos ensinam isso, que não há um jeito único de ser- ‘assim ou assado, todos são gente, tudo é humano’.
  • Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero – Que ninguém é igual a ninguém todo mundo já sabe. A novidade do texto é que ele mostra como é gostoso a gente ser o que é, sentir o que sente e viver como vive, independentemente da opinião dos outros. Além disso, o personagem Tim traz uma proposta lúdica muito especial.

Músicas –

  • Normal é ser diferentes – Grande Pequeninos
  • A diferença é o que nos une – Mundo Bita.
  • (Canteiro) Diferenças interpretada por Margareth Darezzo
  • Como é bom ser diferente – Turma do Tio Marcelo
  • Respeito as diferenças de Eleni Freire Carvalho
  • Ser diferente é normal – Gilberto Gil e Preta Gil

Desenho Animado

  • Bullying não! Ser diferente é legal | Canal da Charlotte

https://www.youtube.com/watch?v=Oi3K9KDt_FY

  • Todo mundo é DIFERENTE! | Freely – Aprender é Mágico

https://www.youtube.com/watch?v=kwU8TwARtIA

  • Turma da Mônica – Respeito e Tolerância

https://www.youtube.com/watch?v=sDWQ-QuSXXQ

  • Turma da Mônica – Inclusão

https://www.youtube.com/watch?v=KCrn8zZbFEs

  • Brincadeiras

Dinâmica Faça para o outro o que você gostaria que fizesse para você — todos os participantes formam um círculo e se sentam no chão ou em cadeiras. Após pensam em algo que deseja que colega/adulto ao lado direito faça e em seguida fala em seu ouvido. Depois o orientador diz que são eles que vão realizar a atividade proposta ao colega. Assim, ensina-se a não fazer o desejar para o outro o que você não quer para si.

  • Pega-Pega ou Picula

Esse jogo é chamado na Bahia com um nome em Iorubá-Picula. Grupo escolhe quem vai ser o pegador, os participantes correm livremente enquanto o pagador tenta pegá-lo. Quando isso acontece, quem foi pego é o próximo pegador.

Foi Maravilhoso participar desse curso, agregou muito conhecimentos e tenho certeza de que me ajudará em minha escola e a compartilhar com meus companheiros o aprendido. Espero que outras pessoas possam ter a possibilidade participar deste curso. Parabéns pelo trabalho de vocês.