Tarefa 6 – Curso REP! – Maria

Data

3 de agosto de 2020

Cursista

Maria

Função

Professora de educação infantil

DRE / Unidade Educacional

Campo Limpo

Escola

CEU CEI CASA BLANCA

PROJETO:

Educação em Direitos Humanos (EDH)

Educação antirracista – NEGRO DO MÊS

O princípio Constitucional da igualdade – uma breve citação[1]:

Como obra humana que é, o princípio da igualdade experimentou um lento processo de elaboração conceitual, com pontuais avanços e retrocessos, influenciado por fatos e circunstâncias históricos, alguns positivos e outros tantos desastrosos (…) momentos históricos que influenciaram a lenta elaboração dos direitos humanos como obra humana para, dentre eles, buscar a construção da igualdade jurídica na forma com que é compreendida hodiernamente.

(…) a conexão jurídico-positiva entre dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais começa como Estado social de Direito, nas Constituições e grandes textos internacionais subsequentes à segunda guerra mundial, e os ideais iluministas de igualdade formal passariam por um processo de reavaliação, senão forjado ao menos impulsionado por movimentos sociais de contestação, como a revolução russa que findaria o czarismo autocrata-absolutista e a dinastia Romanov.

 

Justificativa:

É notório que o Brasil ainda carece de diversos mecanismos para se atingir muitos dos direitos humanos inseridos na “Declaração Universal dos direitos humanos” e do que rege a Constituição Brasileira dita Cidadã, de 1988.

Ao participar do curso EDH, foi provocado em mim o desconforto mais pontual da desigualdade que é consequência das estruturas racistas do país.

No bojo desse desconforto, me pautei por um cenário do meu ambiente escolar, observando as famílias que ali frequentam.

Assim, com base em uma pesquisa feita com as famílias dos alunos realizada em 2019, identificou-se que diversas famílias não-brancas se autodeclararam como brancas.

Além disso, nos processos de elaboração de projetos pedagógicos, se destacou o fato de que o corpo docente, em sua maioria, carece de conhecimentos da História do negro no Brasil, “lembrando” do assunto apenas no dia 20 de novembro, dia da consciência negra. O que se apresenta são apenas ideias vagas e reprodução de conceitos genéricos com sua carga de estereótipos.

Organizações Envolvidas: Comissão de mediação de conflitos, Conselho de escola e PEA.

Finalidade:  Resgatar e valorização da imagem das famílias negras.

Objetivos e resultados esperados: Que haja um despertar para a valorização e autoestima da população afrodescendente. E que as práticas adotadas sejam inseridas no currículo da escola de forma permanente.

Duração: Permanente

 

Ações:

Por que algumas famílias pretas, algumas delas retintas têm dificuldades em se reconhecer como tal? Essa dificuldade poderia estar relacionada à representatividade e identidade.

Nesse contexto, uma ação de resgate e valorização da imagem do povo negro passa por ações pontuais de redescobrimento dos heróis e grandes personagens negros da História do país. Que foram submetidos a um apagamento sistemático de sua história.

Tais práticas como parte de uma educação antirracista podem ajudar a provocar pequenas fissuras no sólido ideário criado de supremacia e superioridade da branquitude.

Assim, escolhi um nicho a se trabalhar a partir de um prisma positivo, que seria a tentativa de elevação da autoestima e do reconhecimento da identidade das famílias pretas.

Para um projeto com esse perfil identifico duas frentes: uma implantação e um processo constante e retroalimentado.

A primeira visão compõe um projeto faseado de forma conjunta entre corpo docente, diretivo e comunidade.

A segunda visão se relaciona à cultura e práticas no ambiente escolar.

Assim, poderíamos dividir o trabalho de implantação dessa forma:

1º Atuação junto ao corpo diretivo

Apresentação através de reunião individual para apresentação do projeto. Neste momento explanaria sobre todo o inconsciente coletivo implantado na sociedade através dos séculos de escravidão e o consequente apagamento da história do negro no Brasil.

Proposta da atividade: Criação do Negro do mês, no qual se elegeria uma figura negra de destaque para estudo, pesquisa e divulgação.

2º Atuação junto ao corpo docente

Proposta de debates propositivos trazendo exemplos de personalidades pessoas negras atuais e do passado, ainda pouco conhecidos de parte da população.

Buscando a educação inclusive do corpo docente, que também está inserido nessa sociedade estruturalmente racista e, portanto, muitas vezes ignora a história apagada e também não tem a compreensão da dimensão do problema racial.

O processo aqui neste campo também precisa ser educativo. Dentro deste processo de construção do projeto, serão contempladas as seguintes temáticas: Contação de história, música, dança, brincadeiras, oficinas e bate-papo.

3º Atuação junto à comunidade (famílias)

Em conversas e debates a partir das reuniões da Comissão de mediação de conflito, Conselho de escola e PEA, definiríamos como seria apresentado as famílias e as crianças a forma em que iriamos apresentar e executar o projeto. Na reunião de pais apresentação do Projeto ‘NEGRO DO MÊS”, apontando que a proposta é trazer à comunidade parte da história do Brasil que não nos foi apresentada. De acordo como forem trabalhar a temática durante o mês. A escola fará uma exposição dos trabalhos feitos pelas crianças.

Convites para visitarem o ambiente escolar e verificar os trabalhos. Como uma espécie de museu histórico.

Construindo assim uma identidade para a comunidade escolar.

4º Processo constante e retroalimentado

O movimento permanente seria o resultado da atuação das três etapas anteriores, com a apresentação dos diversos aspectos da personalidade do mês.

Apresentando a população negra de forma positiva, incluindo nas atividades artistas, cientistas, escritores e informação sobre a população negras. Arte e músicas negras como parte do conteúdo pedagógico.

Com a criação do negro do mês, cartazes e fotos seriam espalhados pelos corredores e salas de aulas. Ali, pequenas citações ou eventos da vida do personagem seriam mencionados.

 

Avaliação: Através de reuniões e pesquisas periódicas.

[1] https://ambitojuridico.com.br/cadernos/direito-constitucional/o-principio-da-igualdade/