Tarefa 6 – Curso REP! – Luís Claudio de Medeiros Silva

Data

7 de agosto de 2020

Cursista

Luís Claudio de Medeiros Silva

Função

Professor de Educação Infantil

DRE / Unidade Educacional

Santo Amaro

Escola

CEI VILA IMPÉRIO

Nome: Luís Claudio de Medeiros Silva RF: 8367388

Projeto “Escuta Mútua no CEI Vila Império”

Introdução

A escola é espaço de todos e, por isso, deve ser lócus da diversidade. Esta proposta de projeto será apresentada no CEI Vila Império para toda comunidade escolar, após o retorno às aulas presenciais. Esta unidade escolar está inserida na Cidade Ademar, na zona Sul do município de São Paulo, em uma região que apresenta contrastes sociais, econômicos e culturais. O CEI Vila Império conta com trinta professoras e um professor, uma agente escolar, cinco auxiliares técnicos de educação, uma coordenadora, uma assistente de direção e uma diretora. O CEI atende duzentas e quarenta e nove crianças.

Justificativa

Apesar do CEI Vila Império possuir uma Equipe de Mediadores, não havia, até o momento, um projeto para melhorar as relações entre todos que compõem a comunidade escolar. A partir da reflexão dos problemas que foram vividos na unidade, algumas vezes com falas desrespeitosas, o aspecto identificado que necessita de mudança é a escuta. Muitos profissionais da educação constroem barreiras e muros “invisíveis” que os segregam. Estes fazem com que não dialoguem, não escutem, não cedam, além de imporem, julgarem e menosprezarem os demais. Os professores e funcionários precisam deixar suas vaidades e seus egoísmos de lado para juntos construírem a escola em seu sentido mais amplo, diverso e plural. Respeitar, escutar, falar e resolver conflitos são exemplos que podem mudar e melhorar as relações e serem fontes de múltiplos aprendizados. Os estudantes, mesmo os pequenos, percebem quando as relações entre os profissionais não são boas. O que é dito deve corresponder à prática para ter sentido, pois não se pode cobrar espírito de coletividade dos alunos, quando o profissional atua de forma individualista. Nesse sentido, essa proposta de mudança pode ser feita com a Mediação Coletiva, por meio de rodas de conversa entre os profissionais em reuniões pedagógicas e em sala de aula com os alunos e alunas, uma vez por semana ou mais caso os grupos achem necessário e também com estudos, pesquisas e palestras com profissionais capacitados. Nessa proposta, baseada na democracia, deve ser acordada por todos que cada um terá direito à fala, objetivando resolver os conflitos e possibilitar a humanização e o desenvolvimento dos envolvidos.

Finalidade

Melhorar as relações interpessoais através do diálogo para a resolução de situações de conflito.

Objetivos específicos

– Promover o diálogo, a discussão respeitosa e a reflexão entre diretores, coordenadores, professores, funcionários, pais e crianças, buscando construir regras coletivamente.

– Debater e refletir sobre formas não violentas de reagir a situações de conflito.

– Compreender a importância do respeito mútuo para a formação de uma comunidade solidária e cooperativa.

– Adotar atitudes de respeito pela diversidade.

Duração

4 meses

Cronograma

Mês Ações
Setembro Apresentação do projeto para a comunidade escolar. Observação e mapeamento de conflitos que surgirem no âmbito escolar ou que o envolva.

Mediação coletiva.

Outubro Organização de palestras sobre direitos humanos, violência, processo de desumanização, reconhecimento, respeito e construção de uma cultura de paz.

Mediação coletiva.

Novembro Mediação coletiva.
Dezembro Avaliação do projeto.

Avaliação

Rodas de conversa reflexivas sobre as mudanças no clima escolar e nos modos de agir dos partícipes. Autoavaliação sobre o projeto.

 

Considerações Finais

A escola é um espaço social privilegiado de formação e informação, de construção de conhecimentos, significados éticos para as ações de cidadania. O Projeto “Escuta Mútua no CEI Vila Império” é uma proposta de Educação em Direitos Humanos e pretende contribuir para a construção de uma cultura de paz, de respeito à diversidade e da cidadania consciente e ativa.

Esta proposta baseia-se na reflexão contínua sobre as experiências acumuladas e as práticas vivenciadas. O coletivo da escola deve decidir todos os passos do projeto e mudanças no mesmo, desde objetivos, meios, recursos, estratégias e critérios. Esse é um exercício de autonomia que irá estabelecer os procedimentos operacionais para a realização da melhoria das relações humanas no ambiente escolar.

O público que a escola atende é heterogêneo, sendo então formado pelas distintas classes sócio-econômicas. O CEI, com esta proposta, pode se tornar uma escola mais democrática, parceira, inclusiva e participativa, que respeita as diferenças e os valores culturais das famílias, promovendo a igualdade para garantir o respeito à diversidade e à diferença.

Enfim, como nos ensina Paulo Freire (1979), em Pedagogia do Oprimido, não existe educação sem diálogo, assim é importante estabelecer uma relação dialógica com todos que compõem a comunidade escolar visando uma educação de fato de qualidade, como um processo de ensino e aprendizagem de forma consciente, crítica e ativa.

 

Referências

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

Democracia na escola : caderno temático / Vlado Educação – Instituto Vladimir Herzog . 3. ed.  São Paulo : Instituto Vladimir Herzog, 2019.