Tarefa 6 – Curso REP! – Liliane Rodrigues Carvalho

Data

24 de julho de 2020

Cursista

Liliane Rodrigues Carvalho

Função

Peif

DRE / Unidade Educacional

Capela do Socorro

Escola

EMEI vila natal

Sabemos que tratar da relação escola-famílias não é uma tarefa das mais fáceis. Mas, temos clareza de que a Escola tem a sua grande responsabilidade nesse processo e não pode, portanto, eximir-se dele. Assim; pensando num suposto retorno às aulas, pós quarentena e ainda em meio ao COVID-19 e a ameaça a qual ele representa, faz-se necessário buscar e extrapolar formas de diálogo e reflexão sobre como escola e famílias poderão estreitar muito mais sua relação em busca de um enfrentamento para essa realidade: um retorno mais seguro. Para tanto, iniciaria esse trabalho por meio do Facebook da unidade educacional e estenderia o mesmo para o mural de plataforma educacional em uso e, por meio, desses veículos traria ao conhecimento da comunidade, vídeos orientativos, dentre outros. E, ainda, abriria espaço para acolher as colocações dos familiares através da própria plataforma, buscando compreender as necessidades de cada família e seus pareceres e opiniões sobre o qual todos estamos passando. Reconhecer e considerar a existência de vários tipos de famílias frenquentantes da mesma escola, também é um grande passo; pois, dentro de uma mesma unidade de ensino ou grupo familiar há pessoas que pensam, desejam, agem, se angustiam de maneiras diferentes e por sua vez apresentam necessidades diferentes; portanto, há a necessidade de acolher esses pareceres com a devida atenção, com o devido respeito e sem julgamentos que em nada auxiliarão. O clima escolar estabelecido sobre pilares democráticos e dialógicos, não deve ser de relevância apenas nas situações de aprendizagem, ou situações internas em geral, mas frente a uma situação como a atual, ele deve extrapolar os muros da escola e deve ser pensado, dialogado, refletido por todos os interessados.  A escola ocupa um papel muito importante na vida da sua comunidade local e as pessoas que nela trabalham também ocupam esse papel, querendo ou não. É um papel nato de quem está ali, exercendo alguma função naquele espaço, e as famílias; por sua vez, desejam o acolhimento desse espaço e pessoas.

Segundo um provérbio africano, “É preciso toda uma aldeia para educar uma criança” e dentro desse processo de educar também mora o cuidar e, o cuidar requer responsabilidade.

Então, considerando a responsabilidade que conosco é dividida, principalmente, num momento desses, acredito que de fato o pontapé inicial, seria abrir nos veículos comunicativos espaços com as seguintes indagações: O que se sabe sobre o COVID-19?, Que medidas seriam tomadas por meio da família para minimizar possibilidades de contagio? Depois, de lidas e refletidas as respostas, iniciaria a apresentação de pequenos vídeos de orientação e esclarecimento, sendo o tema do primeiro: “Você sabe o que é uma doença assintomática e que danos pode causar?”  Seguiria com orientações sobre máscara, uso do álcool em gel, etc. Prosseguiria apresentando vídeos onde as crianças a unidade estariam brincando juntos em sua rotina normal a fim de alertar que além de compartilhar do espaço, elas compartilham de objetos pedagógicos, dentre outros que fazem parte de uma coletividade. Assim, envolveríamos e teríamos um momento de diálogo e reflexão entre escola e famílias, cruciais para esse momento.