Tarefa 6 – Curso REP! – Juliana freitas mendes Xavier

Data

29 de julho de 2020

Cursista

Juliana freitas mendes Xavier

Função

Prof de educação infantil

DRE / Unidade Educacional

Santo Amaro

Escola

EMEI CRUZ E SOUSA

Justificativa

O projeto, do Conselho Mirim visa o desenvolvimento da autonomia e autoria das crianças, numa proposta de protagonismo infantil. A expansão das possibilidades de participação no mundo social numa educação em direitos humanos é nossa tarefa primordial, pois ser humano e social significa ser sujeito de direitos e de escolhas e se constrói na tomada de consciência sobre o que se faz. O investimento nos pequenos os torna agentes transformadores de si e do mundo ao seu redor.

 

Muitos teóricos e teorias sobre a Infância apontam para a necessidade do trabalho com o protagonismo infantil, com o dar vez e voz às crianças. Nossa preocupação com o Projeto na Unidade Educacional pretendia sair da teoria e fazer a prática. Um dos caminhos escolhidos foi o Conselho Mirim. Ao considerarmos: a importância de criar mecanismos e estratégias para dar ação e relevância à voz das crianças, no cotidiano da educação infantil; a necessidade de encontrar caminhos para uma competência de diálogo horizontal cada vez maior entre crianças e adultos com uma escuta ativa e qualificada dos adultos com as crianças.

 

Conforme avaliado pelo o coletivo da unidade, para dar continuidade ao projeto já iniciado em no início de 2020, porém não sistematizado e não consolidado, no âmbito do Projeto Político-Pedagógico, das condições para o trabalho com as vozes e culturas infantis e o protagonismo dentro da Unidade Educacional Emei Cruz e Sousa promovendo ações afirmativas, contribuindo com a gestão democrática da escola e uma cultura de respeito entendemos e justificamos a importância que o tema requer.

 

Não basta ouvir as crianças, a existe a necessidade de respeitar e atrelar o que se ouve à criação de tempo e espaço para que elas possam viver as infâncias, ampliando suas realidades sociais, culturais e humanas.

 

Finalidade

Utilizando o método de círculo temático onde um Mediador é um facilitador da comunicação que estabelece uma relação de igualdade. Conduz a conversa com perguntas reflexivas para que todos encontram os caminhos. Escuta sensível e ativa das crianças colocando o adulto em escuta do ponto de vista da criança e às especificidades do mundo das infâncias. Atentos aos relatos como um importante ingrediente na construção e reflexão sobre a práxis educativa. Concedendo palavra às crianças não somente fazendo perguntas para que respondam, mas oferecendo condições para que se expressem e para que desejem expressar-se. Os envolvidos com projeto são os membros da gestão, os professores mediadores, duas crianças elegível por turmas, um ATE, um funcionário da limpeza, um da cozinha e membros da comunidade constituindo assim o conselho Mirim do ano.

Objetivos

  • Incluir as crianças na participação da gestão democrática;
  • Contribuir para o diálogo horizontal entre crianças e adultos, respeitando a cultura da infantil e educação em direitos humanos
  • Qualificar e Valorizar a visão das crianças em igualdade com a dos adultos;
  • Fomentar a autoria das crianças na reflexão e tomada de decisões sobre assuntos de interesse da escola;
  • Problematizar a realidade local e apontar encaminhamentos;
  • Realizar mediação de conflitos;

 

Duração: ano letivo de 2021, em processo de consolidação;

Avaliação:

Semestralmente faremos uma avaliação dos avanços e conquistas pelo Conselho Mirim, mas na verdade a avaliação será notória nos espaços, e nas relações. Dar voz às crianças não é apenas permitir que elas falem, é reconhecer o que falam e que suas vozes possuem extrema importância. A maneira como sentem e vêem o mundo ressignifica a visão do adulto e dá credibilidade para o que apontam.

 

No ano de 2020 iriamos iniciar o projeto em 2019 começamos a conversar com as crianças e fazer um trabalho de sensibilização. O grupo de professores pesquisaram outras unidades que desenvolvem o projeto do Conselho Mirim, relatando que a escola ficou mais colorida, alegre, com crianças mais felizes, questionadoras e críticas. Notaram, também, mudança na postura dos adultos que passaram a valorizar o protagonismo infantil, vemos crianças discutindo questões da escola, do entorno, da cultura de mundo em igualdade com os adultos de acordo com sua percepção. Por isso a necessidade de sistematizar e dar vida ao projeto o consolidando como parte da Emei Cruz e Sousa.