Tarefa 6 – Curso REP! – Elza Candido de Farias

Data

19 de julho de 2020

Cursista

Elza Candido de Farias

Função

Professora

DRE / Unidade Educacional

Ipiranga

Escola

EMEF Cleomenes Campos

Nome: Elza Cândido de Farias

RF – 841.856-0

EMEF CLEOMENES CAMPOS

 

PROPOSTA DE AÇÃO – EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

 

De onde partimos: Em atividade na escola municipal há quase três anos, constato algumas situações:

  • a equipe gestora e os docentes disputam espaços e perspectivas;
  • professores têm percepções divergentes sobre diversidade e inclusão;
  • a homogeneização ainda é vista como ideal para a aprendizagem com vistas a uma “escola que já foi boa”;
  • as outras equipes da escola: Auxiliares, inspetoras, limpeza, (segurança não tem mais) não integram as tomadas de decisão, nem participam dos horários coletivos de planejamento e se sentem, em geral, a parte;
  • a equipe de limpeza não é vista num processo de humanização efetiva e reconhecimento do trabalho realizado, ainda que muitos estudantes tenham parentes atuando no mesmo trabalho;
  • a equipe da cozinha é totalmente inviabilizada;
  • as situações de conflito são resolvidas a partir de punições e conversas vexatórias ou lições de moral;
  • a Comissão de Mediação de Conflito – CMC – é desacreditada ou apenas uma formalização diante da obrigatoriedade de constar no PPP;
  • a CRC não tem espaço de formação;
  • a cultura de paz é desconhecida da maioria dos professores e as tentativas de apresentação em geral é vista como modismos ou fraquezas.

 

O que esperamos:

  • criar espaços para a Educação em Direitos Humanos;
  • apresentar a Cultura de paz e as possibilidades de inclusão no currículo escolar;
  • preparar espaço para uma CMC atuante;
  • apresentar possibilidades para a construção de uma escola democrática, para além das assembleias;

 

 

Quais organizações estarão envolvidas:

A escola não conta com grêmio, o que implica criar condições para sua constituição e atuação.

A APM – Associação de Pais e Mestres; em geral é reunida para prestação e aprovação de contas e obras a serem realizadas. O que implicaria a necessidade

A CMC foi constituída, em votação inexistente, por exigência da supervisão para que conste no PPP da escola.

No entanto, é importante que todas as equipes sejam envolvidas, o que será apresentado.

Intenção:

A intenção é fazer com que a comunidade escolar, estendida, conheça mais sobre educação em direitos humanos.

Mapeamento interno com todos os profissionais que atuam na escola: onde estamos, o que deve permanecer, o que precisa ser mudado; entendimentos sobre direitos humanos; diversidade; inclusão; comissão de mediação de conflito, cultura de paz e comunicação não violenta.

Mapeamento da comunidade externa enquanto expectativas em relação a escola, atividades que gostariam de participar, o que está bom, o que pode ser melhorado e como, o que quer ver no futuro, etc.

(Os mapeamentos poderão ser feitos em diversos momentos para não sobrecarregar a pesquisa e análise para propostas de formação e projeto de efetivação das possibilidades).

Realizar um trabalho de sensibilização ainda durante o distanciamento social, com pequenas “pílulas” de direitos humanos e reflexões para o grupo.

Oportunizar melhor comunicação entre a comunidade escolar.

 

Objetivos/Resultados esperados

Formação de Comissão de Mediação de Conflito atuante

Formação do grêmio

 

 

Duração

Primeira etapa até dezembro;

Avaliação

Reprogramação para continuação, não é um trabalho que termine.

 

Ações

Fazer estudo do material referente Educação em Direitos Humanos, a partir de pequenas inserções nas reuniões semanais de equipe, mural do Microsoft Teams.

Oportunizar a fala da equipe a partir do material apresentado.

Criar oportunidades para que toda a equipe tenha acesso ao material e apresentem seus entendimentos e expectativas em relação a educação em direitos humanos.

No retorno presencial, trabalhar com círculos temáticos com a equipe escolar para que entendam o funcionamento e as possibilidades;

Pesquisa com uso de formulário referente às expectativas, vulnerabilidades, como entendem uma escola democrática, interesse e atuação do grêmio etc.; A pesquisa deverá ser realizada com funcionários, alunos e familiares.

 

Avaliação

O processo avaliativo deverá ocorrer periodicamente para verificar:

– Reflexões sobre Educação em Direitos Humanos;

– Aplicação dos princípios em Direitos Humanos no dia-a-dia da sala de aula;

– Novos olhares e entendimentos referente diversidade e inclusão;

– Projetos de garantia da voz e vez de todos;

– Aproximação e participação efetiva da comunidade.

 

 

Arquivo em PDF Proposta de trabalho a ser realizado na escola