Tarefa 6 – Curso REP! – Deyse Dallila Ferreira Lopes Santos

Data

20 de julho de 2020

Cursista

Deyse Dallila Ferreira Lopes Santos

Função

Professora de educação infantil

DRE / Unidade Educacional

Penha

Escola

CEI Maria da Glória Freire Lemos

Curso: Respeitar é preciso: Educação em direitos humanos e a atuação das comissões de mediação de conflitos

Nome: Deyse Dallila Ferreira Lopes Santos

Tema (proposta): Parceria Família e Escola: para o desenvolvimento significativo dos bebês e crianças e da efetividade das propostas pedagógicas.

Justificativa: Diante de todos os estudos, leitura dos materiais, participação das lives do curso acima organizadas pelos formadores e equipe Respeitar é preciso do Instituto Vladimir Hezorg, foi possível observar alguns pontos importantes que fazem parte diariamente da rotina do trabalho no CEI e que ainda precisam ser transformados e principalmente aprimorados, a relação Família e Escola, particularmente, acredito que através dessa relação sólida e verdadeira, o fazer pedagógico tem mais sentido. Portanto, faz-se necessário pensar e planejar mais ações que aproximem as famílias das UEs.

De nada adianta planejar, realizar propostas enriquecedoras e criativas se as famílias não participam e desconhecem. Não estou afirmando que não existe, estou tentando mostrar que quanto mais a família estiver presente dentro da escola, mais produtivo será o trabalho pedagógico, pois a participação dela no desenvolvimento escolar da criança é fundamental. Nesse momento de distanciamento social, ficou visível a presença mínima de familiares nas ações propostas no sistema remoto, não apenas pela dificuldade de acesso a rede virtual, mas o interesse em participar das ações planejadas. A equipe que trabalho realizou várias estratégias para continuar o trabalho pedagógico, ações pelo Facebook, telefone, classroom e mesmo assim o número de famílias que acessaram as plataformas foi bem pouco durante a pandemia. Diante das dificuldades enfrentadas, a equipe do CEI não deixou de realizar as ações e continuou buscando alternativas de forma coletiva para resgatar os laços entre escola e família. Todavia, houve pouco retorno, as devolutivas foram mínimas, mesmo entendendo a situação atual das famílias e compreendendo o estado emocional, achamos que seria importante que os familiares continuassem as experiências em casa com o bebê/ criança. Pensando nesse lado humano, das dificuldades vividas nesse novo cenário, a equipe mais uma vez se reuniu online e refletiu juntos, achou necessário realizar mais uma vez o contato via telefone com as famílias para saber como estavam as crianças, o que estão fazendo em casa nesse momento de isolamento social.

O objetivo principal era uma conversa, um diálogo onde as famílias pudessem desabafar, expressar os sentimentos, as dificuldades, etc. Essa ação envolveu a todos da equipe do CEI, além de compartilharmos as conversas informais no grupo da Unidade e compreender o que está acontecendo com as famílias do nosso CEI para posterior planejamento de volta às aulas presenciais. Além disso, tentar entender porque não tivemos tanta participação, quais foram os verdadeiros motivos que levaram as famílias a não realizarem as ações propostas. Precisamos pensar também em futuras estratégias que ampliem as relações entre escola e família. Resgatar a cultura das mesmas nos diferentes momentos da Unidade, como por exemplo, Roda de ciranda, reuniões com pais e mestres, etc.

Sendo assim, o nosso retorno pós pandemia precisará ser pensado com muito cuidado, com ações efetivas que garantam a participação e responsabilidade de todos, principalmente das famílias, pois sem elas o trabalho não tem resultados positivos. Dá continuidade às ações culturais que envolviam a comunidade, com planejamento em momentos de formação com a equipe do CEI. Realizar as reuniões conforme as escolhas feitas pelas famílias, pois elas vão dizer os horários que melhor se encaixam a rotina de trabalho delas. Divulgação com mais frequência dos projetos e experiências desenvolvidas pelas crianças no CEI através do Facebook, Instagram e painéis da Unidade.

Todas essas estratégias serão organizadas e planejadas pela equipe do CEI, em diferentes momentos. Esperamos que as famílias se sintam pertencentes desse território e contribuam com as suas experiências culturais. Participem de forma mais assídua das vivências desenvolvidas na EU e das reuniões marcadas. Faremos também uma caixa de sugestões onde todos possam dar dicas de passeios, fazer reclamações e ideias para aprimorar o trabalho realizado dentro do CEI. Por meio da participação e do envolvimento dos familiares nas propostas organizadas pela gestão poderemos verificar se houve ou não parceria e diálogo entre família e Escola. Todo esse trabalho será feito no decorrer do ano letivo.