Tarefa 6 – Curso REP! – Denice Santos dos Anjos

Data

4 de agosto de 2020

Cursista

Denice Santos dos Anjos

Função

Professora

DRE / Unidade Educacional

Freguesia do Ó / Brasilândia

Escola

Cei jardim Vista Alegre

 O QUE É ISSO NO MEU PRATO

 

Denice Santos dos Anjos

 

 

RESUMO: Esta atividade tem como finalidade de melhorar os hábitos alimentares e dar um incentivo para as crianças terem uma alimentação saudável e nutritiva focando numa melhor aceitação dos alimentos fornecidos pela escola, e, uma ampliação no paladar, compreendendo o verdadeiro prazer em se alimentar com nutrientes importantes e imprescindíveis para seu pleno desenvolvimento.

 

PALAVRAS-CHAVE: Alimentação, Família, Educação, Saúde, Crianças, Desenvolvimento, Nutrição.

 

INTRODUÇÃO

A escola desempenha papel fundamental na formação de valores, hábitos e estilos de vida, entre eles o da alimentação. No entanto, no dia a dia, vemos a dificuldade que as crianças encontram para se alimentar.

“O que é esse verdinho aqui?, “Eu não gosto disso!” são as frases mais ouvidas no momento da alimentação, e sabemos muito bem, que muitas vezes a criança nunca experimentou e nem faz ideia do que é aquilo. E o que nós fazemos? Jogamos fora! – “Deixa no cantinho do prato!”, “Se você não gosta não precisa comer!” Essas respostas padrão, as crianças ouvem em todos os lugares, tanto em casa, como na escola.

O que podemos fazer para mudar isso?

Essa atividade, vem para apresentar as crianças o infinito de alimentos que existem, e o processo que levam para chegar prontinho no nosso prato todos os dias.

Ao descobrir de onde vem os alimentos e como são preparados, será que despertará a curiosidade pelo sabor?

A criança tem voz, e por isso precisamos ouvi-las e a partir daí abrir a porta do conhecimento apresentando o novo para elas.

 

JUSTIFICATIVA

O que me mobilizou a tratar desse tema foi a complexidade do assunto e a forma como é tratado nas escolas, e as dificuldades encontradas no dia a dia durante a alimentação das crianças.

Como professora de Educação Infantil, enfrento essa dificuldade diariamente e por muitas vezes utilizei a resposta padrão, até me conscientizar de que a criança tem direito de saber o que está no prato dela, se ela quer comer e se ela conhece aquilo que vai comer.

Essas dificuldades me levaram a uma reflexão, e após as aulas fornecida pelo Instituto Vladimir Herzog, compreendi que o trabalho realizado em conjunto, é um trabalho completo.

Vale destacar a importância de pesquisar as diversas formas de utilizar estes materiais e leva-los a discussões em reuniões de formação docente, conselho de escola e APM, para que a partir da troca de experiências, e assim garantir o melhor para as crianças.

Alimentação é muito importante para o desenvolvimento humano e não pode ser tratado com descaso, alimentação saudável é mais que um assunto, é uma meta.

 

            PUBLICO ALVO

 Essa atividade será realizada com crianças de um CEI  entre 2 e 4 anos.

 

FINALIDADE

 

Desenvolver um relacionamento de parceria com famílias e todos os profissionais do ambiente escolar, focando nas cozinheiras (já que estão na maioria das vezes na cozinha e por isso mantem um contato menor com as crianças), visando ações que colaborem com  a atividade, garantindo o melhor para as crianças, dando voz as famílias e conhecendo e respeitando  os hábitos alimentares de cada um.

OBJETIVOS

OBJETIVO GERAL:

  • Desenvolver um bom relacionamento entre família x escola, visando garantir um desenvolvimento integral das crianças, trabalhando com a escuta das crianças e famílias, juntamente com uma gestão democrática que ouve, respeita e compreende o valor de cada família no processo educativo
  • Apresentar a família o cardápio e desenvolver na mesma o habito de acompanhar o cardápio alimentar diariamente.
  • Refletir como se dará a implementação da atividade e quais espaços serão utilizados

 

OBJETIVO ESPECÍFICO

  • Promover o consumo de alimentos saudáveis e a consciência de sua contribuição para a promoção da saúde de uma forma atraente, lúdica e educativa.
  • Identificar semelhanças e diferenças entre os hábitos alimentares entre as crianças.
  • Pesquisar e registrar sobre os hábitos alimentares das famílias.

 

 

RESULTADO ESPERADO

 

            A participação das famílias e de todos os profissionais da unidade escolar durante todo o tempo de realização e implementação são fundamentais para o sucesso da atividade.

A proposta é que as crianças juntamente com as famílias, pesquisem os alimentos que geralmente estão presentes em suas refeições, descubra quais são e como são cultivados.

Após essa pesquisa, no ambiente escolar, juntamente com os profissionais da unidade, as crianças possam,  se possível plantar e cultivar esses alimentos, conhecendo e analisando cada etapa desse plantio e cultivo. Assim os professores, baseado nas perguntas das crianças desenvolverá atividades que acompanham esse processo de conhecimento dos alimentos, com toques, cheiros e degustes, pois, sabemos da curiosidade das crianças e assim se dará asas para essa imaginação e criatividade.

Enfim a colheita! É importante que a criança ao acompanhar todo o processo de plantio, colha esse alimento. E então, juntamente com as cozinheiras, elas lavem o alimento, descubra como se prepara e após isso saboreie.

Vale lembrar que a participação da família em todo esse processo é fundamental, levando para casa os alimentos que as crianças estão conhecendo, e inclui-las no processo de preparação antes de chegar ao prato.

Se a criança conhece, a criança confia e aceita. Se a criança não conhece, é provável que ela rejeite.

DURAÇÃO

            Essa ação deve ser contínua. Pois a criança está sempre conhecendo e aprendendo. O desenvolvimento humano é contínuo, por isso, desenvolver bons hábitos alimentares deve ser uma atividade contínua.

É importante revisitar o assunto, e através de formação docente, reuniões de pais, conselho de escola, eventos pedagógicos o assunto esteja sempre em pauta. Alimentação saudável é um direito da criança e de todos, que todos precisam aprender e valorizar.

 

AVALIAÇÃO

            Para uma boa análise e reflexão dos benefícios da atividade, o diálogo entre família x escola é fundamental. E também um diálogo onde as crianças serão ouvidas, compreendidas e respeitadas. Lembrando que o objetivo não é que todas terminem o ano gostando e comendo todos os alimentos apresentados, e sim que ela conheça os alimentos, entenda a importância de experimentar e decida se gosta ou não.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

            Implantar uma atividade que envolva a família não é uma dificuldade em nenhum meio escolar. A dificuldade, muitas vezes, se encontra no ato de ouvir e respeitar as peculiaridades de cada um.

A partir do momento em que a família participa de atividades escolares, eles entendem que são importantes e que são fundamentais na vida escolar de suas crianças.

Certa vez ouvi assim de uma mãe: – Professora, eu gostei tanto de participar dessas brincadeiras com meu filho, se senti importante e senti que minha deficiência não muda em nada quem eu sou como mãe pra ele e pra escola…” – Essa mãe se sentiu respeitada e valorizada. Essa mãe se sentiu ouvida, se sentiu presente, se sentiu humana. E é exatamente que devemos olhar para as famílias, como humanos que fazem parte da nossa vida todos os dias, através de suas crianças.

Durante o curso aprendi que muitas vezes esquecemos de olhar para o outro no ambiente escolar. Esse outro engloba toda a comunidade escolar. Todos têm seus valores e precisam ser ouvidos e respeitados.

Trabalhar uma atividade que envolva a equipe da cozinha não é difícil, muitas vezes, nós professores nem sabemos os nomes de quem prepara uma parte muito importante do dia de nossas crianças.

Apresenta-las para as turminhas e valorizar o trabalho delas é sim uma forma de respeito e também uma forma de evitar o desperdício e valorizar o bom desenvolvimento de nossas crianças através de uma alimentação saudável.

Crianças e todo comunidade escolar unidos, saúde garantida.