Tarefa 6 – Curso REP! – DÉBORAH GRECCO

Data

2 de agosto de 2020

Cursista

DÉBORAH GRECCO

Função

Professor Ensino Fundamental II e Médio

DRE / Unidade Educacional

Santo Amaro

Escola

EMEF Habib Carlos Kyrillos Dr.

Escuta afetiva além dos muros da escola” 

 

Justificativa: promover diversificados canais de interação significativos de escuta afetiva para todo âmbito escolar e comunidade como estratégia de manutenção de vínculos, reforçando a importância de conscientização de pertencimento de todos, principalmente, da família como parceira fundamental na gestão democrática participativa da escola no desenvolvimento de atividades pautadas na Educação em Direitos Humanos no contexto atual de pandemia da Covid 19 para construções coletivas de enfrentamento de dificuldades.

 

Finalidade: propiciar diferentes canais de comunicação em relação de igualdade e acolhimento de forma a reconhecer- se no outro como parte da realidade pós-pandemia, refletindo sobre questões comuns pertinentes a esse momento atípico por meio de atividades elaboradas pelos alunos com apoio do corpo docente e gestão como uma forma de vivenciar situações que colocam em risco a dignidade humana que acabaram sendo exacerbadas na quarentena como um recurso de exploração do debate, reflexão, conscientização e da corresponsabilidade de todos no enfrentamento e busca coletiva de esforços, como um meio de exercitar  a habilidade de escuta mútua no aprendizado de lidar com diferentes pontos de vista respeitando a singularidade de cada agente social pertencente além dos muros da escola.

 

Objetivos: fortalecer os laços de comunicação por meio da escuta mútua afetiva; promover a formação de valores coletivos por meio de situações reais do cotidiano escolar como formas de promover e  vivenciar a prática de uma cultura de Educação em Direitos Humanos tendo como eixos norteadores os conflitos e situações inerentes às relações humanas em seus encontros diários com as respectivas singularidades de cada agente social que a escola pública proporciona.

 

Duração: Semestral – A partir do retorno das aulas incentivar o diálogo por meio de reuniões virtuais com os alunos  suas respectivas famílias e comunidade,  partindo de grupos menores para maiores como uma forma de acolhimento, troca de experiências e levantamento de situações e sentimentos que foram despertados no período de isolamento social.Promoção de eventos virtuais com abordagem de pontos comuns vividos para reflexão e promoção de rodas de conversa e debates por buscas de melhorias coletivamente. Sendo os exemplos de interação abaixo relacionados:

 

  • Reuniões semanais com todos os membros do comitê de mediação de conflitos para discussão e organização de encontros quinzenais virtuais como alunos, professores, pais e comunidade promovendo pautas reflexivas sobre a situação atual, escuta afetiva sobre as dificuldades vividas principalmente na retomada do ensino presencial com o intuito de mobilização conjunta em prol de parcerias.

 

  • Planejamento de aulas pautadas nas competências socioemocionais que integram a Base Nacional Comum em suas 10 competências gerais que são fundamentais para  a promoção da educação socioemocional dentro e além dos muros da escola  no desenvolvimento de cinco eixos principais: Autoconsciência, Autogestão,Consciência Social e Habilidades de Relacionamento para que haja uma sensibilização na promoção de  agentes crítico-afetivos com ações beneficentes para a sociedade atual.

 

  • Uso da tecnologia  com palestras virtuais e presenciais com profissionais da saúde, principalmente, da área da psicologia sobre inteligência e saúde emocional, ao final de cada evento haverá a  disponibilização de um formulário para coletar informações e opiniões, principalmente, para depoimentos anônimos e temas para reflexão e discussão. 

 

  • Peças de teatro encenadas pelos alunos com apoio dos professores e todos os envolvidos no ambiente escolar com temáticas reflexivas sobre situações de indignidade vividas na pandemia como uma forma de vivenciar, reconhecer-se com o espírito de corresponsabilização no enfrentamento de dificuldades dos como agentes de direitos que somos.

 

  • Paródias com músicas populares com abordagem de temáticas relativas à preconceito, criação de estereótipos e segregação da sociedade muito recorrentes de nossa realidade e que foram escancarados na situação de calamidade pública vivida.

 

  • Filmes com abordagens sobre a indignidade humana praticada desde sempre e a luta envolta de muito sangue derramado na conquista de cada direito que se queira abafar sempre conduzida por regimes fascistas disfarçados de democracia  com fins absolutamente segregadores e pessoais.

 

  • Danças encenadas pelos alunos com abordagem e vestimenta específica para reflexão e conscientização da importância do espírito de equipe no enfrentamento de dificuldades.

 

Avaliação: Processual durante todo o projeto, envolvimento e engajamento nas atividades propostas.