Tarefa 6 – Curso REP! – Cristiane Mariade Oliveira

Data

7 de agosto de 2020

Cursista

Cristiane Mariade Oliveira

Função

PROFESSOR DE Educação Infantil

DRE / Unidade Educacional

Guaianases

Escola

CEU CEI EVANIRAP HILARIO

PROJETO ACOLHIMENTO PÓS PANDEMIA

Introdução.

Eu atuo há quinze anos na Educação sou professora da rede municipal, no C.E.U jambeiro, localizado em Guaianazes.

Esta ação será realizada no C.E.I

Atuo tanto no Ensino Fundamental I quanto na Educação infantil   (C.E.I)

Nossa demanda esta constituída em sua maioria de  famílias numerosas, nos quais pais e avós coabitam num mesmo espaço.

Centrada na figura feminina quer seja da mãe jovem ( abaixo de 30 anos ) ou da avó, inclusive no que concerne ao sustento da casa . Segundo censo escolar de 2019,  oitenta  por censo  deste grupo familiar sobrevive com uma renda média um salário mínimo e meio no máximo.

Suas habitações  em quase noventa por censo são fruto de terrenos irregulares, seja por invasão de terras ou porque comprou de um terceiro sem título de propriedade oficial.

Este curso  Mediação de Conflitos trouxe grande contribuição para repensar na minha postura não só na minha vida profissional , mas também social para desenvolver a Empatia ao escutar e esta escuta seja qualificada.

Neste espaço de trabalho sempre tive inúmeros enfretamentos inclusive com  episódios de assédio pela chefia imediata ,e no curso entendi que a uma das alternativas é esperar o outro a estar aberto ao diálogo, para poder realizar uma comunicação não violenta.

Justificativa

O  artigo 5° da nossa Magna Carta , prediz a preservação da vida  em todos os quesitos tanto físico , moral e  financeiro.Esta é uma norma fundamental pelo qual esta intrinsecamente ligada ao direito a saúde,.

Ao nos debruçar  sobre a Constituição  no artigo 196 também reforça a responsabilidade do Estado  e um direto de todos independente de gênero, posição social,etnia  , nacionalidade e religião.Estes  direito foram chamados de direito de primeira geração tal sua importância.

A legislação brasileira é toda permeada  dos Direitos Humanos sem o qual a vida em sociedade tal qual conhecemos seria impossível, o conceito destes foram pensados pela Declaração Universal de Direitos Humanos na Organização das Nações Unidas deforma mais ampla com a visão de abarcar todos países  democráticos.

Foi pensando na preservação da vida de todos os envolvidos em ambiente escolar que estes projeto  visa dar acolhimento a toda comunidade  escolar pós pandemia,com objetivo de trazer estabilidade emocional a todos os sujeitos que compõem o grupo escolar.

Pessoal envolvido : Gestores Conselho Escolar, Comissão de mediação Conflitos e o Cipa, Conselho Escolar.

 

Objetivo geral: Motivar e trazer tranquilidade ao ambiente escolar, por meios de ações elaboradas por quatro  grupo principais.

Promover um ambiente saudável

Escuta ativa pelo diálogo constantes .

Duração 15 dias antes e durante toda a volta as aulas pós pandemia.

  1º momento, reunir os grupos que compõe a escola para conversa informal,com um café.

Passar trechos do filme  Enigma Andrômeda(1971)

Apos assistir pedir para colocarem no papel o que acharam deste momento e pedir para que cada um manifeste o seu parecer.

Ao final surgir para que cada professor seja um incentivador e separa por grupo.

Se estivermos presencialmente pedir para os grupos se dividirem para realizar a dinâmica em grupo.

Cada grupo deve primeiro escolher uma pessoa representante enquanto todos os outros  sentados em roda

Dispor copos descartáveis na quantidade dos participantes, e quatro  barbantes amarrados e uma elástico de dinheiro

As pessoas escolhidas s terão que servir um a um sem deixar cair o copo ( imaginando que ali teria um remédio no qual evitaria qualquer doença, e pensarem como irão executar os movimentos todos juntos. E como vão convencer o outro a tomar.

Depois ir mudando os participantes,

Ao final fazer uma reflexão com foi a experiência e leva-los a conclusão a importância do trabalho coletivo pensado no indivíduo específico,

E pedir para pensarmos como será receber os docentes a família e os funcionários em geral

 

 

 

No 2º momento  conversar com  os grupos

.Mostrar como as famílias estarão fragilizadas e como esperamos acolhê-las com carinho e envolvimento.

O grupo do CIPA  cuidará de fazer um um questionário em Google drive para saber das questões emocionais dos funcionários inclusive terceirizados

Os pais que estão no Conselho Escolar  incentivá-los -los a serem multiplicadores destas reflexões no entorno da escola.

 

No 3º  momento reunir o grupo para mapear  a situação da família e funcionários  por meio de telefones para obter informações de como estão passando.

Feito isso disponibilizar por meio da plataforma teams ou watsapp criado somente para isso. Para apoio de todos

 

4º Momento no primeiro dia presencial ,fazer uma café com os pais, dividi-los um grupo, com os professoras.

Salas preparadas com música ambiente instrumental com cartazes motivacionais

Os pais sentados em roda para dizer como foi este momentos em casa. Respondendo um questionário criado pelo grupo cujo a finalidade é saber como a saúde física e psicológica esta.

Os pais que passaram por luto ou que estiveram fragilizados, chamá-los a parte e nos colocamos a disposição e apoio. E fazer uma conversa informais para escutá-los seus anseios e desejos deste retorno.

Uma estratégia  para o restante do ano e fazer uma aliança com o grupo de psicólogos voluntários do Cofen.

Avaliação será feita pela participação de todos.

Bibliografia

 

ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças (Org.). Violência nas escolas. Brasília, DF: Unesco, 2002. [ Links ]

AQUINO, Júlio G. A indisciplina e a escola atual. Revista Faculdade de Educação, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 181-204, jul./dez. 1998. [ Links ]

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Culturas escolares, culturas de infância e culturas familiares: as socializações e a escolarização no entretecer destas culturas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1059-1083, out. 2007. Disponível em: <Disponível em: www.cedes.unicamp.br >. Acesso em: 17/05/2015. [ Links ]

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta, 1994. [ Links ]

BHABHA, Homi. O lugar da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013. [ Links ]

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 2005. [ Links ]

CARDIA, Nancy. Pesquisa sobre atitudes, normas culturais e valores em relação à violência em 10 capitais brasileiras. Brasília, DF: Ministério da Justiça; Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, 1999. [ Links ]

CECCON, Claudia et al. Conflitos na escola – modos de transformação: dicas para refletir e exemplos de como lidar. São Paulo: Cecip; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009. [ Links ]

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1994. [ Links ]

CHARLOT, Bernard. A violência na escola: como sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, v4, n. 8, p. 432-443, jul./dez. 2002. [ Links ]

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.

Declaração Universal dos Direitos Humanos, ONU, 1948.

DIKER, Gabriela. Entre la ciencia ficción y la política: variaciones sobre la desaparición de lo escolar. In: FRIGERIO, Graciela; DIKER, Gabriela (Org.). Educar: saberes alterados. Buenos Aires: Del Estante Editorial; Clacso, 2010. p. 149-163. [ Links ]

FOURREZ, Gérard. Educar: docentes, alunos, escolas, éticas, sociedades. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2008. [ Links ]

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes , 1992. [ Links ]

GOMES, Roberto Alves; MARTINS, Angela M. Conflitos e indisciplina no contexto escolar: a normatização do Sistema de Proteção Escolar em São Paulo. Ensaio, Fundação Cesgranrio, v. 24, p. 161-178, 2016. [ Links ]

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1996. [ Links ]

KLIKSBERG, Bernardo. O desafio da exclusão: para uma gestão social eficiente. São Paulo: Fundação do Desenvolvimento Administrativo; Fundap, 1997. [ Links ]

LAPASSADE, Georges. As microssociologias. Brasília, Liber Livros, 2005. [ Links ]

LARROSA, Jorge. Experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 19, n. 2, jul./dez. 2011. [ Links ]

LEWKOWICZ, Ignacio. Escuela y ciudadanía. In: CORREA, Cristina; LEWKOWICZ, Ignacio (Org.). Pedagogía del aburrido: escuelas destituidas y familias perplejas. Buenos Aires, Barcelona, México: Paidós, 2008. [ Links ]

LOPES, Rosilene Beatriz. Significações de violências na perspectiva de professores que trabalham em escolas “violentas”. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2004. [ Links ]

MARRA, Célia Auxiliadora dos Santos. Violência escolar: um estudo de caso sobre a percepção dos atores escolares a respeito dos fenômenos de violência explícita e sua repercussão no cotidiano da escola. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004. [ Links ]

MARTINS, Ângela M. Educação e diretrizes de mudança: possibilidades e limites do Estado. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 17., p. 7-54, 1997. [ Links ]MARTINS, Ângela M. Autonomia e educação: a trajetória de um conceito. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 207-232, mar. 2002. [ Links ]

MARTINS, Angela M. Uma análise da municipalização do ensino no Estado de São Paulo. Cadernos de Pesquisa , São Paulo, n. 120, p. 221-238, nov. 2003. [ Links ]

MARTINS, Angela M. A constituição de trajetórias profissionais: possíveis contribuições ao debate sobre o trabalho docente. Revista Iberoamericana de Educación, v. 9, n. 46, p. 1-8, 2008. [ Links ]

 

MARTINS, Angela M. O campo das políticas públicas de educação: revisão de literatura.Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 56, p. 276-299, 2013. [ Links ]

MARTINS, Angela M.; FURLANETTO, Ecleide C.; MACHADO, Cristiane. Significados atribuídos por professores mediadores comunitários a situações de conflito e violência em escolas públicas. In: EDUCERE – CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO: Formação de professores, complexidade e trabalho docente. 12, Curitiba, 2015. Anais… Curitiba: PUC-PR, 2015. p. 5074-5088. [ Links ]

MARTINS, Angela M.; MACHADO, Cristiane. Gestão escolar, situações de conflito e violência: campo de tensão em escolas públicas. Educar em Revista, v. 59, p. 157-173, 2016. [ Links ]

MARTUCCELLI, Danilo. Reflexões sobre a violência na condição moderna. Tempo Social, Revista de Sociologia, n. 1, p. 157-175, maio 1999. [ Links ]

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. [ Links ]

MEIRIEU, Philippe. O cotidiano da escola e da sala de aula. Porto Alegre: Artmed, 2005. [ Links ]

OLIBONI, Samara Pereira. O bullying como violência velada: a percepção e ação dos professores. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2008. [ Links ]

OLIVEIRA, Victor Rodrigues; FERREIRA, Diego. Violência e desempenho dos alunos nas escolas brasileiras: uma análise a partir do Saeb 2011. Trabalho apresentado na Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia – ANPEC, 2013. [ Links ]

PASSEGGI, Maria Conceição et al. Narrativas de crianças sobre as escolas da infância: cenários e desafios da pesquisa (auto)biográfica. Revista Educação do Centro de UFSM, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 85-104, jan./abr. 2014. [ Links ]

PÉREZ GÓMEZ, Ángel. La cultura escolar en la sociedad neoliberal. Madrid: Morata, 2004. [ Links ]

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Justiça e Educação em Heliópolis e Guarulhos: parceria para a cidadania. São Paulo: Cecip, 2007. [ Links ]

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Resolução SE n. 19, de 12/02/2010. São Paulo: Cenp/DRHU, 2010. [ Links ]

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Resolução SE n. 1, de 20/01/2011. São Paulo: Cenp/DRHU , 2011. [ Links ]

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Seminário de Proteção Escolar: debate temas como bullying e prevenção de conflitos. Disponível em: <Disponível em: www.educacao.sp.gov.br/spec/seminarioprotecao-escolar-debate-temas-bullying-prevencao-conflitos/ >. Acesso em: 20/07/2015. [ Links ]

SILVA, Dezir Garcia da. Violência e estigma: bullying na escola. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2006. [ Links ]

SPOSITO, Marília P. A instituição escolar e a violência. Cadernos de Pesquisa , São Paulo, n. 104, p. 58-75, jul. 1998. [ Links ]

SPOSITO, Marília P. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 87-103, jan./jun. 2001. [ Links ]

STAKE, R. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011. [ Links ]

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes , 2005. [ Links ]

TIBÉRIO, Wellington. A judicialização das relações escolares: um estudo sobre a produção de professores. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2011 [ Links ]

Filme O ENIGMA DE ANDRÔMEDA  ano 1972 / 2h 11min / Ficção científica, Suspense

Direção: Robert Wise

Elenco: Arthur Hill, David Wayne, James Olson

Nacionalidade EUA