Tarefa 6 – Curso REP! – Cleopatra de Magalhaes Barbosa

Data

19 de julho de 2020

Cursista

Cleopatra de Magalhaes Barbosa

Função

Professora de Ed Infantil e Ens Fun I

DRE / Unidade Educacional

Pirituba / Jaraguá

Escola

Emei Ricardo Gonçalves

TAREFA DO CURSO: “RESPEITAR É PRECISO”

Professora Cleópatra de Magalhães Barbosa

Emei Ricardo Gonçalves

RF 819 990 6

 

TEMA

Conselhos Mirins e Assembleias como instrumentos de vez e voz nas práticas cotidianas: ampliação do diálogo e conhecimento dessas ações

  • INTRODUÇÃO

No PPP da Emei Ricardo Gonçalves umas das intenções é promover uma EDUCAÇÃO PARA A DEMOCRACIA, isto é: formação para a participação na vida pública, no exercício da cidadania, à luz dos Direitos Humanos.

Esse exercício deve sair da ordem do discurso, e tentar integrar cada vez mais nossas PRÁTICAS. É por isso que temos mensalmente, além das práticas do dia-a-dia, 2 encontros cuidadosamente pensados: o Conselho Mirim e a Assembleia.

O Conselho Mirim é voltado para a tomada de decisões pelas crianças sobre o cotidiano escolar. E as Assembleias para a discussão de tema transversais, que podem ou não estar atrelados aos projetos das turmas. As assembleias também são um espaço privilegiado de debate e contato de todas as crianças com a coordenação. Mais um vínculo importante, e um espaço de dar “vez e voz”.

Muitas decisões foram tomadas nesses últimos tempos no Conselho Mirim, mas destacamos em 2018 as decisões sobre exploração dos territórios (nosso bairro) que culminaram num Bazar para arrecadação de fundos. E em 2019 a mudança nos horários de lanche pela manhã, compra de brinquedos, e sugestões de melhorias.

Já tínhamos um trabalho com Assembleias, mensalmente, voltado à temática dos Direitos Humanos, no qual incluíamos assuntos tais como:

– Relações étnico-raciais (pessoas negras, indígenas)

– Gênero e sexualidade

– Marcadores Sociais (pessoas em situação de rua)

– Inclusão (pessoas com necessidades especiais)

 

Agora em 2020, acreditando em avançar ainda mais (e à luz do curso e matérias do Projeto RESPEITAR É PRECISO) verificamos que podemos incluir discussões sobre:

– Respeito Mútuo

– Diversidade e Discriminação

– Produção social de sofrimento

– Práticas Democráticas (círculos restaurativos)

Será possível ter como referencial teórico, inclusive, os Cadernos do programa Respeitar é Preciso, que trabalha em parceria com a SME (Secretaria Municipal de Educação).

 

  • PROBLEMA

Acreditamos, enquanto escola, que temos que temos aspectos a avançar, como melhorar a divulgação com a família e comunidade sobre os temas propostos e as ações tomadas. Além disso, queremos envolver mais os demais funcionários da escola, partindo da premissa de que todos os que atuam na escola são educadores.

No ano de 2019, por exemplo, a escola recebeu o prêmio Territórios, do Instituto Tomie Ohtake, por essas duas ações (Assembleia e Conselho mirim, que possibilitou ações de apropriação do território). E ainda assim, apesar de nossas divulgações (principalmente via agenda e nos Conselho de pais) as famílias e comunidade sabem pouco sobre esse trabalho. Ou veem e não o compreendem profundamente.

  • JUSTIFICATIVA

A ideia é melhorar os canais de diálogo com a comunidade escolar e funcionários da nossa Emei. Tivemos ano passado a iniciativa de criar o Facebook da escola, com essa finalidade, mas ele não teve muitos acessos. Não ganhou força como veículo de comunicação. Até mesmo em 2020, com o período de distanciamento, a Coordenação tem entrado em contato telefônico com as famílias, e tem tido esse mesmo retorno: de que não acessam com frequência essa rede social.

  • FINALIDADE

Assim, com a finalidade de melhorar nossa comunicação com a comunidade e funcionários, algumas estratégias podem ser levadas em consideração, considerando o retorno das aulas e, consequentemente, das Assembleias e Conselhos presenciais com as crianças (em 2020 ou 2021).

Uma outra sugestão, como tentativa no retorno, seria fazer um BLOG e divulgar mensalmente pela agenda das crianças sobre as Assembleias e Conselhos Mirins, incentivando assim o diálogo em casa sobre os temas trabalhados, e pedir a divulgação mensal dessa postagem também no Conselho de Pais  (que tem um grupo de WhatsApp ativo, porém sem os professores inclusos).

Além disso, temos parceria com estudantes de psicologia da PUC desde o ano de 2018. Esse ano, como o estágio não pôde ser presencial, por conta da pandemia de coronavírus, eles propuseram para a equipe da escola a formulação de um JORNAL quinzenal ou mensal, para sistematizar as notícias nesses tempos. Algumas famílias já fizeram contribuições. A primeira edição aconteceu de Junho e a segunda em Julho.

Esse tempo de isolamento social foi um período que nos possibilitou pensar em diversos outros contatos, que podemos usufruir, mesmo com o retorno. Como o grupo de e-mails dos pais com o professor. Cada turma criou seu próprio e-mail (turmas da árvore, tartaruga, unicórnio, amor e avião) e as professoras tem se comunicado com as famílias a partir dessas contas, para não utilizar suas contas de e-mail pessoal. Talvez os grupos de e-mail com as famílias possam continuar quando esse período terminar. Para divulgação de jornais mensais ou quinzenais, por exemplo. Ou pelo menos de um Boletim: ‘aconteceu por aqui’.

Na escola, com as equipes, pela própria dinâmica do dia-a-dia, acabamos divulgando os trabalhos com mais ênfase nas reuniões gerais e pelo mural da escola. Podemos continuar tais ações, perguntar/pesquisar se estão efetivas, e ampliar também com a divulgação das ideias acima apresentadas.

  • OBJETIVO

Utilizar novas estratégias de comunicação, além do facebook, com as famílias e toda comunidade escolar, a fim de ampliar os diálogos e dar a conhecer melhor sobre as decisões e discussões que já tem ocorrido em sala de aula.

  • METODOLOGIA

Novas abordagens e tentativas de uso de ferramentas tais como:

– Blog

– Conselho de Pais

– Jornal Escolar

– Grupo de WhatsApp

– Grupo de E-mails

– Assembleia de Pais

– Cine debate com toda a comunidade, semestralmente, com um dos temas de nossa pauta em Direitos Humanos (amostra de filmes seguida de discussão).

– Mural interno com informações mensais

Uma questão sempre em pauta quanto a administração das redes sociais e contatos é alguém que se responsabilize pelas postagens. Na dinâmica intensa das demandas cotidianas isso acaba ficando em último plano. Talvez possamos contar com a ajuda das professoras readaptadas, uma vez que as professoras em módulo geralmente estão em sala, auxiliando na prática pedagógica.

  • CONSIDERAÇÕES FINAIS

Assim, seguimos ansiosos pelo retorno com nossas crianças e com toda a comunidade escolar, para que possamos continuar práticas em que tanto acreditamos e depositamos esperança, do verbo “esperançar”, como nos aponta Paulo Freire:

“É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo…”