Tarefa 6 – Curso REP! – Carlos José de Brito

Data

30 de julho de 2020

Cursista

Carlos José de Brito

Função

Auxiliar Técnico de Educação

DRE / Unidade Educacional

Santo Amaro

Escola

Cei Maria Aparecida Nascimento

Infância segura em tempos de pandemia

Embora as redes de ensino venham buscando por meio da oferta de atividades de ensino remoto, reduzir os prejuízos na aprendizagem de seus estudantes, o desafio de mantê-los engajados no estudos é grande. No CEI onde sou ATE, talvez essa situação não seja diferente, pois por conta da pandemia, nós já ouvimos diversos pais de crianças da nossa comunidade escolar, citando que não estão animados a retornarem com elas, pelo menos nesse ano de 2020. Sendo assim, e mesmo de forma provisória, estamos desenvolvendo alguns planos de ação junto ao quadro de apoio para auxiliar e estar somando com a gestão e com o quadro docente de nossa unidade. A primeira está em realizar um bom mapeamento junto a comunidade escolar para sabermos ao certo sobre os anseios e dificuldades que possam estar enfrentando e juntos procurarmos soluções ideais, principalmente em relação aos que não conseguem ter acesso a internet, e para isso o acompanhamento deve ser constante. O próximo passo será atualizar completamente todo o cadastro, junto aos prontuários das crianças, para que se possa ter uma espécie de feedback com as famílias, mantendo elas sempre atualizadas quanto às possíveis novas regras que serão estabelecidas diante deste novo cenário. Como estamos praticamente na linha de frente, caso haja o possível retorno das aulas presenciais em Setembro, nós ficaremos responsáveis de observar atentamente cada criança, quanto a utilização correta dos epi’s de segurança, bem como, em alguma alteração no estado de saúde delas, e comunicar imediatamente a gestão. Realização semanal de uma reunião ou roda de conversa entre todos educadores da unidade, a fim de sabermos exatamente como estará sendo nosso trabalho com as crianças, tendo o acolhimento de sugestões e novas propostas a serem tomadas. Como nossa unidade é integral e está em uma comunidade bem periférica, iremos tentar fazer o esquema de rodízio conforme a necessidade das famílias, ou seja as crianças serão separadas em grupos pequenos e frequentarão o CEI por quatro horas, algumas de manhã, outras no período da tarde, ou vamos criar a rotina do dia sim, dia não, onde cada grupo de crianças vai em um determinado dia para se evitar ao máximo aglomerações. A mais viável no entanto, seja a de semana sim, semana não, nessa um determinado grupo de crianças ficará presencialmente no CEI, enquanto o outro terá atividades de forma remota e se alternam na semana seguinte, pois até haver uma vacina contra a covid19, não será possível o atendimento a todas as crianças e precisamos garantir a segurança de todas elas, bem como a nossa também. Após a definição de todas as estratégias necessárias para um possível retorno, deveremos estabelecer uma boa mediação em um diálogo bem franco com a comunidade e poder contar com o apoio deles. Para disseminar tudo sobre as novas regras, iremos também afixar cartazes na entrada e por todo entorno do CEI, onde a população possa compartilhar todas informações necessárias. Nós educadores da infância temos que ter elevado compromisso social e neste momento se requer um auto cuidado e todo apoio necessário para que se sintam acompanhadas, famílias e crianças, isso tudo com o propósito de construirmos em conjunto um cotidiano seguro e estável para todos, promovendo o melhor regresso possível, com base no respeito e na escuta das expectativas, ocorrerá o fortalecimento da relação de confiança. A qualidade desta relação influenciará e muito na estabilidade emocional dos bebês e das crianças em seu processo de desenvolvimento.

– Organização dos espaços

É importante salientar que as medidas propostas de distanciamento físico não poderão representar o confinamento nem o isolamento social das crianças. A estabilização dos horários e rotinas delas, deverá ter uma atenção privilegiada pelos sentimentos de segurança e controle promovidos. A interação pedagógica com o mundo natural e cultural deve ser sempre o foco principal a essas concretizações no contexto de creche. Sugere-se a opção de utilização dos espaços exteriores e de brinquedos ou de materiais que sejam facilmente higienizáveis, até mesmo descartáveis, possibilitando exploração, descoberta e criação. Definiremos um circuito interno de entrada e outro de saída, sinalizando o chão com marcações de cores diferentes, permitindo uma melhor e eficaz orientação para as crianças. Vamos potenciar os hábitos de higienização das mãos, sempre que se entra e sai das salas, além das já usadas nas rotinas. O espaço exterior será fundamental para facilitar as adaptações, sendo por si só mais seguro e estimulante.

– Estratégias propostas

Em união com todos atores da equipe educadora, delinearemos com antecipação um conjunto de medidas adequadas para o acolhimento e a despedida das crianças, combinando a entrada e saída delas, mantendo as distâncias de segurança, estando elas sempre acompanhadas de somente um familiar adulto responsável, onde eles deverão respeitar a importância de se evitar contato físico nas saudações de despedida, diminuindo potencialmente possíveis riscos, preparando previamente a criança para o retorno ao CEI, orientando-as quanto a importância de usar os equipamentos de proteção individual. Reduzir ao essencial a quantidade de acessórios pessoais e materiais lúdicos de cada criança, bem como em suas roupas, fraldas ou produtos de higiene. Articularemos estratégias de higiene e segurança de mamadeiras, bicos, fraldas e brinquedos. Orientaremos as famílias que as crianças tenham um calçado alternativo para trocar ao entrar no CEI e ter também várias mudas de roupas para ao longo do dia. Vamos transmitir todos procedimentos de forma simples, esclarecedora e tranquilizante para as famílias, criando instrumentos pedagógicos que facilitem o regresso da criança, tai como, vídeos explicativos, e-mail ou conversas telefônicas. Deveremos ser responsáveis pela organização do ambiente educativo, que deve ser pensado e planejado, levando em conta o momento de pandemia que vivemos.

– Materiais

Os materiais devem ser verificados, controlados e desinfetados várias vezes ao dia, assegurando que existe rotatividade dos conjuntos de materiais e de brinquedos. Não se deve mais utilizar objetos de tecido, tais como pelúcia por serem de difícil lavagem e oferecerem um maior risco de possível contaminação.

– Tempo

A organização da rotina diária deverá ser cautelosamente pensada para que se possam cumprir as regras estabelecidas. Os momentos de higiene, alimentação e descanso das crianças irão requerer uma especial atenção, pois tem que se levar em conta todas as questões de distanciamento físico e rigor para o cumprimento das regras de higiene, sempre transmitindo calma e segurança à criança.

– Justificativa

A justificativa primordial dessa proposta de ação é identificar pontos que devemos aprimorar com cada criança e suas famílias, em especial as mais vulneráveis, devido a grande desigualdade social que se instaurou por conta da pandemia do novo corona vírus.

– Finalidade

Nessa nova rotina diária, o que deve se esperar e o que fica mais claro, é que ao cuidarmos de nossa própria segurança, estaremos também cuidando da segurança das crianças e de nossos pares, garantindo um retorno tranquilo, pois ainda existem muitas dúvidas acerca dos dados epidemiológicos sobre a infecção da covid19 no Brasil e de sua consequência para as crianças.

– Objetivos/Resultados esperados

Traduzir os cuidados de prevenção da saúde e de apoio as famílias das crianças pequenas frente a essa pandemia, em condutas que sejam educativas e respeitem os direitos humanos, tanto das famílias, como dos profissionais da Educação, onde para isso se requer, um trabalho bem articulado, longo e complexo, que precisa ser desenvolvido o quanto antes.

– Duração

A situação é muito delicada. Não há previsão correta e precisa de quanto tempo pode durar esse conjunto de novas medidas, que muitas vezes vem sendo chamada de “Novo normal” … Talvez quando se criar uma vacina que realmente imunize a todos e todas.

– Avaliação

Conseguiremos ter um parecer de caráter avaliativo de nossa rotina, nos momentos semanais para trocas de reflexões entre todos(as) educadores da unidade, pois aí poderemos compartilhar as experiências, as angustias e de forma cooperada, encontrar soluções e estratégias para melhorar certos pontos falhos que veiam a surgir.

 

Carlos José de Brito – RF:8287198 – CEI Maria Aparecida Nascimento