Tarefa 6 – Curso REP! – Carlen Regina Bischain

Data

25 de julho de 2020

Cursista

Carlen Regina Bischain

Função

Professora

DRE / Unidade Educacional

Ipiranga

Escola

Emei dona Ana Rosa de Araújo

São Paulo, Julho de 2020.

Carlen Regina Bischain – Profa. de Educ. Inf. e Ens. Fund. I

 RF 819.952-3-1

CAIXA DE SENTIMENTOS: AMPLIANDO ESPAÇOS DE DIÁLOGOS NA EMEI DONA ANA ROSA

 

O presente documento traz uma proposta de ação apresentada como atividade para finalização do curso “Respeitar é Preciso – 2020”, parceria entre a Prefeitura de São Paulo e o Instituto Vladimir Herzog. A ação aqui nomeada “Caixa de Sentimentos”, visa garantir espaços de expressividade, escuta e acolhimento na unidade educacional onde trabalho, EMEI Dona Ana Rosa de Araújo.

Nossa escola é dividida em três turnos e no momento, julho de 2020, está composta por 374 crianças matriculadas e 41 adultos trabalhadores da unidade, dentre professores, gestores e equipe técnica. Compõem também a comunidade escolar os responsáveis e familiares das crianças, assim como a rede parceira de colaboradores do nosso território educativo (ONGs, institutos culturais, educacionais, sociais e de saúde).

Estamos vivendo uma situação inédita para todos, com uma pandemia mundial que nos colocou frente ao desafio de lidar com novas formas de nos relacionarmos uns com outros e com nós mesmos.  Desde março de 2020 uma parte da equipe vem trabalhando remotamente por meio de tecnologias à distância e outra parte das pessoas tem ido presencialmente à unidade. Atualmente não faço parte da Comissão de Mediação de Conflitos (CMC), mas penso que a proposta possa ser sugerida ao grupo como parte do retorno à escola. Ainda não sabemos quando será esta volta, nem mesmo quais serão os protocolos adotados pela Secretaria da Educação, portanto, a efetivação da ação pode ter caminhos diferentes do proposto neste documento.

Não temos respostas prontas porque nunca imaginamos este cenário. De todo modo, pensar sobre os caminhos possíveis de retorno traz algum conforto diante de algumas angústias, já que este ineditismo trouxe medos, inseguranças e dúvidas em adultos e crianças.

Importante destacar que em nossa unidade esta nova situação tem trazido, também, a oportunidade de aprendizados intensos por meio de debates e leituras. Como exemplo, cito os intensos estudos sobre direitos humanos, diversidade étnico-racial e o combate à discriminação, quais tem trazido dúvidas e divergências de opiniões naturais em um espaço de interação, e que nem sempre são de fácil encaminhamento no coletivo, algumas vezes discordâncias que geram desgastes emocionais ou falhas de comunicação.

É preciso atenção, ainda, aos possíveis silenciamentos quanto à participação dos sujeitos durante tais encontros. Nestes momentos de debates intensos faz-se importante a garantia da escuta de todos, com um espaço de confiança, ainda que a princípio de forma online. É preciso oportunizar este acolhimento ao diálogo e à palavra do outro.

Portanto, justifica-se uma proposta de ação que vise mapear os sentimentos e as expressões de nossos pares, a fim de construir / ampliar os espaços de escuta qualificada e comprometida com os envolvidos, tendo esta proposta como uma reflexão do que compreendemos, sentimos e lidamos com este momento de nossas vidas.

A ideia não é resolver conflitos, mas esperamos que os sujeitos sejam ouvidos e se sintam parte ativa do processo educativo. Em uma escola que visa a efetivação de uma gestão democrática, pautada nos princípios de respeito mútuo e o combate às discriminações, o exercício permanente de olhar para a diversidade de opiniões e histórias exige nossa vigilância.

PROPOSTA DE AÇÂO

A sugestão para ação é a expressão de opiniões e sentimentos por meio da palavra escrita e fala, no caso dos adultos, ou pelo desenho e fala, no caso das crianças, bem como o exercício da escuta qualificada.

Inicialmente será apresentada a “Caixa de Sentimentos” como um exercício de escuta para todo o grupo. Serão entregues papeis e os sujeitos serão convidados a se expressar conforme algumas perguntas norteadoras (sugestão a seguir, mas que podem mudar após conversas com o coletivo). Terá duas etapas, divididas em vários dias conforme a necessidade: perguntas DURANTE o trabalho remoto (etapa 1) e perguntas APÓS o retorno ao trabalho presencial (etapa 2). As perguntas serão sobre os sentimentos e percepções dos sujeitos nestes dois momentos destacados.

Após a escrita/ desenho os papeis serão colocados dentro da Caixa de Sentimentos para posterior retirada e leitura pelo coletivo. Por uma questão de horário de trabalho e cuidados com aglomerações a sugestão é que o exercício seja dividido em vários dias diferentes e entre grupos por turnos (horários dos adultos na escola) e classes (cada turma realiza o exercício em sua sala). Se possível, poderá ser realizado com grupos de pais, conforme protocolos de retorno definidos. Não será obrigatória a identificação, mas o autor de cada escrita poderá colocar-se diante do grupo e será incentivado a isto.

Sugestão de roteiro para perguntas norteadoras da etapa 1

Para Adultos (escrita): Você considera que a tecnologia contribuiu ou prejudicou o debate no período de trabalho remoto? Durante o trabalho remoto, você considera que mais escutou ou mais colocou suas opiniões? Como se sente sobre isto? Observou se houve falas silenciadas? Em algum momento você desrespeitou a fala de seus colegas? Em algum momento sentiu-se desrespeitado em sua fala?

Para crianças (desenho): Como você se sentiu durante o tempo que ficou longe da escola? Você sentiu medo? Quem esteve com você neste período? Você realizou as tarefas enviadas pelas professoras? O que achou das tarefas?

 

Sugestão de roteiro para perguntas norteadoras da etapa 2

Para Adultos: você se sente seguro para o retorno? Como lidar com este novo normal? Deseja continuar os temas de estudos realizados, por quê? Gostaria de indicar alguma mudança na maneira como estão sendo realizados os nossos debates?

Para crianças (desenho): Você gostou de voltar para escola? Como você se sente ao voltar? O que mais te agrada ao voltar para a escola? Gostaria de repetir as tarefas sugeridas virtualmente na escola? Quais?

 

É preciso lembrar aos participantes que estamos num processo de construção de escuta, com um espaço que contribui para um círculo de confiança e convida as pessoas a se sentirem parte do grupo. Conforme apresentado no curso “Respeitar é Preciso”, existem alguns cuidados para abrir os espaços de diálogo, tais como: indicar previamente ao coletivo que as rodas de conversa devem validar as falas de quem não concordamos, fazer os combinados prévios, ouvir até o fim, sem julgamentos. Assim, a comunicação implica uma interação entre falar, escrever, ler, olhar, gesticular, escutar, etc, em uma postura indicativa ou não de um interesse sobre o que o outro nos diz. Estejamos atentos a nossa própria postura enquanto o outro fala.

Assim, nestes exercícios temos a oportunidade de dar voz aos sujeitos da unidade, verbalizar nossos sentimentos, frustrações e desejos. Validamos a potencialidade em se iniciar um trabalho de escuta qualificada e diálogo, momentos em que somos desafiados a ouvir e esperar a vez de contribuir. A escuta é uma oportunidade de se colocar no lugar do outro.