Tarefa 6 – Curso REP! – Carina Jakitas Fonseca

Data

7 de agosto de 2020

Cursista

Carina Jakitas Fonseca

Função

Professor de Ensino Fundamental e Médio - Arte e Mediador Grêmio Estudantil

DRE / Unidade Educacional

Ipiranga

Escola

EMEF ÁUREA RIBEIRO XAVIER LOPES

PROJETO LÍDERES EM DIREITOS HUMANOS

Carina Jakitas Fonseca

 

  1. JUSTIFICATIVA

O projeto Líderes em Direitos Humanos teve início em 2019, na EMEF Professora Áurea Ribeiro Xavier Lopes e continua em desenvolvimento, como parte da pauta de formação do Grêmio CO-CRIANDO A ESCOLA. A escola está localizada no bairro Parque São Lucas, região periférica na Zona Leste de São Paulo. Segundo o PPP da escola, a região não possui equipamentos socioculturais, esportivos, cívicos e de lazer, sendo a unidade o maior referencial dos alunos.

Segundo a BNCC, o currículo escolar para o Ensino Fundamental, dentre outras coisas, deve considerar o repertório inicial dos alunos, suas experiências fora do ambiente escolar, estimular o pensamento criativo, crítico e reflexivo, a autonomia e a compreensão de si e do mundo. O currículo da Cidade de São Paulo trabalha de maneira articulada a BNCC e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, parte da Agenda 2030 da ONU, a fim de orientar propostas inovadoras e emancipatórias.

Segundo Paulo Freire, o educador dentre outras coisas, deve respeitar a bagagem do aluno, despertar a curiosidade e a reflexão crítica, acreditar e incentivar o poder de transformação, a fim de estimular a autonomia de ambos e contribuir, juntamente com outros agentes do espaço escolar, para construção de uma escola que tenha como prática a liberdade, o diálogo constante, que seja transformadora, emancipadora, libertadora e democrática.

A escola tem o compromisso de formar integralmente, tendo como norteador os Direitos Humanos e os princípios democráticos, a fim de estimular o diálogo entre as diferenças e diversidades e ser um espaço formador para a cidadania crítica e participativa.

Tendo em vista os pressupostos acima, o mapeamento inicial e rodas de conversa, junto aos alunos do Grêmio, o projeto surgiu a partir da necessidade de trazer para o ambiente escolar a discussão sobre os Direitos Humanos, a fim de auxiliar grupos que possuem seus direitos ainda violados, dentro e fora do ambiente escolar e formar bons líderes, cidadãos críticos que exerçam a representação de seu colegiado de maneira democrática, empática, reflexiva e cocriativa e que sejam agentes de mudanças, que promovam à garantia dos Direitos humanos e a construção de uma sociedade que mais justa, igualitária, responsável e solidária.

 

  1. OBJETIVOS

 Geral: Promover meios para criação de coletivos de cocriação, pautado pelos Direitos Humanos, protagonismo juvenil, diálogo e pensamento crítico e criar ”cadeiras” (assim como no Projeto AEL) destinadas às Lideranças Humanitárias, a fim de que os estudantes propaguem as ideias desses líderes para a comunidade escolar e além dela, por meio de um espaço de discussão e promoção, de uma educação pautada nos Direitos Humanos e de ações que atendam aos interesses e necessidades dos estudantes da EMEF PROFa ÁUREA RIBEIRO XAVIER LOPES e contribuam para formar bons líderes, incentivar a participação e colaboração dos estudantes na gestão democrática, transformações positivas do espaço escolar e promoção do respeito e o reconhecimento da diversidade.

Específicos:

  • Priorizar o trabalho coletivo, o diálogo, a escuta e a perspectiva por diferentes ângulos, a fim de gerar soluções inovadoras;
  • Auxiliar na formação de bons líderes, que representem o colegiado dos alunos e participem das decisões da unidade escolar;
  • Incentivar a empatia, cooperação, solidariedade e promover a mediação de conflitos, através do diálogo;
  • Estimular a autonomia, a liberdade, o pensamento crítico e a criatividade;
  • Respeitar e valorizar diferenças e promover a diversidade;
  • Incentivar o respeito e a promoção dos Direitos Humanos e lideranças humanitárias, a participação cidadã e perceber-se como agente de transformação na construção de uma escola e sociedade mais democrática, justa e solidária;
  • Preparar cidadãos conscientes dos seus direitos e deveres, que saibam argumentar, tomar decisões éticas, ser responsáveis consigo e com o outro e que sejam agentes multiplicadores das informações adquiridas e transformadores;
  • Incentivar o estudo e a reflexão sobre preconceito, bullying, lgbtqi+fobia, machismo, racismo, entre outros;
  • Trabalhar habilidades socioemocionais e contribuir com o sentimento de pertencimento dos alunos com relação ao ambiente escolar.

 

  1. METODOLOGIA

O desenvolvimento do trabalho se deu por meio de práticas educativas que estimulassem os educandos colocando-os como protagonistas, por meio de abordagens ativas, com destaque para o Design Thinking (uma ferramenta de mobilização cidadã).

O estudo da Cidadania, Direitos humanos e Gestão democrática foram trabalhados através do diálogo, de pesquisa, aulas expositivas e práticas, rodas de conversa, sala de aula invertida e Gamificação. O projeto contou também com algumas saídas externas pelo bairro e para além dele, com destaque para saída a Câmara dos Vereadores de São Paulo.

Alguns dos recursos didáticos utilizados foram: filmes, músicas com o auxílio de equipamentos audiovisuais, textos para leitura e pesquisa, jogos on e off-line, celular e computadores para pesquisas, fotos, vídeos, entrevistas, material para composições visuais e cenárias, Post-its, cartolinas, canetões. A organização e escolha dos espaços para realização dos encontros se deu devido à necessidade das pesquisas, rodas de conversa e trabalhos em grupo, geralmente sendo realizados no Laboratório de informática, na sala de leitura e nas áreas externas da escola, conforme disponibilidade.

 

  1. DESENVOLVIMENTO

A formação cidadã foi trabalhada por meio de pesquisas, saídas pedagógicas, jogos e trabalhos sobre o Movimento Estudantil, os Direitos Humanos, lideranças humanitárias e movimentos sociais. O grupo escolheu, se dividiu em grupos menores, pesquisou e dialogou sobre alguns agrupamentos que ainda tem os direitos violados, tais como Movimento Negro, Movimento Feminista, Movimento LGBTQI+, Movimento em prol dos Refugiados, Movimento ambientalista e Movimento Pacifista, e alguns líderes humanitários, que lutaram em prol desses movimentos, tais como Gandhi, Martin Luther King, Marielle Franco e Malala Yousafzai.

Para finalizar essa etapa, divulgaram as lideranças humanitárias por meio de fotos no pátio e apresentação artística, através de composições teatrais, jograis, poesia, musicas, danças e material audiovisual, a fim multiplicar os saberes, despertar a curiosidade e a reflexão, por meio da apresentação desses grandes líderes.

Muitos alunos, professores e pessoas da comunidade mostraram-se interessados no projeto e observamos a necessidade de ampliá-lo, para além do Grêmio. A ideia inicial era a de abrir grupos de discussão, com rodas de conversa, convidados para trocar, porém com o cenário da Pandemia foi necessário fazer uma adaptação para esse ano.

Durante esse momento de isolamento social, o meio que o grupo encontrou para ampliar o acesso e futura discussão sobre os temas foi o audiovisual. Pensamos em uma linguagem que pudesse chamar a atenção, principalmente dos estudantes, por meio de pequenos vídeos explicativos e uso das redes sociais. Os gremistas criaram páginas e um canal no YouTube, elaboraram um roteiros e estão gravando, editando e publicando alguns curtas sobre o tema. Na sequência, a ideia é trazer convidados para lives, diferente do ambiente presencial, cheio de empecilhos para que houvesse esses encontros com pessoas de fora da escola, o ambiente on-line gerou essa possibilidade.

O projeto está em andamento e não há uma data para sua finalização, a ideia é que cada vez mais seja ampliado, transformado conforme a necessidade e que se multiplique para todos os atores escolares. Pensar numa Educação em Direitos Humanos é pensar em algo que deve ser permanente e contínuo e que mude positivamente a escola e além dos muros dela, através de valores voltados ao respeito e a dignidade humana. Esperamos que os princípios norteadores desse projeto se ampliquem em outros projetos, aulas, no cotidiano escolar e para além dele.

 

  1. AVALIAÇÃO

 No início do projeto, através de roda de conversa foi realizada a Avaliação Diagnóstica, a fim de levantar os conhecimentos prévios dos alunos e mapear as demandas da comunidade escolar. Durante o seu desenvolvimento foi realizada a Avaliação Formativa e contínua, a fim de acompanhar o processo de aprendizagem dos alunos e replanejar, quando necessário, além de Autoavaliação coletiva e individual e feedbacks sobre o processo de ensino-aprendizagem.

Durante as atuações do Grêmio, a experiência dos estudantes foi multiplicada para os alunos além do projeto, que começaram a aparecer nos encontros, em momentos pontuais. Ocorreu também o aumento da participação dos responsáveis por meio do Conselho de escola, incentivado pelos estudantes e a integração no trabalho desenvolvido junto a outros atores escolares como professores, funcionários, coordenação e gestão. Esperamos que esse projeto também se multiplique e que toda a comunidade escolar possa pensar e exercer a participação democrática e uma Educação em Direitos Humanos.

https://www.youtube.com/channel/UCs7oI0mmv_JCyLxkolDeTvg/videos?disable_polymer=1

MAPEAMENTO - DESIGN THINKING

VISITA CÂMARA MUNICIPAL SP

PAINEL LÍDERES HUMANITÁRIOS

APRESENTAÇÃO_MOVIMENTO NEGRO_1

APRESENTAÇÃO_MOVIMENTO NEGRO_2

APRESENTAÇÃO_MOVIMENTO FEMINISTA

APRESENTAÇÃO_MOVIMENTO PACIFISTA

APRESENTAÇÃO_MOVIMENTO EM PROL DOS REFUGIADOS

APRESENTAÇÃO_MOVIMENTO AMBIENTALISTA

APRESENTAÇÃO_MOVIMENTO LGBTQI+

APRESENTAÇÃO_MOVIMENTO LGBTQI+