Tarefa 6 – Curso REP! – Camilla Borges de Souza Pereira

Data

6 de agosto de 2020

Cursista

Camilla Borges de Souza Pereira

Função

Assistente de diretor de escola

DRE / Unidade Educacional

Jaçanã / Tremembé

Escola

Emef Raul de Leoni

INTRODUÇÃO

 

Segundo os Art. 32° e 33º da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional a educação fundamental, da educação básica, com duração mínima de oito anos, obrigatório e gratuito na escola pública a partir dos seis anos, terá por objetivo a formação básica do cidadão mediante: o desenvolvimento da capacidade de aprender; a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores; o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. 

O Decreto Municipal nº 59.283, de 16 de março de 2020 que declarou situação de emergência no Município de São Paulo e definiu outras medidas para o enfrentamento da pandemia decorrente do COVID-19, determinou em seu artigo 16º que a Secretaria Municipal de Educação promovesse a interrupção gradual das aulas na rede pública de ensino […] (inciso IV) e adotasse medidas visando à operacionalização de ensino à distância (inciso VI).

No dia 09 de abril de 2020 foi publicada a Instrução Normativa SME Nº 15, de 08 de abril de 2020 que estabelece critérios para a organização das estratégias disponibilizadas pela Secretaria Municipal de Educação para assegurar a aprendizagem dos estudantes da Rede Direta e Parceira durante o período de suspensão do atendimento presencial.

Com base nos documentos oficiais publicados pela Secretaria Municipal de Educação e considerando a realidade do território que nossa Unidade Escolar está inserida, traçamos estratégias e organizamos possibilidades de trabalho, a fim de, garantir a aproximação dos estudantes com as aprendizagens e possibilitar seu desenvolvimento integral. Pensando em uma gestão democrática organizamos uma aproximação através das redes sociais.

 

 

JUSTIFICATIVA

 

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) considera a infância como o período que vai do nascimento até os 12 anos incompletos, e a adolescência como a etapa da vida compreendida entre os 12 e os 18 anos de idade. A lei define que a criança e o adolescente usufruam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana e devem ter acesso a todas as oportunidades e condições necessárias ao seu desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social. Estabelece, ainda, em seu artigo 4º que: “É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária”.

A contribuição significativa da escola para a democratização da sociedade e para o exercício da democracia participativa fundamenta e exige a gestão democrática na escola. Nesse sentido, a forma de escolha dos dirigentes, a organização dos Conselhos Escolares e de toda a comunidade escolar para participar e fazer valer os seus direitos e deveres, democraticamente discutidos e definidos, é um exercício de democracia participativa. Assim a escola pública contribuirá efetivamente para afirmar os interesses coletivos e construir um Brasil como um país de todos, com igualdade, humanidade e justiça social. ( MEC, p. 20 )

É o momento em que a autoria parece fundamental no processo formativo do jovem. Enquanto autor em seu percurso escolar é necessário a ele tomar decisões, assumir compromissos com outras pessoas, ser responsável e, por fim, argumentar criticamente suas escolhas e decisões.

Tendo em vista essa concepção de criança e jovens, levando em consideração a pandemia de covid-19 e, consequentemente, o distanciamento social que estamos passando para evitarmos a propagação do vírus, além de compreendermos que a Educação tem um no papel fundamental para a construção do sujeito integral, construímos um plano de trabalho buscando aproximar os estudantes das aprendizagens por meio de conteúdos digitais e materiais enviados aos educandos.

A interação é de fundamental importância para a troca de experiências, de conversa e de construção de conhecimentos. Proporcionando espaços democráticos durante esse tempo de Pandemia, como os Conselhos Escolares, Reuniões do Grêmio e Mediação de Conflitos através das plataformas digitais.

 

OBJETIVO

 

Considerando a adequação do Projeto Político Pedagógico de nossa Unidade Educacional, bem como as metas curriculares estabelecidas, este Plano visa alcançar os seguintes objetivos:

  • Trazer a comunidade mais próxima a U.E, incentivando a participação nos encontros virtuais no cotidiano da escola, como, reuniões de pais,  tais como Reuniões Conselho de Escola, APM, Grêmio e Mediação de Conflitos;
  • Promover apoio emocional às crianças e adolescentes por meio de conteúdos e/ou interações virtuais;
  • Articular e divulgar as lives da SME-SP;
  • Garantir o direito democrático de voz dos estudantes, educadores mesmo em situações emergenciais como essa da pandemia do Coronavírus;
  • Conscientizar o papel importante de troca de experiências e uma escuta ativa;
  • Observar, ouvir, perceber e auxiliar; Propiciar um ambiente  prazeroso e participativo;

 

RESULTADO ESPERADO/ DURAÇÃO

Que os estudantes e a Comunidade Escolar tenham voz, uma efetiva participação nos espaços democráticos.

Essa parceria será continua, quando retornar as aulas esses encontros voltam para o presencial

 

 

AÇÕES/ ESTRATÉGIAS

 

Segue abaixo, as estratégias escolhidas:

– Contato através de telefone, WhatsApp e Facebook a fim de estabelecer uma comunicação permanente;

– Utilização da plataforma de aprendizagem Google Classroom para o trabalho educacional com os educandos através de conversas, formações, vídeos, leituras, entre outros;

           As estratégias virtuais terão como ferramenta, preferencialmente, uma das seguintes plataformas de comunicação: WhatsApp, Teams, Google Sala de Aula, Hangouts, E-mail e Telefone.

Estabelecimento de permanente diálogo com todos os segmentos da escola através do Conselho de Escola, APM, Mediação de Conflitos e Grêmio;

O Conselho Escolar tem papel importante na democratização Unidade Escolar. Ele é reúne diretores, professores, funcionários, estudantes, pais e outros representantes da comunidade para discutir, definir e acompanhar o desenvolvimento do projeto político pedagógico da escola.

A APM é uma associação sem fins lucrativos que representa os interesses comuns dos profissionais e dos pais dos alunos de uma escola. A ideia é que a opinião deles colabore com a gestão sempre com o objetivo de impactar positivamente na aprendizagem dos alunos e na qualidade da Educação oferecida pela escola. Ela permite que famílias e escola dialoguem, promovendo uma integração da comunidade com a instituição de forma democrática.

O Grêmio auxilia a equipe de gestão com propostas para  discussões realizadas dentro do Conselho de Escola e APM,  espaços formativos com toda a equipe escolar de acordo com o Projeto Político Pedagógico da escola;

Comissão de Mediação de conflitos uma proposta para organizar no retorno um ambiente acolhedor, com espaços de acolhimento e escuta.

 

Divulgação dos direitos dos estudantes, através desse grupo participativo. Tais como retirada de cestas básicas, cartão merenda, livros, entre outros.

 

AVALIAÇÃO

Uma avaliação que propicie uma visão clara e pontual do processo de práticas democráticas da Comunidade Escolar. A avaliação diagnóstica ou formativa nesse âmbito oferece uma perspectiva de crescimento e formação, já que, dá abertura para tomada de decisão que poderá ser construída junto ao grupo. Assim, poderá ser realizada através de auto-avaliação, registros, reflexão, síntese de discussões e portfólio.