Tarefa 6 – Curso REP! – Camila Aparecida souza Santos

Data

6 de agosto de 2020

Cursista

Camila Aparecida souza Santos

Função

Professora ensino fund ii e médio geografia

DRE / Unidade Educacional

Ipiranga

Escola

Emef Jose Maria lisboa

Nome: Camila Aparecida Souza Santos

Emef José Maria Lisboa

 

Construção da identidade com a escola

 

Sou professora de Geografia no Ensino Fundamental na Rede Municipal de São Paulo desde 2013. Por uma questão de princípios, visão sobre a educação e da própria disciplina sempre tentei construir com os alunos uma identidade com a escola e as experiências vivenciadas na mesma. Ano passado tive a oportunidade de participar do curso Respeitar é Preciso e desenvolver atividades que me auxiliaram a planejar e sistematizar melhor essa construção com o espaço escolar.

Ano passado, em 2019, estava em outra escola- EMEF Geny Maria Muniz Almeida Klein Pussinelli. Em meados de junho de 2019, durante a substituição da aula do professor de Educação Física, surgiu a oportunidade de realizarmos a atividade “Deriva”, proposta no curso presencial do Respeitar é Preciso.

Substituímos a prática comum de deixar os alunos “livres” pelos espaços de recreação, quando temos substituição da “aula de Educação Física”, por algo que os levassem a reflexão e discussão. Fomos ao pátio cercado por uma área verde, utilizada para lazer e recreação, onde andamos pelo local em grupos de 4 ou 5 pessoas, com o objetivo de recordarmos situações vividas ou marcantes. Após alguns minutos, os 20 alunos formaram um círculo no pátio, onde elencaram suas experiências, que merecem destaque: muitos alunos embora estejam no 8º ano no Ensino Fundamental II, ainda brincam e se divertem nos brinquedos de prioridade, para os alunos do Ensino Fundamental I; nesses brinquedos comentaram vivências recreativas, românticas e desrespeitosas; alguns mencionaram que já “cresceram” e não correm ou brincam entre esses espaços e preferem utilizar equipamentos eletrônicos ou digitais para se entreterem. Durante a explanação das vivências, alguns alunos se reconheciam. Outros mencionaram, que preferem andar na área verde da escola e conversar com os colegas sobre a vida, escola e família, etc. Alguns ainda comentaram de forma dúbia que não se sentem pertencentes na unidade escolar, por razões diversas. Em seguida, tivemos a intervenção do professor que conectou as experiências sem deixar de lado a singularidade de cada uma, enfatizando a pluralidade e a importância da democracia no ambiente escolar.

A partir dessa atividade, pudemos observar que gradualmente despertamos nos alunos um senso de pertencimento, assim como um olhar diferenciado sobre a escola. Deste modo, a participação deles nas aulas e atividades tornou-se ativa e sólida.

Tomando essa experiência como base, no início de 2020 iniciei com estudantes de 6º Ano do ensino fundamental na EMEF José Maria Lisboa esse processo de olhar, observar e conhecer o espaço escolar. Infelizmente a pandemia do coronavírus interrompeu o processo, o qual pretendo retomar assim que possível. Como primeira atividade, realizamos um mapeamento da escola, fazendo inicialmente sua planta baixa. Cada aluno, em seu caderno realizou a atividade, a fim de expressar o seu olhar e registrar da forma que mais lhe agrada.

Posteriormente foi proposto que reunissem em grupos para ampliar em cartolina ou papel craft a planta da escola. Com isso o objetivo era o trabalho em equipe, observação do trabalho do colega e diálogo para decidirem qual parte da escola seria representada, como e por quem no papel a ser ampliado. Foi enfatizado que tentassem fazer o maior número de coisas possíveis juntos, para que todos do grupo estivessem representados no desenho final.

Como conclusão, a proposta seria nomear os espaços da escola da forma como gostariam, tendo como embasamento o vídeo “Correio”, do seriado Cidade dos Homens.

Infelizmente, neste ano só foi possível realizar a primeira etapa dessa atividade, a qual os alunos da EMEF. José Maria Lisboa, 6º Ano, fizeram a planta baixa da escola durante as aulas de Geografia.

Essa etapa para a discussão sobre democracia, espaço público, diversidade e respeito é fundamental, pretendo retomá-la e continuar a priorizar tais discussões na escola,  com as minhas turmas e colegas de trabalho.

Estudantes do 6º Ano e professora Camila na área externa da escola fazendo o registro do "formato" da construção para realização da Planta Baixa da escola.

Estudantes do 6º Ano e professora Camila na área externa da escola fazendo o registro do "formato" da construção para realização da Planta Baixa da escola.

Estudantes do 6º Ano na área externa da escola fazendo o registro do "formato" da construção para realização da Planta Baixa da escola.

Estudantes do 6º Ano e professora Camila na área externa da escola fazendo o registro do "formato" da construção para realização da Planta Baixa da escola.