Tarefa 6 – Curso REP! – Bruna Zaninetti

Data

23 de julho de 2020

Cursista

Bruna Zaninetti

Função

Prof. de E. Infantil e Fund I

DRE / Unidade Educacional

São Miguel Paulista

Escola

Emei Jd Pedro José Nunes

Proposta de ação:

Escola e família caminhando juntas.

Justificativa:

Ao observar as relações entre a equipe escolar e as famílias na Escola de Educação Infantil na qual trabalho percebo que os pais conhecem pouco a escola e os profissionais, observei que era necessário proporcionar momentos de interação entre pais, professores e funcionários, já que por vezes, os familiares vem com reclamações e pré-julgamentos sobre o trabalho realizado na escola e não oferecem abertura para o diálogo.

Os participantes serão: gestão escolar, professores, funcionários e famílias das crianças.

A intenção é criar um espaço de diálogo e escuta dentro da escola entre os atores escolares e as famílias.

Objetivos:

– Propiciar espaço de diálogo e escuta para resolução de conflitos;

– Aproximar os atores escolares das famílias;

– Compreender qual o perfil das famílias e suas necessidades;

– Apresentar alguns conceitos sobre Educação em Direitos Humanos: como respeito mútuo e o papel da comissão de mediação de conflitos;

– Mapear o que precisa mudar na escola e nas relações entre escola e famílias.

Duração:

1 semestre – Reuniões quinzenais com duração média de 50 minutos.

Ações:

Organizar reuniões quinzenais em horário determinado a partir de uma pesquisa com as famílias para permitir que um maior número de pessoas possa participar.

Na reunião de pais, explicar a função da comissão de mediação de conflitos e motivar a participação dos pais.

Sensibilizar as famílias sobre a importância da participação nas ações da escola e aproximação da equipe escolar e família.

Mapear o perfil das famílias, suas necessidades e o que esperam da escola de seus filhos.

Oferecer nas reuniões espaços de diálogo e escuta qualificada as famílias, permitindo que relatem suas dificuldades, desejos e expectativas e permitir que os professores e funcionários que atuam diretamente com as crianças falem também sobre suas angustias, dificuldades e expectativas no trabalho com as crianças, favorecendo um espaço de reconhecimento dos sujeitos de direitos.

Permitir que os familiares participem efetivamente das decisões tomadas na escola para que as práticas sejam de fato democráticas, oferecendo espaço para que falem sobre o que precisa mudar ou o que pode melhorar na escola.

Favorecer a compreensão de que todos fazem parte da escola e de que para que as crianças tenham acesso a experiências educativas enriquecedoras é necessário que a família esteja presente neste ambiente, não apenas com plateia, mas como protagonistas na construção de uma escola de fato democrática.

 

Avaliação:

A avaliação ocorrerá a partir da observação da participação das famílias e funcionários da escola e se os mecanismos utilizados estão funcionando para ampliar o diálogo e percepção do outro, favorecendo o respeito mútuo no convívio diário.