Tarefa 6 – Curso EDH – WAGNER LIMA FEITOSA

Data

31 de julho de 2020

Cursista

WAGNER LIMA FEITOSA

Função

PROF. ENS. FUND. II E MEDIO

DRE / Unidade Educacional

Guaianases

Escola

EMEF JOSÉ AUGUSTO CESAR SALGADO

WAGNER LIMA FEITOSA – [email protected]

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO – PMSP

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO – SME

INSTITUTO VLADIMIR HERZOG

 

EDH – DESAFIOS DO CONTEXTO ATUAL

WAGNER LIMA FEITOSA   – RF: 725.038.0

PROF. ENS. FUND. II E MÉDIO

EMEF DR JOSÉ AUGUSTO CESAR SALGADO

 

 

PROJETO: JOGOS DE TABULEIRO NAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS

 

JUSTIFICATIVA:

Nossa escola está localizada no extremo leste da cidade de São Paulo, com uma população em constante situação de vulnerabilidade social, tendo poucos equipamentos sociais e com uma população predominantemente negra. Assim desenvolver atividades para uma educação alicerçada na inclusão e no respeito à diferença, são fundamentais em nossa práxis pedagógica.

A EMEF DR. José Augusto Cesar Salgado tem como um de seus princípios a Educação para as Relações Étnico-Racial em todas as áreas do conhecimento atendendo o papel da escola. Para tanto, são promovidas ações de fomento ao protagonismo. Uma dessas ações está refletida no Programa Jogos de Tabuleiro por serem jogos que, colocam os educandos em contato com as diversas culturas. Diante deste contexto, o projeto pretende tornar compreensível aos alunos à herança cultural a partir do estudo de obras dos jogos, e também despertar e desenvolver o interesse pelos jogos ampliando sua visão de mundo, possibilitando a construção de uma nova postura frente aos novos saberes.

O projeto pauta-se na articulação entre atividades lúdicas e o ensino critico e criativo acerca da cultura Africana e Indígena, em conformidade com a atual versão da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei N° 9394/96.

 

OBJETIVOS  E METAS:

GERAIS

  • Entre as atividades do projeto destaca-se o trabalho com jogos e brincadeiras de origem africana e afro-brasileira, com ênfase nos mancalas, com intuito de auxiliar os estudos para o ensino das relações étnico-raciais, permitindo debater o processo de branqueamento realizado no cotidiano da escola brasileira, pois jogando mancala  os alunos constroem laços afetivos saudáveis com a ancestralidade negra que caracteriza o Brasil.
  • Disseminar na Rede Municipal de Ensino, Jogos de Tabuleiro da humanidade: Jogo de Mancala Awelé e Jogo da Onça e o uso do seu valor pedagógico/cultural para o desenvolvimento do estudante;
  • Valorizar o ensino das técnicas dos Jogos de Tabuleiro, para abordar a história e cultura dos povos; Mancala Awelé (África) e Jogo da Onça (Américas);
  • Utilizar recursos tecnológicos (Informática e Internet), para ampliar as possibilidades de estudo, pesquisa e prática dos Jogos de Tabuleiro;

 

ESPECÍFICOS

  • Desenvolver a alfabetização dos jogos (noções básicas, do Jogo de Mancala Awelé e do Jogo da Onça e suas regras);
  • Trazer para o cotidiano da escola a riqueza da cultura africana e indígena por meio dos jogos de tabuleiro;
  • Desenvolver, através do lúdico, a habilidade da atenção e da concentração, permitindo uma melhor assimilação das técnicas dos jogos no futuro;
  • Ensaiar novas linguagens simbólicas, noções de números, lógica, formas visuais, espaciais e conhecimento cultural;
  • Proporcionar situações de socialização através de atividades com os Jogos de Tabuleiro.
  • Comparar, ordenar, ler e escrever na linguagem dos jogos – Sistema de notação de partidas;
  • Construir um pensamento reflexivo, criativo e elaborado durante uma partida, permitindo ao estudante identificar seus erros e acertos (processo reflexivo), enfrentando os desafios que cada um dos jogos lhe proporciona, fortalecendo o princípio de autonomia.
  • Conhecer a história dos jogos Mancala Awelé e Jogo da Onça e sua evolução científica ao longo dos tempos;
  • Conhecer às regras dos jogos para atingir seus objetivos;
  • Incentivar a participação em torneios, jogos ou festivais, possibilitando a integração com outros jogadores, independentemente da faixa etária e gênero;
  • Possibilitar a inclusão dos educandos com necessidades especiais.

 

 

CONTEÚDO E ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO DA U.E.:

Os conteúdos do projeto, através de seus objetivos, contribuem e se integram diretamente ao Projeto Político Pedagógico desta unidade que tem como missão “Contribuir para a formação de cidadãos críticos e conscientes dos seus direitos e deveres, capazes de atuar como agentes de transformação, reinventando a escola e incutindo no educando a visão de uma escola transformadora que desenvolva os estudos e exercício pleno da cidadania”.

 

 ENVOLVIDOS:

Docentes, Gestores, Alunos, Quadro de Apoio, Comunidade Escolar, Pais e Cuidadores.

 

CRONOGRAMA DE  EXECUÇÃO:

 

FASES

MANCALA

DESCRIÇÃO DAS ETAPAS
ETAPAS
 

  • A milenaridade dos jogos de tabuleiro: uma “semente” que veio da África.
  • Concepções de jogos na África.
  • História dos jogos de Mancala.
  • Introdução ao jogo de Mancala Awelé.
  • O Jogo de Mancala no chão  e  tabuleiro:  significados e simbolismo.
  • O manto e sua relação com as etnias.
 

  • Regras do Jogo Mancala Awelé.
  • Abertura, desenvolvimento  do  jogo  e  finais  de partidas do Mancala Awelé.
  • Construção  do  jogo  de  Mancala Awelé com materiais alternativos.

 

  • Brincadeiras  Africanas.
  • Festival de Mancala Awelé.
  • Contação de estórias.

 

 

FASES

JOGO DA ONÇA

DESCRIÇÃO DAS ETAPAS

 

ETAPAS

 

·         A diversidade dos povos indígenas.·         A onça na cosmovisão indígena.

·         O jogo da onça: regras, abertura, desenvolvimento e finais de partidas.

·          A relação dos povos indígenas com o meio ambiente e os animais.

·         O lugar dos jogos e das brincadeiras nas culturas indígenas.

 

·         O lugar das culturas indígenas na educação escolar.·         Brincadeiras de diversos povos indígenas.

 

  • Nomes de lugares conhecidos em São Paulo.
  • Festival de Jogo da Onça.

 

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS:

Este projeto tem como metodologia a exposição dialogada e interativa; aulas teóricas e práticas exercitando as técnicas do jogo acompanhadas de exercícios com diversas finalidades para aplicação com os estudantes nas escolas.

O percurso utilizado terá como base o interacionismo – jogo como mediador em um processo e a interação dialógica teoria e prática. Nesse sentido, será mediado com exposição dialogada e oficinas de jogos e brincadeiras com diversas finalidades para aplicação com os estudantes.

Uso de recursos tecnológicos, informática e internet, aulas teóricas e práticas exercitando as técnicas do jogo, acompanhadas com exercícios de seus diversos temas para aplicação com os estudantes nas escolas, bem como introdução à cultura e os costumes do jogo e suas relações com seus povos.

 

RECURSOS MATERIAIS:

  • Espaço destinado ao desenvolvimento das atividades do projeto;
  • Apostilas encadernadas (Impressos para fixar os conhecimentos);
  • Livros paradidáticos;
  • Murais didáticos;
  • Dvds e Cds;
  • Recursos tecnológicos audiovisuais;
  • 22 Tabuleiros de cada jogo;
  • Tecidos africanos

 

RECURSOS FÍSICOS:

Sala de Projetos Especiais (mesas, cadeiras, murais pedagógicos)

Sala de informática com internet (computadores, impressora, datashow);

Sala de Multimídia (computador, datashow, tela de projeção)

 

PROCESSO AVALIATIVO

INDICADORES

Evolução individual no processo de aprendizagem, evolução diante a aprendizagem do grupo, e participação nos campeonatos, torneios, olimpíadas estudantis, festivais, etc. Frequência em todas as aulas regulares e no projeto, desempenho nas atividades da escola, análise da participação do aluno, e comprometimento do aluno em todas as atividades do currículo escolar.

 

INSTRUMENTOS

Análise individual do aluno no processo de aprendizagem, participações em eventos internos e externos, autoavaliação e avaliação de curso.

 

 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da educação nacional. Lei Federal nº 9.394/96.  Disponível em http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9394.htm Acessado 30/08/2019 às 11h47min.

_______. Lei sobre o Ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira Lei 10.639/03. de 9 de janeiro de 2003. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm.

_______.Lei sobre o Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Lei Nº 11.645/08, de 10 de março de 2008. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm.

_______.Ministério da Educação. Pareceres e Resoluções sobre Educação das Relações Étnico-Raciais. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações Étnico-raciais e para o ensino de História e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: MEC, 2004.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 6ªedição. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora Universo, 1988.

________________. Superstições e Costumes: Pesquisas e Notas de Etnografia Brasileira. Editora Antunes & Cia. Rio de Janeiro, 1958.

COELHO, Luciano Silveira.  Jogos e brincadeiras africanas II. http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=22256

CUNHA, Débora Alfaia da, FREITAS, Cláudio Lopes de. OFICINA: Jogos infantis Africanos e Afro-brasileiros. http://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2015/11/Apostila-Jogos-infantis-africanos-e-afro-brasileiros.pdf

FARIA, Victor Lúcio Pimenta de. A proteção jurídica de expressões culturais de povos indígenas na indústria cultural. São Paulo. Itaú Cultural, 2012.

KISHIMOTO, Tizuko. Jogos Infantis: o Jogo, a Criança e a Educação. Petrópolis, RJ: Vozes,1993.

LOPES, Nei. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo: Selo Negro Edições, 2004.

LOPES, Vera Neuza. Jogo de tabuleiro de origem africana explora valores e habilidades, da Revista do Professor (ano 24, n. 96, Out/Dez 2019, pp. 13-18.

MACEDO E OUTROS, Lino de. Aprender com os Jogos e Situação Problema. Rio de Janeiro: Artmed, 2000.

MARANHÃO, Fabiano. Jogos africanos e afro-brasileiros nas aulas de Educação  Física : processos educativos das relações étnico-raciais. Tese de Doutorado – UFSCAR – São Carlos, 2009.

SANTOS, Celso José dos. Jogos africanos e a educação matemática: Semeando com a família mancala. Maringá, 2008. http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/121-2.pdf

__________. Secretaria Municipal de Educação. Orientações Curriculares: expectativas de aprendizagem para a educação étnico-racial na Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio – Educação Étnico-Racial. São Paulo: SME/DOT, 2008.

__________. Secretaria Municipal de Educação. Curso Iniciação ao Jogo de Mancala  – Apostila/MATERIAL DIDÁTICO PMSP /SME

SILVA, Flora Pereira da. AQUINO, Natan. Coleção Afreaka: África Sem Estereótipos. 1ª ed. São Paulo, 2017