Tarefa 6 – Curso EDH – Valéria Nunes de Andrade

Data

31 de julho de 2020

Cursista

Valéria Nunes de Andrade

Função

Profrssora de Educação Infantil e Ensino Fundamental l

DRE / Unidade Educacional

Guaianases

Escola

Emei Adoniran Barbosa

Educando crianças pequenas para valorização da diversidade.

Introdução

As discussões sobre raça e diversidade nas instituições de educação estão propostas na Lei 10639/03, apesar disso muitos educadores hesitam em tratar a temática. “A educação para as relações étnicos raciais visa que bebês e crianças se reconheçam em suas identidades e possam compreender a diversidade étnica e racial do mundo com uma grandeza de experiência e possibilidades, tornando obrigatório nos currículos o ensino de história e cultura afro-brasileira”( Pág 65 São Paulo SP, Secretaria Municipal de Educação, coordenação pedagógica, currículo da cidade. Educação Infantil São Paulo SME COPED 2019).

Justificativa

Na educação infantil etapa da educação básica que se constrói conceitos, a compreensão de si e do outro, momento em que ocorre a percepção de estarem integradas ao meio em que vive. Por isso diversidade, representatividade, identidade e cultura são discussões centrais para a promoção de direitos e para a construção da subjectividade na infância. A proposta envolve não só as crianças mas também toda a unidade e comunidade, da visibilidade e valorização da criança negra. É preciso garantir a representatividade nos brinquedos e contos.

Público Alvo

Crianças de 4 a 6 anos de idade.

Finalidade/Intenção

Desenvolver uma imagem positiva de si, com a auto-estima fortalecida, as crianças se apropriam da estética negra, passam a gostar de sua pretitude, como também formar cidadãos críticos e autónomos, que participam do processo social, sejam conscientes dos seus direitos e deveres na sociedade em que vivem.

A questão da diversidade na educação deve ser tratada de forma ampla onde as diversidades étnicas, culturais, de genêros, também devem ser abordadas, as crianças não nascem racistas elas são ensinadas a te-lo através das vivências familiares.

Objetivo/Resultado esperado 

Promover a equidade racial, ensinar para as crianças a importância do convívio e do respeito as diferenças, estimulando a integração, diversidade dentro e fora do ambiente escolar. Que a diversidade seja valorizada, romper com preconceitos e estereótipos para que as crianças possam construir suas identidades de forma positiva.

O objetivo principal é que não tenhamos que vivenciar esses últimos acontecimentos tão deprimentes que nos deixam inconformados com o mundo que não muda, como esses casos do garoto Miguel Otávio, o adolescente João Pedro e do George Floyd inadmissível e tanto outros que estão acontecendo. Lembrarmos que somos todos iguais, quando respeitamos nossas diferenças.

A proposta desse trabalho é construir ações positivas e afirmativas, oferecer um repertório de brincadeiras, músicas e histórias africanas e afro-brasileira. Resultado esperado, desconstrução de paradigmas, falas e atitudes preconceituosas e racistas, ações que venham transcender os muros da escola, provocar reflexões ricas que contribuam na formação cidadã das crianças e de toda a comunidade.

  • Atividade 1 

Consiste na elaboração e confecção dos bonecos e bonecas em diferentes tons de tecidos e reunião com os pais, para explicar como vai funcionar o protejo “Quem cuida de mim” e dos seus objetivos. A cada final de semana duas crianças serão escolhidas para levar os bonecos para casa, onde poderão passear, brincar e dormir com eles. Os responsáveis farão um relato, registro, seja por foto, desenho ou escuta dos momentos vividos e serão entregues juntamente com os bonecos. Nesse dia do retorno, faremos uma roda de conversa para saber das próprias crianças como foi essa vivência. Para que todas possam levar os bonecos levaremos com uma sala de 35 alunos 3 meses e meio sem contarmos com o tempo da confecção.

  • Atividade 2

Será uma semana de Leitura simultânea com histórias com temas étnicos como: O cabelo de Lele, o menino marrom, minha mãe é negra sim, o mundo no black power, amoras (Emicida). Aquela história que tiver maior número de preferencia será recontada no dia da Mostra Cultural.

  • Atividade 3

Nessa semana falaremos sobre a Capoeira, aonde começou e sua importância. A capoeira permite trabalhar música, ritmo, expressão corporal e a finalidade maior desta atividade é aproximar as crianças das produções culturais da população negra. Buscaremos apresentar a capoeira em um contexto de experiências pedagógicas, reconhecendo sua importância para a história da população negra.

Roda de conversa, apresentação do pandeiro, berimbau, exibição de vídeos com movimentos básicos e crianças jogando capoeira, produção de desenhos e por fim uma participação de um professor ensinando um pouco os movimentos para as crianças. Esse contato das crianças com questões étnicas raciais será pertinente para mostrar a elas a atitude de respeito e valorização das diferentes culturas.

  • Atividade 4

Fecharemos as atividades após todas as crianças levarem os bonecos para casa, com uma Mostra Cultural, com exposição, oficina e contação de história preferida pelas crianças da Leitura simultanêacomo também oficinas de confecção da boneca abayomi, oficinas de tranças e turbantes, apresentação de dança afro e roda de capoeira. Com isso, mostraremos par as famílias e crianças a compreensão dos elementos que influenciam a identidade cultural e a valorização dessa mistura. Uma forma de discutir, mostrar pratica anti-racista para que não fique só nas leis, precisamos investir mais nesse tema, planejar mais práticas, colocar negros em cargos positivos para que as crianças consigam se identificar.

Avaliação

Através dos feedbacks, dos relatos e dos registros que as crianças trouxerem de suas vivências com o boneco, das participações da comunidade do evento, do interesse deles em se aprofundarem mais na temática, o que se espera na pratica, é que agora as crianças negras que se retratavam como brancas nos desenhos, passem a usar o lápis marrom e preto.

Espero conseguir mostrar que a diversidade não é o desigual e sim promover o resgate da verdadeira raiz, da pluralidade de línguas, raças e condutas que não podem ser prejulgadas. Também espero desenvolver nas crianças e na própria família valores morais e resgatar a sua história e cultura, despertando uma visão critica e uma readequação das atitudes sociais.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bonecos de pano.

Contação de história.

Roda de Capoeira.

Oficinas

" Todos temos diferenças, mas respeito é algo que precisamos ter em comum"- Hadassa Meireles.