Tarefa 6 – Curso EDH – Valéria Balbine

Data

10 de julho de 2020

Cursista

Valéria Balbine

Função

Professora

DRE / Unidade Educacional

Ipiranga

Escola

Cei Jardim Clomax II

 

ATIVIDADE DO CURSO RESPEITAR É PRECISO! – A EDH E A ATUAÇÃO DAS CMCs   

Justificativa:

Respeitar o outro é tarefa que deve ser aprendida desde a infância, dentro da família, na escola e na sociedade.  

Após finalizar o curso nós professoras do Cei Jardim Climax II (idade 0 a 4 anos) resolvemos elaborar um trabalho relacionado aos vários contextos estudados neste curso e sugerir para o próximo ano trabalhar com o PPP da escola relacionado aos temas propostos. Achamos interessante todos participarem: escola, crianças, famílias e intersetorial.  

 Observando os documentos propostos neste curso, visando que abarcam pontos cruciais para que as práticas educacionais promovam um clima de respeito mútuo nas escolas, no sentido de afastar as possíveis violências psicológicas, institucionais, simbólicas e físicas do cotidiano escolar e, assim, garantir um ambiente potente de aprendizagem para todas e todos,  fazendo sentido para estes atores, onde a cooperação, a equidade, inclusão, respeito a diversidade, aceitação enfim abordando vários temas.  

Do nascimento aos 5 anos de idade, as crianças passam por experiências fundamentais para a construção de valores. E é de fundamental importância que a equipe de educadores conheçam o desenvolvimento infantil e o valor de proporcionar, aos pequenos, boas experiências de convivência e aprendizagem, que acolham as formas de conhecer e de se relacionar da criança pequena, mediando-as de modo afetivo, sempre considerando a perspectiva do respeito e do cuidado humano.  

A educação em direitos humanos se dará durante atividades diversificadas, nas rodas de conversa, na leitura de histórias, na organização das crianças nos momentos de brincadeiras tradicionais ou de jogos, durante as refeições e os cuidados pessoais, no parque ou nos espaços internos e externos da escola. Os aspectos mais relevantes na condução dessas experiências são a intencionalidade dos educadores e a forma como deixam claros os valores colocados nas atividades.  

Envolvimento será de toda a unidade, podendo ser organizada assembleias para dar vozes as crianças. E é importante que suas percepções, seus fazeres e suas vozes sejam considerados e que as crianças possam participar de processos de escuta, na própria escola e nos territórios onde se encontram. Promover o avanço da UE quanto a atitudes de respeito e não discriminação entre crianças e adultos. O protagonismo delas é imprescindível.  Seja na participação nas decisões sobre atividades, brincadeiras, histórias, nas deliberações sobre a merenda, nas festas escolares, no que desejarem, é muito importante ouvi-las. Os alunos são os sujeitos da aprendizagem, por isso, são a voz que deve ser prioritariamente ouvida, e eles têm muito a dizer.  

O envolvimento e a participação da família no ambiente escolar nos dias atuais são considerados um componente importante para o desempenho das instituições de ensino, e para a aprendizagem da criança em sua vida escolar e no meio social. Podemos propor oficinas e debates para os familiares e crianças.  

Objetivos/resultados esperados  

– Vivenciar experiências diversificadas (por meio de jogos, brincadeiras, arte, culinária, filmes, livros, músicas, danças, entre outros) que valorizem e expandam o conhecimento sobre outros povos e culturas.  

-Instigar a criança, familiares e comunidade escolar a respeitar os outros e entender seus direitos e deveres.  

-Incentivar o aluno a valorizar e respeitar a diversidade.   

-Reconhecer valores como: amor, igualdade, ética, cidadania, solidariedade e respeito, dentre outros;   

Situar o aluno no presente, para que ele se sinta parte integrante da história.  

-Brincar livremente sem distinção de brincadeiras de gênero.   

-Respeitar as diferenças das culturas africanas, afro-brasileiras, indígenas e imigrantes.  

-Respeitar as escolhas pessoais (religiosas, culturais e/ou alimentares).   

-Manifestar-se diante de ações, atitudes ou falas preconceituosas e discriminatórias para si e para o outro.  

-Construir uma percepção positiva das diferenças étnico-raciais, de gênero e geracional.  

-Construir imagem positiva sobre suas características físicas e culturais  

Essas ações ampliam as possibilidades de reconhecer bebês e crianças pequenas como sujeitos em nossa cidade, diminuindo sua invisibilidade. As crianças construírem o respeito para com os outros, bem como desenvolver atitudes cidadãs, sendo igualmente vistas e respeitadas. Os resultados previstos com a realização deste projeto é uma conscientização por parte das famílias e o aprendizado das crianças no sentido de que devemos respeitar os outros e entender seus direitos e deveres.  

Mesmo em curto prazo, conseguimos promover novas aprendizagens e mudanças. E isso em qualquer idade. A construção de valores acontece desde o nascimento até o fim da vida e esse processo educativo não acaba nunca. Uma educação permanente e global para seguir continuamente. 

Desenvolvimento:  

O projeto será realizado durante o ano letivo abordando as questões levantadas pelos professores, crianças e famílias ou outras que surgirem. Serão sempre trabalhadas através de histórias infantis, e a partir dessa atividade outras serão propostas:   

-Roda de conversa diária sobre assuntos atuais e importantes para as crianças: amor, família, escola, verdade, realidade, amigos, história, músicas, brincadeiras, futuro e outros conteúdos que forem surgindo.  

-Histórias infantis variadas abordando temas da vida de cada um: ética e respeito, família, cultura negra, indígena e outras, direitos da criança, gênero e raça, identidade pessoal, idosos, aparência física, deficientes, boas atitudes, diferenças no trabalho, reis e rainhas na antiguidade e outras.  

-Reprodução de histórias: oralmente, através desenhos feitos pelos alunos, colagem, teatro, produção artesanal, músicas, escrita, cartazes, trabalho em grupo e brincadeiras que relacionam partes da história como sequência, personagens e outros assuntos.  

-Varal de histórias com livros variados para que os alunos possam manusear diariamente com orientação do professor ou espontaneamente.  

– Visitas e entrevistas: para trabalhadores encontrados no bairro, visita ao bairro e arredores para reconhecer os limites do município e as pessoas, observação das pessoas que estudam e trabalham na escola e que tarefas realizam diariamente.   

– O aluno conta a história: a criança leva o livro de história para casa e com o apoio da família aprende tudo que está escrito e depois conta a história para os colegas em sala de aula, depois relata o que se pode aprender com aquela narrativa, o varal de história traz histórias diferentes que serão contadas pelas crianças a partir da leitura dos desenhos.  

-Painel das boas atitudes: as crianças propõem e o professor escreve o que deve conter no painel das boas atitudes para que outras pessoas possam ler e praticar também.  

-Confecção do baú dos direitos humanos: elaboração de fichas impressas com imagens dos direitos humanos para que os alunos possam visualizar, entender, desenhar e depois realizar brincadeiras para melhorar o entendimento.  

-Trabalhar com a visualização de videos de diferentes culturas;  

-Realização de oficinas com os familiares;  

-Dentre outras propostas que surgirem durante o projeto.  

Avaliação:   

Ser educador de crianças pequenas exige, portanto, um exercício cotidiano de avaliar seus próprios valores e crenças.  

Para termos uma sociedade justa e organizada precisamos instruir os cidadãos atuantes do futuro para que possam exigir respeito e respeitar os outros. 

Apoio dos cadernos do curso EDH para todas as idades