Tarefa 6 – Curso EDH – Silmara Vilibor Lucero

Data

6 de agosto de 2020

Cursista

Silmara Vilibor Lucero

Função

Prof de ed inf e fund I

DRE / Unidade Educacional

Jaçanã / Tremembé

Escola

Emei ana neri

Tema: “Na nossa escola ninguém fica para trás!”

Justificativa:

Ao longo do curso, todas as temáticas apresentadas me fizeram refletir sobre a importância da escola ser de fato um lugar onde todos se sintam incluídos, um local  onde o respeito mútuo esteja presente nas relações e práticas cotidianas, que favoreça as interações, que valorize a diversidade, que acolha a todos, ouvindo e dando voz a esses sujeitos, garantindo e conscientizando sobre seus direitos.

Apesar da Constituição, do ECA, da LDB e de outras legislações assegurarem o direito à educação, infelizmente sabemos que, na prática, ela não acontece da mesma maneira para todos. Não basta apenas a criança estar matriculada na escola; é preciso proporcionar uma educação de qualidade, oportunizando vivências significativas, que promovam a liberdade, a justiça, a igualdade, a solidariedade, a cooperação, a tolerância e a paz.

Uma das maiores grandezas da escola pública é a diversidade que está dentro dela, diversidade essa que está presente na equipe de professores, nos grupos de alunos, nas organizações das famílias, nas culturas ali presentes e é por causa disso que precisamos promover uma cultura inclusiva na escola, para que ninguém seja “esquecido”, para que ninguém seja “silenciado” e para que ninguém fique “invisível”.

Finalidade e Objetivos:

Sabemos que  o encontro com o diferente pode despertar insegurança e, muitas vezes, os educadores alegam que não se sentem “preparados” para lidar com algumas questões, dizendo que não  “estudaram” para isso, acreditando que essas questões são responsabilidades da família, dos profissionais da saúde ou até mesmo do governo. Esse distanciamento baseado numa visão simplista faz com que fatores importantes sejam negligenciados, contribuindo para a exclusão.

Por isso, o presente trabalho pretende promover algumas atividades com o objetivo de:

  • proporcionar reflexão sobre as práticas pedagógicas, discutindo a questão da inclusão e da exclusão
  • buscar estratégias que favoreçam  a inclusão de todos
  • elaborar um plano de ação voltado para a promoção da inclusão e respeito à diversidade

Público Alvo: Estruturei esse projeto para ser desenvolvido na minha EMEI com as professoras que trabalham no turno da manhã e fazem horário de estudo coletivo (Jeif) comigo, uma vez que isso facilitará nossos encontros. Porém, acredito que devido a relevância do tema, ele possa ser ampliado para todos os docentes da escola (professores, gestores, quadro de apoio) e, futuramente, tendo uma continuidade para que outras ações sejam desenvolvidas as crianças e com as famílias.

Duração:  de 4 a 6 meses:

Atividade 1: Inclusão e a nossa escola

Nessa primeira atividade, refletiremos sobre a inclusão na nossa escola. O grupo deverá discutir sobre o que é inclusão, quem é incluído na nossa escola, se há barreiras que dificultam essa inclusão. Ninguém será obrigado a participar, mas todos terão oportunidade de falar. Caso a discussão fique voltada apenas para as crianças com necessidades educacionais especiais, será proposto que  pensem também nos alunos imigrantes, nos alunos de outras etnias e nas diferentes culturas que permeiam nossa escola.

Atividade 2: Barreiras Linguísticas

Iniciaremos a atividade entregando a letra da música “Imagine” de Jhon Lennon, mas sem o título. Pedirei ao grupo que me diga o que está escrito (por ser uma música conhecida, acredito que alguém possa reconhecer a palavra “Imagine” e deduzir que música é, mas como não são fluentes em inglês,  não conseguirão traduzir completamente a música). Então, colocarei a música para elas ouvirem e perguntarei do que fala a música (alguém pode saber sobre o tema da música, mas novamente acredito que não saberão fazer a tradução completa). Perguntarei como elas se sentiram tendo dificuldade com o idioma e , a partir daí, faremos uma reflexão sobre como os pais imigrantes se sentem quando conversamos com eles ou quando enviamos um bilhete em português e eles não tem domínio da leitura.

Atividade 3: Representatividade

Nesse encontro assistiremos ao vídeo  que foi passado na aula 4 do curso (disponível em: https://www.youtube.com/watch?time_continue=2603&v=DQOlkcf2vkQ&feature=emb_logo), que mostra o quanto foi importante para aquelas pessoas terem manequins que lhes representassem fisicamente. Terminado o vídeo, perguntarei se as professoras acham que todas as crianças são e se sentem representadas na escola (nas pinturas, nos cartazes, nas atividades, nos filmes, nos livros, nos brinquedos, nos funcionários). Caso seja necessário, podemos circular pela escola para observar melhor o espaço.

Finalizaremos a atividade fazendo alguns apontamentos sobre o que já foi contemplado e o que precisa ser melhorado

Atividade 4: A diversidade na escola

A partir das atividades anteriores,  discutiremos sobre como trabalhamos a diversidade na nossa escola. Pensaremos tanto nas práticas que realizamos como também na periodicidade em que isso acontece. Algumas questões a serem refletidas:

-Sabemos que na escola há livros com histórias africanas e indígenas, mas será que elas fazem parte do meu planejamento? Com que frequência?

– Quais músicas eu canto com minhas crianças?

– Nos momentos de vídeo, costumo passar apenas filmes americanos ou também contemplo outras produções?

– Há fantoches de crianças cadeirantes na escola, mas eu deixo as crianças brincarem com eles?

– Apesar de não separarmos meninos e meninas das brincadeiras, o que eu faço quando observo essa segregação por parte deles?

– Será que eu sei de onde é a família do meu aluno? Se é do Brasil, de que região?  Se é de outro país, de qual?

-Quais as preferências dos meus alunos? E do meu aluno com necessidade educacional especial, eu sei dizer?

Atividade 5: Plano de ação

Iniciaremos a elaboração de um plano de ação voltado para a promoção da inclusão e respeito à diversidade.

Para isso utilizaremos todos os apontamentos feitos nas atividades anteriores e as observações que cada professora fez da sua sala. Levantaremos metas a serem atingidas a curto, médio e longo prazo e planejaremos algumas ações que possam ser desenvolvidas com as crianças e com as famílias.

Porém, o objetivo não é que esse plano seja algo pontual, mas sim que ele embase nossas práticas cotidianas, permeando as diferentes relações existentes e ampliando o nosso olhar para todos os sujeitos que fazem parte da escola.

Avaliação: A avaliação acontecerá ao longo das discussões das atividades e a partir da elaboração e execução do plano de ação voltado para a promoção da inclusão e respeito à diversidade.