Tarefa 6 – Curso EDH – Sandra Regina Affonso Franca

Data

6 de agosto de 2020

Cursista

Sandra Regina Affonso Franca

Função

Auxiliar Técnico de Educacao

DRE / Unidade Educacional

Ipiranga

Escola

Céu Heliopolis

Sequência de Atividades – Curso: EDH – Desafios do contexto atual

1 – Tema:

A importância da formação do Quadro de Apoio – Entendendo Fake News na Covid – 19

 

2 – Justificativa

Além de “fazedores de tarefas” penso no quadro de apoio como parte primordial da unidade escolar. E para que se engajem no combate as Fake news o quadro de apoio precisa ser valorizado. Quando ingressei na Prefeitura – em 2016 – fiquei extremamente feliz por participar em uma formação em minha DRE, que executou encontros mensais durante todo o ano de formação em muitos temas interessantes, e me senti muito valorizada. Mas fui vendo no decorrer dos anos que, infelizmente, a rede privilegia a formação docente e são pouquíssimos cursos para o apoio. A maioria do apoio que conheço é obrigado a pagar e a procurar formação fora da rede. A formação de professores é primordial, mas a do apoio também deveria ser – pois a escola não funciona sem o apoio.

 

Refletindo o que é educação e o papel democrático da escola nas aulas do curso, acredito que o quadro de apoio também é educador. Portanto toda escola deveria implementar, incentivar e executar encontros formativos, que valorizem e integrem a equipe de apoio. Com a convicção de que todos na escola são educadores, verifico em minhas observações e na participação de grupos sociais on-line de quadros de apoio o quanto esta porção de educadores ainda propaga e acredita nas Fake News.

 

Portanto escolhi abordar e trabalhar inicialmente em uma formação ou em uma ou mais reuniões para ampliar o conhecimento acerca do que são as Fake News, com foco na Pandemia de Covid-19.

 

Este tema abordado é de extrema relevância e atualidade, considerando que devemos conhecer critérios para selecionar as fontes de informação para estudos e pesquisas, escolares ou não, além de incentivo a atitudes críticas diante de informações que nos chegam pela internet.

 

3 – A quem o trabalho se destina:

Aos funcionários do Quadro de Apoio da Unidade escolar e a qualquer adulto interessado, mesmo os de empresas terceirizadas.

 

4 – Finalidade:

Sabendo que os profissionais da escola têm acesso às mais modernas tecnologias, acredito que o quadro de apoio é essencial em ampliar seu uso e o seu aprendizado, pois mesmo com este amplo acesso muitos podem não conseguir identificar uma fake news, permanecendo assim alienados da realidade que os cerca.

 

Muito do conteúdo que temos disponível na internet vem carregado de posições ideológicas, e se faz necessária uma leitura crítica para ensinarmos aos nossos pares a busca de uma sociedade mais inclusiva e democrática.

 

Pensando nos tempos atuais a educação pode contribuir e muito para o aumento da consciência de todos, pois devemos buscar mídias jornalísticas independentes para informar e ensinar aos estudantes e todos a nossa volta a analisá-las a fundo, dentro de um contexto social e histórico.

5- Objetivo

Promover reuniões mensais para a formação e integração do quadro de apoio.

Engajar o quadro de apoio nas reuniões, onde eles poderão sugerir temas para as reuniões; trazerem reportagens para serem discutidas; leituras; vídeos; promoverem confraternizações; participarem da elaboração do Projeto Político Pedagógico; participarem das decisões comuns da escola; promover encontros onde possam compartilhar suas inquietações e buscar a solução destas, enfim, possibilitar um maior pertencimento a escola e uma valorização do seu trabalho e integrar o grupo. Um trabalhador valorizado melhora sua prática e se engaja no bem comum.

 

6 – Duração

Pensei em duas reuniões iniciais de formação para o Quadro de Apoio.

 

  1. Primeira reunião

Vamos entender o que é Fake News.

Informar aos participantes sobre a importância da verificação de uma informação sobre um determinado acontecimento ou uma experiência, pois as informações são importantes nas escolhas e tomadas de decisões que fazemos em nossa vida e que impactam em nossa sociedade.

 

A reunião seria iniciada com a exibição de um vídeo extraído do Youtube com explicações sobre o que são Fake News:

 

https://www.youtube.com/watch?reload=9&v=RE_oB8COKys&feature=youtu.be

 

Após a exibição seria efetuada uma Roda de conversa com os participantes:

  • Quem conhece Fake News?
  • O que são notícias falsas?
  • Para alguém acreditar elas precisam parecer verdadeiras?
  • Por que uma informação é importante?
  • Como conhecer uma fonte verdadeira de informação?

Abrir o grupo para discussão e troca de informações. Permitir que todos se posicionem e mediar possíveis conflitos.

Sugerir para a próxima reunião a pesquisa e anotações a respeito de uma Fake News relacionada a Pandemia de Covi-19, sugerindo a busca no site:

 

https://www.saude.gov.br/component/tags/tag/novo-coronavirus-fake-news

 

 

  1. Segunda reunião

 

A reunião seria iniciada com as devolutivas dos participantes a respeito da pesquisa sobre Fake News que conhecem ou que teriam descoberto. Se acaso não tiverem pesquisado, forneceria aos participantes material de pesquisa com exemplos impressos de Fake News. Se forem muitos participantes, pode-se formar duplas. Como o quadro de apoio está defasado, poderia ser individual a pesquisa.

 

Poderiam servir de exemplos para distribuição entre os grupos que não realizaram as pesquisas remotas: café cura coronavirus, coronavirus morre a 26 graus, compras na china e coronavirus, entre outras.

 

Após formação de duplas, por exemplo, e distribuição do material, solicitaria uma pesquisa em Internet da veracidade ou não das informações, explicando as possibilidades de se checar uma fake news:

  • lendo a notícia inteira, não só o título, e checando a data.
  • prestar atenção pois muitos sites de fake news têm a mesma estrutura dos sites jornalísticos sérios, então não se deixar levar pela aparência.
  • procurar saber quem contou a notícia. Foi um jornal ou veio pelas redes sociais, sem autoria? Se for esse segundo caso, vale desconfiar. Se disser que a notícia vem de um jornal, entre no site desse jornal e procure.
  • Se vier de um site, você conhece essa fonte? Pesquise o nome do jornal e do autor no Google. Se esse site só publica textos de um tipo, com um fundo ideológico, ou seja, das mesmas ideias, desconfie.
  • Procure a notícia no Google. Se for verdade, outros jornais vão ter informado.
  • Se receber um áudio, faça uma busca na internet com termos que aparecem por ali. Por exemplo, se é um áudio sobre a cura de uma doença, pesquise por “cura da doença X”.
  • Se for uma imagem poderá fazer uma pesquisa por imagens, acessando o site: https://images.google.com/ , clicando no símbolo da máquina fotográfica e incluindo a imagem.

 

Ao final da pesquisa solicitaríamos aos participantes a elaboração de um cartaz sobre suas descobertas e sobre os aprendizados gerados para a exposição nas dependências da unidade escolar. Pode-se solicitar a elaboração de cartazes sobre os métodos de prevenção ao coronavirus.

6- Avaliação

Com as atividades da formação específica em Fake News procuramos entender que estes boatos causam problemas e precisam ser combatidos com informação e orientação, e a escola assume um importante papel nesta realidade. Nesse sentido, o projeto busca idealizar uma formação crítica sobre a informação recebida pelos mais diversos meios de comunicação ao mesmo tempo em que tenham ferramentas para combater a desinformação gerada por tais meios.

 

A avaliação seria pelo resultado esperado da formação crítica dos participantes para contribuir no desenvolvimento de cidadãos mais conscientes e preparados para a vida em sociedade, e que possam compartilhar estes aprendizados com os estudantes e demais pessoas de seu convívio.

 

A longo prazo buscaria uma maior valorização dos profissionais do Quadro de Apoio pela gestão e professorado, entendendo que eles também são educadores e não são inferiores, e que toda a comunidade escolar deve se engajar em permitir que os conhecimentos cheguem a todos, e que o Apoio também participe deste processo de aprendizagem e de decisões comuns da escola.

 

Sandra Regina Affonso França