Tarefa 6 – Curso EDH – Rodrigo Alves

Data

27 de julho de 2020

Cursista

Rodrigo Alves

Função

Auxiliar Técnico de Educação

DRE / Unidade Educacional

Jaçanã / Tremembé

Escola

VEREADOR ANTONIO SAMPAIO

Tarefa: Curso respeitar é preciso

 

O tema escolhido por mim é o uso de experiencias sensoriais para melhor entendimento de deficiências, pois vejo muitas vezes a questão de entender os problemas dos outros, se colocar no lugar do outro ou ate a expressão “usar os sapatos de outras pessoas pra entender sua caminhada”, porem isso em muitos aspectos não pode apenas ficar em palestras ou vídeos.

Em muitos casos os alunos tem um preconceito ao encontrarem outros que possuem alguma deficiência, muitas vezes não por que eles são “ruins”, mas porque eles não vivem essa situação no seu dia a dia, e essa atividade tem por finalidade que esses conceitos sejam vividos pelos participantes

Da mesma maneira que quando qualquer pessoa adquire algum conhecimento, mas não o põe em pratica, esse conhecimento se perde, fazendo com que a energia dispensada se perde, sem que haja o aprendizado.

A justificativa para essa escolha é que quando vivemos essas experiências e realmente estamos no lugar da pessoa com essas deficiências podemos enfim entender e ver as dificuldades que as pessoas passam todos os dias como não enxergar, não ouvir ou não conseguir se locomover normalmente

Esse trabalho se destina a ser feito com alunos de Fundamental II, mais especificamente do Ciclo Autoral (7º, 8º e 9º), Ensino Médio e até alunos de EJA  (Educação de Jovens e Adultos) visto que esta atividade pode ser aproveitada para todas as faixas etárias garantindo uma melhor inclusão

Num primeiro momento será feita uma roda de conversa com os alunos que participarão da atividade, com pessoas que tem essas particularidades, para que os alunos possam tirar quaisquer duvidas que elas possam ter sobre essas particularidades, pois eles tem muita curiosidade e seria interessante que eles tivessem essas duvidas sanadas por quem passa por isso todos os dias.

Esta atividade pode se desenrolar de três maneiras: visual, auditiva e móvel, onde abaixo será exemplificada como pode ocorrer

  • Visual: Com o auxilio de um professor de educação física os alunos participantes, serão divididos em dois grupos, onde escalonarão sua participação onde quem não estiver participando irá auxiliar os participantes

Os alunos participantes serão vendados com um tecido de TNT e caso seja necessário algodão, para que os alunos não tenham visão do ambiente e a priori num ambiente controlado com tatames de EVA, ou colchonetes se movam pela sala e caso seja possível pedir a esses alunos que se movam pelo prédio da escola, como ir ao pátio da escola, após isso invertem-se os papeis, como onde quem está vendado passe a venda a quem esta sem a venda e o auxilie para o retorno a sala de aula;

 

  • Motora: Os alunos, desta vem em menor grupo terão os membros superiores imobilizados e deverão transitar pelo ambiente, não há tanta necessidade de controle do ambiente, mas os membros devem estar imobilizados dificultando as articulações serem dobradas, causando um certo desconforto na mobilidade desse participante e se possível ele não consiga se mover sozinho. Pode haver um auxilio para essa mobilidade, mas primeiro o participante deve tentar se mover, com as articulações imobilizadas;

 

  • Auditiva: Estas atividades podem ser feitas com todos ao mesmo tempo, onde os alunos, com o auxílio de chumaços de algodão terão seus ouvidos tapados impossibilitando a audição que minimize o máximo possível a audição desses alunos, e mostrar inclusive que a locomoção normal é bem dificultosa para quem não possui a audição perfeita

Num segundo momento pode se passar um filme sem som nenhum para as crianças e mostrar a difícil compreensão de deficientes auditivos do mundo, e mostrar que essas pessoas necessitam de uma compreensão melhor do mundo

 

Por fim podemos usar pessoas que falem em libras, que simulem uma conversa com os participantes onde a priori não há entendimento, de uma das partes, e após essa “estranheza” os instrutores possam ensinar alguns sinais para os participantes.

Essa atividade tem como objetivo mostrar que todos podem ter uma vida normal embora tenhamos nossas particularidades ou deficiências, mas podemos viver sem problema apenas com algumas adaptações, e também acabar com preconceitos vividos por essas pessoas em seu dia a dia.

Esperamos que com essas intervenções tenhamos uma redução nos casos de bullying e um melhor entendimento de nossos alunos com seus pares. Inclusive uma segunda etapa teria com que esses alunos se tornem multiplicadores desses conhecimentos adquiridos, fazendo que as lições aprendidas possam se espalhar pela comunidade e não ficar presas apenas aos muros da escola.

A duração deste projeto para alcançar o maior número de alunos possível seria entre 2 a 4 meses, para não ser realizada as pressas devido a ter partes teóricas, pratica e depender de pessoas externas, porem as palestras, caso haja espaço físico na unidade podem ser feitas com todos os comtemplados no projeto de única vez, tendo apenas as atividades físicas a ser realizadas separadamente.

Por fim os resultados serão mensurados por meio de:

  • Rodas de conversa com os envolvidos (alunos, pais e professores)
  • Mensuração doas ocorrências antes e depois das conversas ocorridas
  • E observação das atitudes tomadas pelos estudantes, após as formações.