Tarefa 6 – Curso EDH – RAQUEL AMARO ESCUDERO

Data

5 de agosto de 2020

Cursista

RAQUEL AMARO ESCUDERO

Função

Professora de Educacao Infantil

DRE / Unidade Educacional

Capela do Socorro

Escola

CEI COHAB Brigadeiro Faria Lima

Tarefa do curso EDH- Desafios do contexto atual

Sequência de atividades

 

Projeto: Leitura simultânea temática

Este trabalho que compõe a tarefa obrigatória do curso acima citado foi elaborado em dupla. Após assistirmos as aulas e lives e realizarmos as leituras dos materiais disponibilizados, conversamos sobre a relevância do tema “Educação para as relações étnico-raciais” no contexto da “EMEI Barão do Rio Branco” (zona sul de S.P) onde atuamos, pois acreditamos que desde a infância a representatividade é um marcador para uma construção positiva, forte e atuante na importância de se reconhecer no mundo e se orgulhar de si e de sua ancestralidade, levando esse sentimento para a vida. Abaixo estão registradas as concepções que se complementam, elaboradas após reflexão das cursistas: Raquel Amaro Escudero e Maria Daniela Galdino Silva.

  1. Tema

 Educação para as relações étnico-raciais

  1. Justificativa

O contexto escolar como facilitador de interações sociais viabiliza diversidades de relações interpessoais para oportunizar a troca de experiências e o conhecimento de si e do outro. Na perspectiva de estabelecer relações respeitosas entre todas as pessoas que convivem no espaço escolar é necessário promover práticas diárias de tolerância, valorização das diferenças e respeito a diversidade. A conscientização dessas práticas fundamentadas nas legislações vigentes sobre a educação para as relações étnico-raciais (Leis Federais nº 10.639/03 e nº 11.645/08 e as Diretrizes Curriculares Nacionais) oferece aporte legal para justificar o trabalho pedagógico que visa uma educação  antirracista, que reconheça e compreenda as diferenças étnicas e raciais, assumindo um compromisso com a transformação social, combatendo todas as formas de preconceito e discriminação, evitando que crianças sejam vítimas do racismo ou assumam condutas racistas em relação as outras. Além desta premissa, dialogar sobre as questões étnico raciais desde a primeira infância oportuniza que as crianças se sintam amparadas e conhecedoras de seu papel social enquanto sujeito de direitos.

  1. A quem o projeto se destina

Educação Infantil: crianças de 4-5 anos

  1. Finalidade

Ofertar as crianças e suas famílias assim como a todos os educadores, acesso às representações literárias e artísticas que contemplem a diversidade, para que se reconheçam de forma positiva, sintam-se valorizadas e respeitadas como são e vivenciem a interculturalidade necessária à formação da cidadania e vida comum, além  da importância de se reconhecer no mundo com orgulho de ser quem é desde criança e para sempre, digna e ativa em todas as áreas da experiência humana.

  1. Objetivos:

– Conscientizar as crianças e comunidade escolar que a diversidade racial não implica inferioridade;

– Refletir sobre a identidade racial e sua relação com o outro;

– Compreender a importância em respeitar e aceitar as diferenças;

– Reconhecer e valorizar suas características individuais (cor da pele, cabelo, tamanho e outras);

– Oportunizar o protagonismo infantil na dinâmica autônoma de escolha de livros, valorizando seus gostos suas áreas de interesse.

– Promover a educação antirracista como um compromisso e responsabilidade de todos estabelecendo a cultura de respeito mútuo entre todos os integrantes da escola;

– Construir relações de valores entre todos (adultos e crianças) que estabelecem empatia, segurança e afeto entre as pessoas no exercício das práticas cotidianas;

– Ampliar o repertório literário das crianças enfatizando figuras nacionais, locais e internacionais que abordam temas étnico raciais e por meio destas histórias e figuras representativas auxiliar na construção positiva da identidade de crianças

  1. Duração:

As ações ocorrerão durante o ano letivo em blocos quinzenais.

  1. Sequência de atividades:

Primeiro momento: Iniciaremos as atividades selecionando títulos de obras literárias focadas nas relações étnico raciais. Partindo da concepção de que todos na escola são educadores iremos convidar funcionários de todos os setores (cozinha, apoio e administrativos) para contarem as histórias aos grupos de crianças. Nesta etapa organizaremos convites para as famílias que apresentarem interesse e disponibilidade de tempo venham a escola para realização da leitura. As pessoas que ficarão incumbidas de ler as histórias terão liberdade para se caracterizarem e organizarem o ambiente com tecidos, figuras, instrumentos musicais ou objetos nativos de povos ancestrais.

Segundo momento: Cada funcionário escolherá um livro e produzirá um cartaz contendo a capa do livro e informações prévias sobre a narrativa da obra. Os cartazes serão afixados no pátio para que todos visualizem. Nesta etapa as crianças de todas as turmas serão avisadas em rodas de conversas de que a escola está organizando uma ação para leitura simultânea.

Terceiro momento: Uma turma por vez irá ao pátio para que as crianças escolham o livro de preferência, nesse momento o professor da turma como interlocutor do processo fará a leitura de cada cartaz e oferecerá condições para que cada criança realize inscrição em uma leitura. Não será possível escolher mais de um livro porque todas as obras serão lidas simultaneamente, cada história em um determinado ambiente da escola. Nesta ação a escola toda se mobilizará para leituras étnico raciais no mesmo horário.

Quarto momento: no dia e horário combinados as crianças se deslocarão pela escola para se dirigir ao local do livro escolhido e participarão da leitura.

Quinto momento: ao fim das leituras as crianças retornam para as suas salas de referência para que todos contem sobre as histórias, as partes que mais gostaram ou se não gostaram. O professor da turma mediará a roda de conversas valorizando os aspectos étnicos raciais presentes nas histórias. Ao fim da conversa as crianças poderão registrar por meio de desenhos, danças, encenações ou jogos as histórias que conheceram.

  1. Avaliação:

Observar no cotidiano escolar e no contato com as crianças e seus familiares,   as questões trazidas por elas (tanto verbalmente quanto em sutilezas presentes no brincar, conviver, participar e explorar) as relações que valorizam as posturas dos adultos como exemplo e que para tanto devem ser éticos e dialogar respeitosamente em intervenções, priorizando as vozes das crianças  e dando-lhes oportunidades para que possam expressar-se e (re)conhecer-se no âmbito escolar de modo em que todos os aspectos que rege a vida e condição individual seja no aspecto econômico, religioso, racial, venham contemplar a  importância de sua existência. Desse modo pretendemos que a visibilidade acerca da representatividade presentes nas histórias reverberem em uma educação antirracista para além dos muros da escola.