Tarefa 6 – Curso EDH – Patrícia Alqueja Monteiro

Data

4 de agosto de 2020

Cursista

Patrícia Alqueja Monteiro

Função

Professor de educação infantil e ens. Fund I

DRE / Unidade Educacional

São Miguel Paulista

Escola

EMEI Afrânio Peixoto

Patrícia Alqueja Monteiro – [email protected]

Sequência de atividades sobre educação inclusiva com o objetivo de se trabalhar o respeito mútuo

Tema proposto: Incluir é amar e respeitar. A educação inclusiva é aquela que abre espaço para todas as crianças.

Justificativa e finalidade: Trabalho em uma EMEI e acredito que, desde pequenas, as crianças precisam aprender a respeitar, amar, conviver e se socializar com todos os amigos, inclusive as crianças com deficiência. Toda escola de educação infantil recebe crianças com diversas deficiências, sejam elas físicas, cognitivas, emocionais e sociais e, portanto, é preciso ensinar, de formas lúdica, amorosa e espontânea que o respeito deve estar presente em nossa rotina, dentro e fora da escola, sendo algo que deve ser praticado em todas as situações. Trazer esta conscientização e essa prática à rotina das crianças é prevenir situações de discriminação, conflito e de constrangimentos, tornando as interações mais harmoniosas e respeitosas.

O trabalho destina-se a uma turma com crianças de 5 a 6 anos, na qual uma delas possui certas limitações físicas e visuais e, portanto, esse trabalho com elas é de grande valor pois melhora a convivência, o respeito, esclarece questionamentos vindos das crianças, ao mesmo tempo em que elas tornam-se mais amorosas e ajudam a  amiga sempre que possível e necessário, assim como a criança sente-se mais acolhida, respeitada e amada por todos.

Atividades a serem realizadas:

– Roda de conversa com apresentação de cada criança e da professora, respondendo qual é o seu nome e o que você mais gosta de fazer? (a partir desta simples atividade sobre a identidade das crianças, a professora vai conhecendo o perfil e algumas especificidades da turma);

– Brincadeira/ dinâmica do espelho: essa brincadeira é utilizada como uma forma de provocar nas crianças reflexões sobre si mesmas. Além disso, permite trabalhar o autoconhecimento e ampliar a importância de cada criança no grupo. Nesse sentido, a brincadeira do espelho é uma ótima oportunidade para que a criança possa refletir sobre quem ela é, de forma lúdica e divertida. Ela é realizada da seguinte maneira: a professora apresenta uma caixa de presente bem bonita às crianças e explica que dentro dela há algo muito especial e precioso. A caixa é passada para cada criança olhar e dentro há um espelho. Elas deverão olhar e dizer o que tem de tão especial lá dentro. Assim, a professora finaliza a brincadeira concluindo que todas elas são muito especiais e importantes. E pede para que se lembrem disso sempre que alguém falar algo que as deixem tristes.

– Leitura compartilhada do livro infantil “Téo quer um abraço” (Autora: Silvana de Menezes – Editora Cortez): apesar do distanciamento social que estamos vivendo atualmente, esta é uma boa leitura a ser feita com as crianças, pois traz a reflexão sobre a importância do carinho e do afeto no nosso cotidiano. Téo é um porco espinho e quer ser abraçado, mas nenhum animal quer abraçá-lo devido aos seus espinhos. No final, Téo descobre que há outras formas de carinho e que pode se sentir amado também. Assim, podemos refletir junto com as crianças que o amor e o carinho podem ser demonstrados de formas diferentes: através de um abraço, mas também através de palavras, de uma ajuda, de um sorriso, através do brincar juntos, do compartilhar, entre outras.

– Brincadeira do bambolê: para esta brincadeira, as crianças deverão formar um grande círculo e ficar de mãos dadas. Com o bambolê entre os braços de duas crianças, elas terão que passá-lo sobre o corpo sem soltar as mãos, até chegar à última criança. Além de trabalhar a coordenação motora grossa, o equilíbrio e a concentração, esta brincadeira trabalha a cooperação e a ajuda ao próximo, pois se as crianças não se ajudarem, o bambolê não chega ao final.  É importante conversar com elas sobre o que aprenderam.

– Vídeo infantil Muito além da visão, Cocoricó: através do compartilhamento deste vídeo, a professora e as crianças poderão refletir e conversar sobre o que é bullying e sobre a importância do respeito para com os colegas.

Duração: estas atividades foram planejadas para serem realizadas em uma semana (uma atividade por dia), porém pode-se diversificar a sua aplicação, realizando-as duas vezes por semana, dependendo da necessidade da turma. As atividades que envolvem os temas inclusão e respeito sempre devem ser lembradas e trabalhadas durante todo o ano, pois são aprendizagens para a nossa vida.

Avaliação e resultados esperados: a avaliação inicia a partir do momento em que as atividades começam a ser realizadas com a turma. É importante observar se as crianças estão participando das propostas, além de respeitar e considerar as opiniões recebidas delas (ter uma escuta atenta) e, a partir daí, planejar novas atividades, reformulando o que precisa ser mudado e melhorado, podendo-se também trabalhar novos temas a partir da necessidade das crianças. Realizar uma roda de conversa sobre as atividades desenvolvidas para que haja um feedback  sobre o que gostaram ou não, sobre o que aprenderam e o que gostariam de continuar aprendendo também deve estar no planejamento. Através destas atividades propostas, objetiva-se que a turma compreenda a importância do respeito mútuo para com as pessoas, em especial com a turma, fazendo com que os amigos deficientes sintam-se incluídos, amados e felizes em nosso meio. E o retorno alcançado é muito gratificante, não sendo notado apenas no ambiente escolar, mas também nas famílias.

Professora Patricia Alqueja Monteiro