Tarefa 6 – Curso EDH – Muriel Aparecida Tangioni

Data

10 de julho de 2020

Cursista

Muriel Aparecida Tangioni

Função

Professor de educação infantil e ensino fundamental I

DRE / Unidade Educacional

São Miguel Paulista

Escola

EMEI AFRÂNIO PEIXOTO

CURSO “EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: DESAFIOS DO CONTEXTO ATUAL”

 

FORMAÇÃO: INSTITUTO VLADIMIR HERZOG

ALUNA: MURIEL APARECIDA TANGIONI R.F. 7739079 V2

E-MAIL: [email protected]

UNIDADE: EMEI AFRÂNIO PEIXOTO / DRE: SÃO MIGUEL PAULISTA

 

ATIVIDADE FINAL

 

 

  • APRESENTAÇÃO

 

O curso “EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: DESAFIOS DO CONTEXTO ATUAL” proporcionou uma importante reflexão acerca dos diferentes âmbitos que sustentam verdadeiramente uma educação pautada nos Direitos Humanos. Direitos estes que conduzem a relações apoiadas no respeito mútuo, no diálogo, na equidade de oportunidades entre todos, independentemente de cor, sexo, orientação sexual, entre outros. Tendo como base as reflexões ocorridas durante o curso, este plano de atividades se desenha a partir das postulações apontadas na segunda aula intitulada “Raça e relações sociais: Branquitude e algumas questões”, da formadora Luciana Alves, considerando a importância das leis 10.639/03 e 11.645/08 acontecerem de maneira concreta no ambiente educacional.

 

  • JUSTIFICATIVA

 

Além do dever e da necessidade de serem trabalhadas junto aos alunos as leis 10.639/03 e 11.645/08 torna-se preciso postular o quão diverso é o cenário de uma escola pública, pois acolhe diferentes sujeitos e abriga uma grande diversidade de culturas. Diante dessas características, cabe à escola proporcionar elementos capazes de gerar representatividade, combate ao racismo e ao preconceito além de promover a valorização das identidades, não somente dos alunos, que ocupam esse espaço público, mas de todos os atores e comunidade educacional.

 

  • PÚBLICO ALVO

Este trabalho se destina aos alunos de uma Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI), cuja faixa etária compreende crianças entre quatro e seis anos de idade. Como fora mencionado anteriormente, pretende se estender à equipe de funcionários da unidade, assim como a pais/responsáveis e comunidade escolar.

 

  • OBJETIVO

 

Pode-se atribuir como objetivo central, além do trabalho com as leis supracitadas, oportunizar um processo de conhecimento e valorização das culturas africanas e indígenas, desenvolvendo representatividade e criticidade frente a uma realidade ainda envolta pelos conceitos do eurocentrismo. Como resposta ao trabalho pretendido, busca-se observar o desenvolvimento de uma atmosfera escolar construída continuamente pelo respeito aos povos, pela valorização das diferentes identidades e culturas, bem como o enraizamento da representatividade desde a infância.

 

  • DURAÇÃO

 

Este trabalho de respeito e valorização das relações étnico raciais deve ocorrer durante todo o ano letivo, se constituindo e aprimorando no próprio cotidiano da escola.

 

  • SEQUÊNCIA DIDÁTICA

 

A seguir estão descritas algumas das atividades que poderão compor o projeto. Torna-se importante salientar que o mesmo também necessita ser reflexível e aberto com relação às demandas, apontamentos e necessidades a serem realizados por seu público.

 

  • Disponibilização de materiais de leitura sobre cultura africana e indígena, inclusive para empréstimo à comunidade;
  • Disponibilização de brinquedos de representação afro e indígena, valorizando o brincar nessas culturas, tais como o contato com as bonecas abayomi;
  • Exposição de objetos culturais africanos e indígenas;
  • Promoção do contato com músicas e danças africanas e indígenas, abrindo o espaço da escola para grupos desses segmentos;
  • Promoção de encontros com autores negros e indígenas, divulgando suas obras e culturas;
  • Realização de oficinas culinárias, possibilitando a ampliação dos conhecimentos acerca da própria alimentação brasileira.

 

Entre tantas outras possíveis atividades a serem realizadas.

 

  • AVALIAÇÃO

 

Segundo os documentos direcionadores para o trabalho pedagógico na educação infantil da cidade de São Paulo, a avaliação ocorre de maneira descritiva, através da observação continua do desenvolvimento de cada criança. Dessa maneira, a avaliação necessita estar pautada no envolvimento diante das atividades propostas ao longo do projeto. No âmbito geral, a avaliação acontecerá através das devolutivas provenientes das equipes componentes da escola e se de sua comunidade, compreendendo sua receptividade e participação nas propostas oportunizadas.