Tarefa 6 – Curso EDH – marisa izabel correa meira

Data

24 de junho de 2020

Cursista

marisa izabel correa meira

Função

prof. ed. infantil

DRE / Unidade Educacional

Penha

Escola

emei mary buarque

Projeto Respeitar é preciso!

A importância de trabalhar os direitos na escola é fundamental porque sabe-se que a escola reproduz o que acontece na sociedade e vivemos hoje em uma sociedade violenta, sendo necessário trabalhar muito a questão do respeito ao próximo, as diferenças, as pessoas entenderem que todos são seres humanos e devem ser respeitados. Isso auxilia bastante. Existe muitas falas de direitos humanos, mas pouca formação para professores, porque os professores que trabalham em periferia temos essa sensibilidade e tentamos passar isso para nossa sala, mas fazemos de uma forma mecânica e sem formação. Então tendo formação nos dá uma base para criarmos planos de ação dentro da escola então quando adquirimos conhecimento damos voz aos alunos, sei que é muito difícil falar de valores,  hoje vivemos em uma cultura de violação de direitos humanos, portanto, devemos enfrentar essa cultura, mudando-a e para mudar é fundamental envolver a escola, também é fundamental trabalhar os direitos humanos envolvendo a comunidade local e os estudantes e a partir daí construir uma nova cultura.

Pensei em realizar oficinas onde todos participam, pois muitas vezes os pais querem interagir com a escola. Estimular os pais a participarem de conselho de escola nas elaborações dos projetos. Pensei também colocar na porta da escola uma caixa de sugestão  para que os pais colocassem  sugestões do que deveria mudar na escola. Então esse tema não seria somente para trabalhar na sala de aula e sim vivenciado dentro da escola.

Quando se pensa em educação de direitos humanos é um olhar mais amplo. Temos muitos problemas, muitos preconceitos, bullying, percebe-se xingamentos, a homofobia, o machismo. A escola pública tem muita diversidade de religião. A escola pública enfrenta situações de violência, de injustiça, onde as pessoas são discriminadas. Então é de extrema responsabilidade trabalhar dentro da escola as diferenças, ensinar para os alunos a respeitar estas diferenças. Para trabalhar as diferenças, pensei em buscar as origens dos alunos da sala de aula, como etnia, ascendência e descendência, discutindo por meio de uma globalidade de definições de conceitos que esclareçam e fortaleçam as relações humanas e sociais. Sendo assim desenvolver nos alunos valores morais e resgatar a sua história e cultura para despertar uma visão crítica, desta forma, a escola forma participantes justos e solidários em sua própria comunidade. Pensei em fazer brincadeiras e dinâmicas de grupos para trabalhar na educação infantil. As atividades serão trabalhadas de acordo com a realidade e necessidade do professor, da turma e com essas práticas os alunos terão a oportunidade de lidar com a diferença e conviver coletivamente sem qualquer tipo de discriminação. Uma atividade que eu pensei foi no painel da diversidade onde iria propor personalizar bonecos de cartolina. Eu faria uma boneca de cartolina branca ou parda para cada aluno, entregaria tintas, canetinhas, revistas e cola e instruiria personaliza-lo de acordo com suas características ou vontades.

Ao final todos vão ter um boneco único. Em seguida eu colaria os bonecos de mãos dadas no painel da diversidade para simbolizar a amizade e o respeito e conversaria com a turma sobre o tema.

Pensei em oficinas que seriam elaboradas pelos pais que vieram de outros países, eles poderiam trazer suas culturas para dentro da escola. Também solicitaria que houvesse um desfile de roupas e acessórias dos seus países.

Os filmes infantis são bem interessante para trabalhar as diferenças no ambiente escolar. Um exemplo disso é o filem “Sherek” que é composto por cenas que refletem sobre a diversidade, o conceito normalidade e os lugares que a sociedade julga ser destinado  para as pessoas que são consideradas diferentes, levando em consideração padrão estético.

A literatura infantil é muito interessante para ensinar a como lidar com as diferenças como a história do patinho feio e  pedirem para eles desenharem o seu próprio patinho passando a ideia que não existe  um desenho mais correto do que o outro e que nós temos características únicas e que devem ser  respeitadas.

 

Resumidamente esse projeto seria por um longo tempo, aproximadamente dois meses.

 

Meu nome é MARISA IZABEL CORREA MEIRA RF 8004749, [email protected]