Tarefa 6 – Curso EDH – Marina Maniezo de Moraes

Data

3 de agosto de 2020

Cursista

Marina Maniezo de Moraes

Função

Professora de ensino fundamental I

DRE / Unidade Educacional

Freguesia do Ó / Brasilândia

Escola

EMEF Geraldo Sesso Junior

Tema:

 

Identidade

 

 

Justificativa:

 

Segundo Moreno (Jacob Levy Moreno, 1899-1974), a matriz de identidade está ligada aos processos fisiológicos, psicológicos e sociais, refletindo a herança cultural na qual está inserida. É essa matriz de identidade que prepara o indivíduo para a sociedade. A criança precisa dessa experiência social, onde assimila e desenvolve os papéis que desempenhará com o mundo.

Na teoria moreniana (psicodrama) podemos destacar três fases na matriz de identidade:

– 1º fase: identidade do eu (EU-EU), que garante ao indivíduo a descoberta de si mesmo.

– 2º fase: reconhecimento do eu (EU-TU), momento em que o indivíduo percebe-se através do outro.

– 3º fase: reconhecimento do tu (EU-ELE), permite verificar até onde o indivíduo percebe o outro e sua capacidade de inverter papéis.

Entendendo o espaço da Sala de Leitura como lugar de troca de experiências, de crescimento pessoal e intelectual, de aprimoramento de habilidades e capacidades e, baseada na teoria moreniana, as atividades serão desenvolvidas da seguinte forma: Abril, Maio – 1º fase; Junho, Agosto, Setembro – 2º fase; Outubro, Novembro, Dezembro – 3º fase.

 

 

Público Alvo:

 

Alunos do 6o ao 9o anos atendidos pela Sala de Leitura da EMEF Geraldo Sesso Júnior.

 

 

Finalidade:

 

Há anos trabalhando na mesma Unidade Educacional, percebi que entre os alunos, o comportamento demonstrava muita falta de respeito: as brincadeiras eram agressivas (verbal e fisicamente), muitas vezes se referiam às origens de cada um (atendemos muitas famílias do nordeste, alguns imigrantes) ou à sexualidade.

Os próprios alunos não se valorizavam enquanto seres humanos, menosprezando suas capacidades e qualidades. Diante disso, pensei em desenvolver um trabalho onde eles desenvolvessem a própria identidade e reconhecessem nas relações a importância do outro.

 

 

Objetivos:

 

Essa sequência didática foi planejada com a intenção de fazer com que os alunos da Unidade desenvolvessem um sentimento afetivo entre si, os colegas e funcionários, através de reflexões em torno de questões de identidade, respeito e interação. Desta forma, tem como objetivo trabalhar questões que possam influenciar o amadurecimento enquanto indivíduo, desenvolvendo a criticidade; melhorar a relação aluno-escola, através de atividades prazerosas que estimulem a mudança de comportamento de forma positiva; trabalhar questões que possam influenciar o desenvolvimento do ensino-aprendizagem, as relações e valores sociais. Os temas abordados serão os seguintes: família, relações sociais / amizade, valores pessoais / valores sociais, autoconhecimento e autoestima.

 

 

Duração:

 

1 ano letivo, com 1 aula (45min) semanal.

 

 

Atividades:

 

Em cada encontro será proposta uma atividade que estimulará o despertar de insights sobre sentimentos e sensações relacionados ao tema a ser proposto.

 

1a fase

– Apresentação da professora e de como será desenvolvido o trabalho na Sala de Leitura.

Conversa sobre expectativas e sugestões sobre temas a serem trabalhados.

– Leitura: “A velhinha que dava nome às coisas” (Cynthia Rylant).

Discussão e brincadeira sobre nomes.

– Leitura: “Receita de se olhar no espelho” (Roseana Murray).

Reflexão: “quem sou eu?”. Pesquisa sobre a origem do nome (significado, quem escolheu…).

– Compartilhamento de experiências e descobertas a partir da pesquisa sobre o próprio nome.

Representação (desenho, escrita) do “Quem sou eu”.

– Leitura e escuta das músicas “Gente tem sobrenome” (Toquinho) e “Família” (Titãs).

Conversa sobre o significado dessas músicas para cada um, o convívio familiar, o papel que cada um representa em sua família.

– Leituras: “Adivinha o quanto eu te amo” (Sam McBratney) e “O homem que amava caixas”(Stephen M. King).

Discussão sobre as formas de representação dos sentimentos.

– Leitura: “Se as coisas fossem mães” (Sylvia Orthof).

Conversa sobre as formações e relações familiares.

– Dinâmica: apresentação do amigo sentado ao lado (em roda), dizendo uma característica positiva e uma negativa.

Roda de conversa: discussão sobre sentimentos.

– Leitura: “Talvez não tenha feito por mal” (Gabriel Chalita).

Discussão sobre respeito de/para com o outro.

 

2a fase

– Retomada do contexto percorrido no bimestre anterior – “O que me deixa feliz/Reflexão sobre as férias”.

Leitura: “Duas dúzias de coisinhas à toa que deixam a gente feliz” (Otávio Roth).

-: Agosto indígena – O que é ser índio?

Leitura: “Meu vô Apolinário – Um mergulho no rio da (minha) memória; Cap. 1: A raiva de ser índio” (Daniel Munduruku).

– Agosto indígena – Discussão sobre preconceito.

Leitura: “Brasil” (Eliana Potiguara).

Vídeo: “Índio não pode ter celular?” (Youtube).

– Filme: “Xingu”.

Atividade sobre o filme “Xingu”.

– Reflexão sobre a indiferença em relação ao outro.

Leitura: “Os Invisíveis” (Tino Freitas).

 

3a fase

– Apresentação de livros variados com diversos de contos e histórias africanas.

– Leitura: “Obax” (André Neves).

– Discussão “Novembro Negro”; definição de termos; depoimentos de alunos.

– Vídeo: “O perigo de uma única história”, de Chimamanda Adichie (Youtube).

Discussão sobre o vídeo.

– Leitura: “Joãozinho e Maria” (Cristina Agostinho e Ronaldo S. Coelho).

– Leitura: “Cinderela e Chico Rei” (Cristina Agostinho e Ronaldo S. Coelho).

– Avaliação das aulas; sugestões para o próximo ano.

 

 

Avaliação:

 

Os resultados serão observados durante o decorrer do ano letivo, pelos professores de sala de aula, coordenadores pedagógicos, assim como pela professora que desenvolve a sequência didática (sala de leitura), com a mudança de comportamentos e atitudes dos alunos participantes das aulas.