Tarefa 6 – Curso EDH – Maria Vanete Cardoso do Amaral de Azevedo

Data

24 de julho de 2020

Cursista

Maria Vanete Cardoso do Amaral de Azevedo

Função

Professor de Educação infantil e Ensino Fundamental I

DRE / Unidade Educacional

Itaquera

Escola

CEMEI Parque do Carmo

Maria Vanete Cardoso do Amaral de Azevedo – [email protected]

TEMA

Povos de lá, povos de cá: Um conjunto de vivências étnico-raciais

JUSTIFICATIVA

Percebe-se nas crianças muito pequenas uma identidade racial em construção, por meio de gestos, verbalizações e narrativas que envolvem elementos de caráter étnico-racial, assim como a expressão de atitudes que de certa forma representam um esboço de preconceito e discriminação, decorrente de suas experiências numa cultura que assume um racismo velado.

A educação e a cultura do respeito para as relações étnico-raciais devem ser partes integrantes desde a infância, tarefa a ser aprendida tanto no núcleo familiar, quanto na escola e na sociedade.

 

Entendemos também que a criança tem que ver a escola como um lugar seguro, em que possa partilhar o desconforto, com a certeza de que providências serão tomadas. Ela deve se ver como protagonista, com direito de conhecer sua história e de seus antepassados.

 

E como temos na nossa comunidade escolar várias crianças originárias de países africanos ou descendentes, a inserção da temática étnico-racial na educação infantil visa garantir uma educação que supere o racismo e as desigualdades geradas por ele. É preciso conhecer para respeitar!

 

PÚBLICO ALVO

Alunos da EMEI, de 04 anos a 5 anos e 11 meses

 

FINALIDADE

Garantir que a escola represente um espaço de segurança, onde hábitos de preconceito e discriminação racial sejam reprimidos, com um projeto educacional visando a formação de sujeitos não racistas e antirracistas.

 

OBJETIVOS

– Intensificar a construção da identidade racial das crianças.

–  Abordar a grande importância e a valorização da cultura negra e africana, que originou a diversidade cultural que temos no Brasil.

– Estimular os alunos desde a infância a praticar o respeito ao próximo.

– Reconhecer valores como: igualdade, ética, cidadania, solidariedade e respeito.

– Criar espaços para oportunizar manifestações artísticas.

– Explorar possibilidades de expressão criativa em busca de conhecimentos.

– Desenvolver atividades variadas e permeadas pela imaginação e expressão criativa do brincar infantil.

– Envolver a família no enfrentamento de situações de racismo.

– Valorizar a beleza negra no processo de empoderamento infantil.

– Organizar o espaço físico com um ambiente importante do reconhecimento, comunicação e interação entre os sujeitos que o ocupam.

 

DURAÇÃO

30 dias, mas durante o ano letivo o tema poderá ser revisitado, tratado de forma interdisciplinar, com eixos temáticos.

 

METODOLOGIA

– Inicialmente, faremos uma apresentação do tema para as crianças e para a família, para que possam acompanhar o desenvolvimento e a proposta da ação.

– Por meio de roda de conversa, faremos o levantamento prévio do que as crianças sabem sobre o tema.

– As atividades serão realizadas em sala de aula e em outros ambientes necessários para o desenvolvimento das atividades:

– Promoveremos o “Dia da Família na Escola”, com oficinas, rodas de capoeira, contação de histórias, confecção de bonecas africanas e de outros artesanatos, onde as famílias poderão contribuir com seus conhecimentos e habilidades.

 

ATIVIDADES

Música Olelê

Por meio das músicas as crianças vão imitando sons e movimentos, criando com o corpo formas diversificadas de expressão de sentimentos, sensações e emoções, tanto nas situações do cotidiano quanto em brincadeiras, dança, teatro, música; brincando com o corpo ao reproduzir diversas sonoridades e ritmos.

Recursos: Celular, Tablet, computador ou Caixa de som.

Construção do brinquedo: Boneca Abayomi

As Abayomi são pequenas bonecas, feitas de pano e sem costura alguma, apenas com nós ou tranças. Os nós representam: nó da cabeça consciência, os nós das mãos, as lutas e o nó do meio representam o coração e os nós dos pés representam a caminhada. Esta atividade possibilita o conhecimento sobre cultura afro-brasileira e história de luta e resistência das mulheres negras aos processos de desumanização da mulher e das crianças negras, assim como proporcionar reflexões sobre a construção de identidades, considerando a representação simbólica e política das bonecas negras.

Materiais: Pedaços de tecidos e barbantes.

 

Hora da arte: Confecção de turbante

Usando um lenço ou tecido, vamos fazer um lindo turbante. Estaremos criando produções bidimensionais e tridimensionais produzindo espontaneamente trabalhos com a linguagem da arte, desenvolvendo o gosto, o cuidado e o respeito pelo processo de produção e criação. Depois faremos um desfile com danças e músicas que valorizam os cabelos.

Materiais: Lenços ou tecidos.

Hora da história:

– Olelê uma antiga cantiga da África, da autoria de Fábio Simões

– O cabelo de Lelê, autoria de Valéria Belém

– Tudo bem ser diferente, autoria de Todd Parr

– Diversidade, autoria de Tatiana Belinky

– Princesa Arabela, mimada que só ela, autoria de Milo Freeman

– As tranças de Bintou, autoria de  Sylviane Anna Diouf

– Obax, autoria de André Neves

Ouvir e observar as figuras da história contada pela professora. Esta atividade irá provocar o gosto pela leitura, ampliar o vocabulário e seus conhecimentos sobre a história e as cores. Por meio da leitura, a criança irá se familiarizar com histórias e ampliar seu repertório, além de estimular a imaginação e fantasia.

Material: livros diversos

 

Produção do desenho do autorretrato

Para que as crianças se desenhem como se veem e sentem. Trazer a problemática sobre o “lápis cor de pele”. Quando a criança pintar ou desenhar, problematizar: Qual a cor da pele? Pode ser preta, marrom, branca, amarela; são muitos os tons de pele. Depois faremos cartazes com o autorretrato, em que está escrito: “Viva a nossa diversidade”.

Exibição de vídeo

– Instrumentos musicais africanos – Quintal da Cultura

– Preconceito não é legal! – Quintal da Cultura

 

Construção de instrumentos musicais africanos

 

Vamos propor que as famílias construam instrumentos musicais com material reciclável, juntamente com as crianças, para exposição no “Dia da Família”.

 

 

 

AVALIAÇÃO

Através da elaboração e acompanhamento do trabalho, subsidiando o aluno com materiais específicos, diagnosticando os resultados desenvolvidos, refletindo sobre as intervenções didáticas e outras possibilidades de como atuar no processo.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CURRÍCULO DA CIDADE – EDUCAÇÃO INFANTIL, PMSP, São Paulo/2019

https://www.youtube.com/watch?v=OYgnV8PegbE, Acesso em 10/07/2020

http://ideiasgraciosas.blogspot.com/2012/11/bonecas-abayomi.html?m=1, Acesso em 10/07/2020

https://todecacho.com.br/, Acesso em 10/07/2020

https://www.youtube.com/watch?v=RbydoLmDMv8, Acesso em 15/07/2020

https://www.youtube.com/watch?v=7zuCDG6fA2s, Acesso em 18/07/2020

https://br.pinterest.com/pin/531987774724024876/, Acesso em 18/7/2020