Tarefa 6 – Curso EDH – Marcia Maria Garcia Jordão

Data

7 de agosto de 2020

Cursista

Marcia Maria Garcia Jordão

Função

Prof Ensino Fundamental I e II

DRE / Unidade Educacional

Ipiranga

Escola

EMEF Mal Eurico Gaspar Dutra

Márcia Maria Garcia Jordão

RF 770.302.3 / CPF 304.897.288-98

 

Tema proposto

Relações étnico-raciais: Brincadeiras e Jogos de matriz africana e afro-brasileiros

 

Justificativa

Diante de uma sociedade que opera racialmente é imprescindível abordar as relações étnico-raciais no contexto escolar, abordando o racismo na perspectiva estrutural do mesmo.

Além, da Lei nº 11.645/08, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.

Assim, as relações étnico-raciais devem perpassar todos os tempos e espaços da escola, de forma transversal. Porém aqui abordada, de forma mais pontual e com foco nos objetos de conhecimentos, brincadeiras e jogos de matriz africana.

 

A quem o trabalho se destina

Alunas e alunos do 2ºano do Ensino Fundamental

 

Finalidade

Combater o racismo através da construção de referências positivas para a diversidade, em especial para as relações étnico-raciais, buscando a descolonização das práticas da cultura corporal, especificamente dos jogos e brincadeiras.

 

Objetivos/Resultados Esperados

Favorecer a identificação e representatividade por parte das crianças negras através dos saberes, conhecimentos e práticas de matriz africana apresentadas e vivenciadas.

Estimular a valorização dos saberes, conhecimentos e práticas da cultura corporal, mais especificamente dos jogos e brincadeiras de matriz africana, pelas alunas e alunos, reverberando para a comunidade escolar, validando assim tais práticas.

Colaborar para uma educação antirracista e não discriminatória no cotidiano escolar através de uma abordagem de problematização das relações étnico-raciais.

 

Duração total prevista

10 aulas

 

Atividades que comporão a sequência

Atividade 1 – Roda de conversa e registros iniciais

Objetivos

  • Mapear as brincadeiras e jogos africanos e afro-brasileiros já conhecidos pelas alunas e alunos.

 

  • Problematizar as relações étnico-raciais acerca das práticas da cultura corporal, com foco nas brincadeiras e jogos.

 

Procedimentos metodológicos

  • Roda de conversa para mapeamento das brincadeiras e jogos de matriz africana conhecidos e/ou vivenciados pelas crianças. Problematização sobre a presença/ausência das brincadeiras e jogos africanos e afro-brasileiros no contexto familiar, escolar, comunitário.

 

  • Registro coletivo realizado pelos alunos (oralmente) e pela professora (escriba) das brincadeiras e jogos de matriz africana conhecidos e/ou vivenciados anteriormente.

 

Duração: 1 aula

 

 

Atividade 2 – Brincadeiras Cantadas / Brincadeiras de Correr e Lançar

Objetivos

  • Vivenciar brincadeiras cantadas e brincadeiras de correr e lançar de matriz africana.

 

  • Fomentar o acesso, a percepção e a reflexão sobre as culturas africanas, os conhecimentos, saberes, línguas presentes nas brincadeiras vivenciadas.

 

  • Incentivar a percepção das relações das brincadeiras vivenciadas com práticas já conhecidas anteriormente, bem como suas influências e importância na formação da cultura brasileira.

 

Procedimentos metodológicos

  • Apresentação de vídeos das canções africanas presentes nas brincadeiras cantadas.

 

  • Roda de conversa para contextualização sobre origem/língua de cada brincadeira proposta.

 

  • Vivência em roda das brincadeiras cantadas:

Si Mama Kaa (Tanzânia)

Obwisana (Gana)

L’abe igi orombo (Nigéria)

 

  • Vivência em duplas da brincadeira cantada:

Amawole (Congo)

 

  • Vivência coletiva das brincadeiras/jogos de correr e lançar:

Kudoda (Zimbábue)

Gutera Uriziga (Ruanda)

Mbube Mbube (Gana)

Mamba (África do Sul)

Iitoti (Moçambique)

 

  • Roda de conversa sobre possíveis relações com brincadeiras de matriz africana e brincadeiras já conhecidas pelas alunas e alunos, bem como reflexões sobre as percepções das crianças sobre a vivência.

 

  • Registro através de fotos e vídeos.

 

  • Registro através de desenho de uma das brincadeiras vivenciadas, podendo cada aluna/aluno escolher livremente a brincadeira a ser representada.

 

 

  • Registro através de apontamentos das brincadeiras e jogos nos seus respectivos locais de origem, em mapa político do Continente Africano.

Duração: 8 aulas

 

 

Atividade 3 – Mostra cultural aberta a comunidade escolar

Objetivos

Reverberar para toda comunidade escolar a validação e valorização das culturas, saberes, conhecimentos, práticas acerca das brincadeiras e jogos de matriz africana

Fortalecer vínculo entre escola e famílias, buscando base para construção de relações mais colaborativas, numa perspectiva da cultura de paz.

Favorecer através dessa participação das famílias, aprendizagens mais significativas e equânimes.

 

Procedimentos metodológicos

Exposição de mapa do continente africano com apontamentos feitos das brincadeiras e seus respectivos locais de origem

Exposição de fotos e apresentação de vídeo das crianças vivenciando as diferentes brincadeiras e jogos de matriz africana

Exposição dos desenhos realizados pelos alunos e alunas das brincadeiras de matriz africana vivenciadas.

Vivência coletiva, com comunidade escolar presente, das brincadeiras cantadas, Si Mama Kaa e Amawole.

 

Duração

1 encontro

 

Avaliação

Ocorrerá por meio da observação do nível de participação e envolvimento nas atividades propostas e através dos registros realizados durante toda a sequência de atividades, já especificados acima.