Tarefa 6 – Curso EDH – KEILA SGOBI DE BARROS

Data

5 de agosto de 2020

Cursista

KEILA SGOBI DE BARROS

Função

PROF EF II EM

DRE / Unidade Educacional

Freguesia do Ó / Brasilândia

Escola

EMEF DR ELIAS DE SIQUEIRA CAVALCANTI

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS – DESAFIOS DO CONTEXTO ATUAL

 

PROJETO DE TRABALHO – REFLEXÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Autora da proposta: Professora Keila Sgobi de Barros

 

TEMA PROPOSTO: Identificando e reconhecendo marcadores sociais na luta por igualdade 

 

JUSTIFICATIVA

O ambiente escolar vai além dos muros e paredes do prédio da escola. Nele, está presente a realidade socioeconômica, cultural, emocional, com todas as suas reproduções, sejam elas referentes a processos de cuidado, seja de discriminação, humilhação e exclusão. Desigualdades são naturalizadas na escola, seja pelo discurso de senso comum, seja pelo discurso médico ou jurídico.

Nossa unidade escolar viveu durante décadas sob uma gestão que tinha a proposta de ser democrática, mas agia de forma centralizada sem a abertura real para a discussão de propostas voltadas à transformação social na contribuição do desenvolvimento integral de sujeitos críticos, autônomos e potentes para a transformação de suas vidas e sociedades.

Sob uma nova gestão, cuja presença alterou o clima escolar, temas que identificamos no cotidiano têm a possibilidade de ser olhados e cuidados: racismo estrutural, discriminação de gênero, LGBTfobia, intolerância religiosa e manutenção de um olhar de pesar e descrença sobre as crianças e adolescentes com deficiência presentes em praticamente todos os anos escolares.

Com necessidade de elaboração de um novo Projeto Político Pedagógico e uma equipe gestora que tem apresentado movimentos de aproximação real da Comunidade Escolar [professores, ATEs, famílias, equipes terceirizadas, coletivos das regiões onde os(as) estudantes vivem], este momento de apresenta como ideal para a sua elaboração a partir de uma premissa realmente democrática com o objetivo de promover a educação integral e o desenvolvimento de uma comunidade cooperativa, solidária, autônoma e atuante em prol da garantia do respeito à diversidade e do direito de todos e todas.

 

PÚBLICO: equipe gestora, professores(as), demais funcionários da escola, famílias, estudantes do Grêmio Estudantil.

 

FINALIDADE: compreender o que são marcadores sociais da diferença; experimentar de que forma os marcadores sociais estão presentes em nossas vidas; identificar como as diferenças são utilizadas para justificar a violação de direitos, construir desigualdades; desenvolver estratégias para a garantia de direitos de todos e todas.

 

OBJETIVOS/RESULTADOS ESPERADOS: que a Comunidade Escolar identifique os grupos que sofrem com diferentes formas de violação de direitos, se aproprie da necessidade de fortalece-los e desenvolva estratégias para a transformação da realidade escolar por meio da elaboração, execução, acompanhamento e avaliação do Projeto Político Pedagógico.

 

DURAÇÃO: 2 meses (um encontro por semana)

 

ATIVIDADES:

Atividade 1. Desconstruindo conceitos – Experiência de descrição de ideias e objetos a partir dos próprios conceitos e sua desconstrução voltada à compreensão das coisas a partir do que são;

Atividade 2. Re-conhecimento – Por meio de uma espécie de “amigo secreto”, cada pessoa receberá um nome e terá de descrever esta pessoa considerando suas características físicas. As pessoas terão de identificar suas “fichas”, quem são, a partir do olhar do outro. Problematizar o que surgiu;

Atividade 3. Minha história de vida I – História de Soraya André, Judoca brasileira que viveu discriminações de gênero e raça durante sua carreira (https://dibradoras.blogosfera.uol.com.br/2020/04/10/a-historia-do-quimono-preto-o-luto-de-uma-judoca-impedida-de-lutar/). Problematizar a questão dos marcadores sociais e interseccionalidade em reflexão coletiva, com exemplos conhecidos ou vivenciados;

Atividade 4. Minha História de Vida II – Discriminação pelo marcador social gênero – Apresentação do documentário “O Silêncio dos Homens” (https://www.youtube.com/watch?v=NRom49UVXCE) com discussão mediada;

Atividade 5. Identificando marcadores sociais – Reflexão coletiva sobrea história de vida e situações em que cada um se sentiu privado de algo por alguma caraterística física, orientação sexual, religião ou se relacionar com pessoas de determinada característica. Problematizar estas relações na escola.

Atividade 6. Transformando nossa realidade – Identificação da violação de direitos e violência na escola praticados a partir de marcadores sociais da diferença, propor estratégias de intervenção para transformação desta realidade. Apresentar exemplos de situações vividas em outras unidades escolares ou situações similares [Museu da Empatia (https://app.uff.br/riuff/bitstream/1/9868/1/Monografia%20Mariana%20Sant%27Anna.pdf); EMEI Nelson Mandela (https://lunetas.com.br/emei-nelson-mandela-educacao-publica/)

 

 

AVALIAÇÃO:

  1. Questionário de Anamnese para investigar se conhecem marcadores sociais da diferença, se identificam estes marcadores em si ou familiares e como afetaram sua vida.
  2. Questionário de Avaliação para verificar mudança no conhecimento e formas de compreensão das formas como os marcadores sociais afetaram sua vida.
  3. Análise dos marcadores sociais elencados e das propostas de trabalho construídas no Projeto Político Pedagógico.