Tarefa 6 – Curso EDH – Karina Solidade igual

Data

29 de julho de 2020

Cursista

Karina Solidade igual

Função

Professor de educação infantil

DRE / Unidade Educacional

Ipiranga

Escola

Eduardo de Campos rosmaninho

Tema proposto: Trabalhando a diversidade étnicos raciais na educação infantil. 

 

Justificativa: este tema é de interesse social como um todo, que aflige os cidadãos de todas as idades, seja qual for sua etnia. Conviver com a diversidade nos dias de hoje,não está fácil. As pessoas não tem empatia com as outras e violência (física, verbal e psicológica) está cada vez mais evidente, algumas públicas e outras velada. Este tema deve ser tratados em todas as escolas de todas as faixas etárias diferentes, quanto mais abrangente melhor, mas na educação infantil é primordial, pois quanto mais nova a criança/ bebê, melhor sua apropriação. 

 

A quem o trabalho se destina: crianças de 2 anos (Mini Grupo 1)

 

Finalidade: desejo promover a consciência de que todos somos iguais, independente de cor, raça, religião, biótipo, etc. 

 

Objetivos/Resultados esperados: trabalhar com esse tema na educação infantil é um trabalho que se constrói devagar, de forma lúdica (com histórias, músicas e roda de conversa), mas que forma um alicerce forte na vida dessa criança, que cresce entendendo que as diferenças são normais na nossa sociedade que é composta por etnias tão diferentes. Assim, as crianças se apropriam de valores ensinados na unidade escolar e levam para casa, dividindo com os familiares sua vivência.

 

Duração: este tema deve ser discutido na escola de forma ininterrupta, mas esse projeto prevê atividades para 1 bimestre. 

 

Atividades que comporão a sequência

  1. Roda de conversa: levantamentos prévios, identificar as diferenças entre os alunos e as professoras, explanação sobre a importância de sermos diferentes.
  2. Leitura da história “Menina Bonita do Laço de Fita” de Ana Maria Machado, leitura integra com o apoio do livro, para as crianças ampliarem o repertório com falas literais. 
  3. Contação e explicação sobre as bonecas Abayomis, como eram feitas, porque eram feitas, sua importância etc, de forma lúdica e com bonecas já prontas para visualização melhor das crianças. Baseado no site <http://www.afreaka.com.br/notas/bonecas-abayomi-simbolo-de-resistencia-tradicao-e-poder-feminino/> acesso em 29/07/2020. 
  4. Construção da boneca abayomi com as famílias: as famílias serão convidadas (com uma semana de antecedência) a entrar 45 minutos mais cedo na hora da saída para realizar uma oficina das bonecas com as crianças. As professoras farão uma rápida explicação sobre a história que contaram para as crianças e disponibilizarão materiais para os pais confeccionarem as bonecas com as crianças. Materiais: retalhos de tecidos preto e colorido de tamanhos diferentes e barbante. Os alunos que faltaram poderão levar retalhos para casa e elaborar com os pais.
  5. Roda de conversa sobre a oficina com os pais, as crianças falarão o que acharam e mostrarão suas bonecas e desenho animado sobre a boneca abayomi <https://www.youtube.com/watch?v=840YHprHHl8> acesso em 29/07/2020. 
  6. Músicas que ilustram de forma lúdica a diversidade:  “Só eu sou eu” – Marcelo Jeneci e Arthur Nestrovski, “A maior palavra do mundo” – Tom Zé, “Ser diferente é normal” – Vinicius Castro (Grupo CRIA), “Cada um é o que é” – Hélio Ziskind, “Ciranda da bailarina” – Chico Buarque, “Olha que eu viro bicho” – Parampampam, “Cocoricó no Velho Oeste” – Hélio Ziskind, “Gente tem sobrenome” – Toquinho, “Toda criança do mundo – Ruth Rocha e Hélio Ziskind, “Errar é humano” – Toquinho, Beautiful Creatures – Barbatuques, “Coloridos” – Palavra Cantada, “Todos juntos” – Os Saltimbancos, “Normal é ser diferente” – Grandes Pequeninos/Jair Oliveira, “Tem gente: Mundo” – Paulo Brandão / Luiz Eduardo Ricon, “Como é bom ser diferente” – Marcelo Serralva, “A diferença é o que nos une” – Mundo Bita. 
  7. História “A Cor de Caroline” – Alexandre Rampazo. 
  8. Fechamento com roda de conversa para demonstrar o quanto aprendemos nessas atividades, que ser diferente é legal e que devemos sempre respeitar a diferença das demais pessoas. 

 

Avaliação: assim como a duração, a avaliação deve deve ser feita por etapas. Esta avaliação será feita por meio de observação e conversa com as crianças. 

A Cor de Caroline