Tarefa 6 – Curso EDH – Juliana da Silva Macedo

Data

29 de julho de 2020

Cursista

Juliana da Silva Macedo

Função

Professor de Educação Infantil

DRE / Unidade Educacional

Capela do Socorro

Escola

CEI Mitiko Matsushita Nevoeiro

Juliana da Silva Macedo – [email protected]

Tema: Educação antirracista

Justificativa

Mesmo considerando as mudanças sociais ocorridas no decorrer do século XX, a situação da população negra brasileira permanece pouco alterada, sendo reproduzido em quadro de condição social insultante e degradada em função do racismo contra esse grupo humano.

O movimento atual mostra se favorável para redimensionamento de ações voltadas à superação das desigualdade entre negro e brancos na sociedade que objetivam a eliminação da discriminação racial da qual a população negra tem sido alvo.

A quem se destina o trabalho

Bebês e crianças de 0 a 3 anos, famílias, docentes e todos os segmentos da UE.

Finalidade

Desconstrução de uma estrutura racista, discussão do acesso aos bebes, crianças e demais segmentos de presenciar e de vivenciar a sua cultura de forma respeitosa romper assim com a branquitude dos territórios onde a criança se vê ausente ou não se vê como realmente é.

Objetivos

Realização de uma proposta pedagógica provocativa, no sentido de romper com o costume e a naturalização de processos que não deveriam ser normais.

É responsabilidade de todos os educadores o combate e enfrentamentos a toda e qualquer ação preconceituosa, manifestar-se contra as formas de descriminação, olhar atento e sensível ás ações dos bebês e crianças, compreensão das singularidades e potencialidades de cada criança, contribuir assim para promoção de condições de igualdade.

O racismo ou você combate ou você faz parte.

Duração

As transformações devem perduram ao longo de todo o processo educativo, não existe meio e fim, criar ações permanente de combate e enfrentamento ao racismo.

Sequencia didática

  1. Atividade/ História: livro: Meninas Negras. (Madu Costa)
  2. Atividade: Construção de um mural com fotos das crianças e suas famílias.
  3. Atividade: Cantos diversificados.
  4. Atividade: Fazendo Turbante.
  5. Atividade: Brincadeiras: Ambutan e Amarelinha Africana ou Teca – Teca.
  6. Atividade: Construção do brinquedo africano, “o tambor”.
  7. Atividade: Cuscuz simples.
  8. Atividade: Ubuntu.

Avaliação

Criar ações permanente de combate e enfrentamento ao racismo.

Respeito mútuo, representatividade e acolhimento permanentes, garantindo assim respeito e equidade a diversidade e a convivência de todos os povos.

  1. ATIVIDADE: HISTÓRIA: livro: Meninas Negras.

Objetivos: combater o preconceito relacionado as pessoas negra e indígena; resgatar a história e a cultura dos povos africanos e indígenas, buscando fazer uma contextualização entre realidade nacional local. Desenvolver a linguagem oral, a imaginação e a criatividade, apreciar dos momentos de leitura, proporcionar momentos de interação com a família; combater o preconceito racial; vivenciar a cultura africana;

Materiais: Varal de livros de história, tapetes, tatame, lençol e almofadas.

Desenvolvimento: É importante escolher um local para realizar a contação de história para as crianças, preparar um ambiente acolhedor, lúdico, que desperte a atenção, tapete, tatame ou lençol no chão da sala, parque ou em outro espaço da unidade, podemos utilizar almofadas, tecidos coloridos. Durante a roda de conversa apresentar o livro dizendo o nome do autor e explanar sobre o tema. Fazer a leitura devagar e pausadamente mostrando as figuras e garantindo a participação das crianças. Ao término da história disponibilizar o livro para os bebês e as crianças possam manusear e apreciar as figuras. Propor ás crianças que escolham um livro do varal para levar pra casa e ler a história com suas famílias e solicitar um breve relato ou registro para expor na sala, desta formas os bebês e crianças se sentem valorizados, acolhidos e pertencentes do espaço escolar.

LINK: HTTPS://WWW.YOUTUBE.COM/WATCH?V=-P1Y0-2CDLY(HISTÓRIA: MENINAS NEGRAS).

  1. Atividade: Construção de um mural com fotos das crianças e suas famílias.

Objetivo: Pensando em espaço que educa, é importante pensar que as paredes falam. O que essas paredes podem representar para os bebês e as crianças em termo de diversidade racial, de que maneira podem olhar para aquilo que está disposto naquele espaço e se identificar, se ver refletida e pertencente daquele espaço. Ter representatividade.

Materiais: Fotos das crianças e suas respectivas famílias e fotos dos professores e sua família também.

Desenvolvimento: Solicitar aos pais e responsáveis que enviem fotos das crianças e sua família, e explicar o objetivo da proposta, garantir o fortalecimento de ações afirmativas e de valorização a diversidade.

Construir o mural junto com as crianças, ouvir e compartilhar suas histórias e a apresentação das famílias, fortalecendo os vínculos, o respeito a diversidade existente no nosso país criando assim uma rede de proteção e ações de combate e enfrentamento a toda e qualquer forma de descriminação.

  1. Atividade: Cantos diversificados.

Objetivo: Educar para igualdade étnico racial, supõe equipar e enriquecer os ambientes para que se transformem fatores estimulantes e facilitadores de aprendizagens e vivências, relativas a valores de igualdade, respeito e cooperação.

Materiais: A utilização de matérias de largo alcance, tecidos, tocos de madeira, caixas e pneus por exemplo, podem ser transformados durante as brincadeiras e interações, pois são materiais polivalentes que se prestam a muitas funções.

Desenvolvimento: Planejar estratégias com intencionalidade clara das experiências que queremos propiciar para os bebês e crianças é fundamental. Os cantos de atividades diversificadas (bonecas negras, livros com histórias indígenas, príncipes e princesas africanas, canto do cabeleireiro e brinquedos de largo alcance e diversos outros) são para as crianças uma oportunidade de escolher e aprofundar preferencias, estabelecer novas interações e aprendizagem.

Para o professor os cantos trazem a possibilidade de observar as crianças em situações espontâneas e de registrar e conhecer suas preferências.

  1. Atividade: Fazendo Turbante.

Objetivo: O turbante é um símbolo cultural, esbanja a beleza da mulher africana. O significado deste adorno tão especial para a cultura africana diz muito sobre o processo de formação da nossa própria cultura. Usar o turbante especialmente para as culturas africanas, afro-americanas e afro-brasileiras é também um símbolo de resistência ao aculturamento, de afirmação de sua identidade cultural e de luta contra a discriminação e o preconceito racial. A questão é cultural e um ato político, que vai muito além da moda e do estilo. Ressignificar a identidade negra aceitando e compreendendo sua cultura, arte, moral e história, entender que a identidade se constitui a partir de um todo, da formação social e coletiva.

Romper com o padrão eurocêntrico, conhecendo o empoderamento das mulheres negras.

Material: turbante (pode ser feito com algum outro tecido que tenha em casa).

Desenvolvimento: A roda de conversa é um momento muito importante da nossa rotina, escutar com atenção, respeito, carinho as inquietações das crianças, elas tem voz e vez, encoraja-las, abolir atitudes desrespeitosas, aprender a respeitar, compreender e articular distintos pontos de vista, experiências de vida construção de espiritualidades, de pertencimentos étnicos-raciais.

Apresentar o vídeo de como fazer o turbante e reproduzir nas crianças que se mostrarem interessadas, também disponibilizar uma cesta de tecidos coloridos e deixar que explorem das mais diversas maneiras.

https://www.youtube.com/watch?v=AAEAkNAD9u0

  1. Atividade: Brincadeiras: Ambutan e Amarelinha Africana ou Teca – Teca.

Objetivos: As brincadeiras proporcionam momentos de prazer e aprendizagem, fazem parte do cotidiano infantil, isto é, por meio dessas atividades as crianças se divertem se socializam e aprendem.

O lúdico deve estar sempre presente nessas atividades colaborando com a formação da criança e sua identidade, permitir que as crianças conheçam brincadeiras antigas e de cultura africana e afro-brasileira percebendo que o legado desse povo foi de extrema relevância para construção do nosso país, não apenas contribuindo com sua força de trabalho, mas principalmente por sua herança cultural. Desenvolver a coordenação motora e a cooperação entre os participante, a concentração e o raciocínio lógico.

Materiais Para a brincadeira Ambutan: Um galho de árvore, um pouco de areia ou terra.

Para a brincadeira Amarelinha Africana: Fita crepe ou giz.

Desenvolvimento: Para brincar de Ambutan deve fazer um montinho de terra ou areia e colocar um galho no meio e alternadamente os jogadores vão retirando um pouco de terra não deixando o galho cair.

Segue link abaixo mostrando detalhes da brincadeira.

https://youtu.be/IPtlFaL3mCY

Para brincar de Amarelinha Africana vamos desenhar com giz o traçado do jogo no chão ou passar fita crepe de modo que forme um quadrado grande com 16 quadrados menores dentro.

As crianças iniciam em fila e a primeira criança entra no quadrado para pular, assim que ela completar a primeira sequência ida e volta, a próxima criança entra e faz o mesmo que a da frente fez, conforme vídeo explicativo.

Segue o link abaixo:

https://youtu.be/m9CkAQUTJKQ

Antes da brincadeira é necessário que o professor explique à criança como é a brincadeira e demonstre como se deve fazer e aos poucos ela vai aprendendo através da observação. Já os bebês devem pular a Amarelinha Africana no colo do professor, assim ela vai se divertir bastante e já vai se familiarizando com a brincadeira Ambutan.

  1. Atividade: Construção do brinquedo africano, “o tambor”.

Objetivo: um brinquedo africano chamado tambor a qual tem como base de pesquisa “O Currículo da Cidade”, que orienta as abordagens das multiculturas que compõem nosso país, na Educação Infantil, os brinquedos africanos já se tornaram parte da cultura brasileira, portanto a importância de se utilizar os brinquedos e jogos vai muito além do desenvolvimento de habilidades e conhecimentos dos alunos da Educação Infantil, ao utilizá-los estamos desenvolvendo um conhecimento cultural, fazendo a criança conhecer e apropriar-se de diferentes culturas. Proporcionar o momento do brincar e conhecer o brinquedo africano, desenvolver a coordenação motora, criatividade, atenção e agilidade.

Materiais: Lata de leite vazia, tecido, elástico, tesoura, um pedaço de pau, papel sulfite, cola branca, canetinha, etc.

Desenvolvimento: Para fazer o tambor precisaremos utilizar uma lata de leite vazia, folha sulfite, desenharemos o que desejar na folha sulfite e depois colar na lata. Em seguida pegaremos um pedaço de tecido de 15 centímetros quadrado, colaremos o tecido por um elástico ou por um barbante amarrado para segurar o tecido na lata, para depois brincarmos juntos. Para fazer a baqueta utilizaremos pedaço de pau, ou as próprias mãos para bater no tambor ou até mesmo usar uma caneta ou lápis. Com este brinquedo africano podemos conhecer um pouco da história africana e brincar com o tambor tocando-o conforme a música, por meio da brincadeira as crianças conhecerão culturas diferentes e se sentirão importantes ao construir um brinquedo com as próprias mãos, eles gostam muito de construir e fazer sempre algo interessante que chame sua própria atenção.

  1. Atividade: Culinária Africana: Cuscuz .

Objetivos: Promover a cultura da paz, do respeito e empatia, sobre as diferentes culturas humanas e representatividade negra para dentro do contexto familiar. Potencializar o envolvimento com a cultura alimentar africana e suas contribuições nas receitas culinárias mais saborosas e significativas do Brasil.

Ingredientes:

½ pacote de floco de milho.

½ copo (americano) de água.

Sal ou açúcar a gosto.

 

Modo de preparo:

Coloque o floco de milho e o sal em um recipiente. Acrescente água ao poucos e mexa bem.

Após a mistura, coloque tudo em uma cuscuzeira e leve ao fogo.

Quando a água da cuscuzeira começar a ferver coloque em fogo baixo e deixe no vapor por 5 a 10 minutos.

Desenvolvimento: Iremos higienizar bem as mãos, distribuir toquinhas para as crianças. Cada criança terá sua cumbuca com floco de milho, a princípio serão convidadas a manipular e sentir a textura do floco de milho, com auxílio da professora colocar um pouquinho de água e sal e continuar a mexer com as mãos. Após colocar o conteúdo de todas as cumbucas numa cuscuzeira e esperar de uns 10 minutos o preparo. Enquanto esperamos conversaremos o que acharam da receita, se já ajudaram a fazer essa receita em casa. E claro degustaremos o cuscuz e faremos os registros diários potencializando assim as aprendizagens.

  1. Atividade: Ubuntu

Objetivo: As crianças aprendem brincando, nada melhor do que brincar e aprender a conviver,  compartilhar, cooperar e praticar a empatia, a reciprocidade, o respeito e por consequência a felicidade.

Ubuntu é um palavra existentes nas línguas zulu e xhosa faladas na África do Sul, que significa “Eu sou porque nós somos” ou, “Eu só existo porque nós existimos”.

Fonte: https://ensinarhistoriajoelza.com.br/ubuntu-o-que-a-africa-tem-a-nos-ensinar/ -Blog: Ensinar História- Joelza Ester Domingues.

Desenvolvimento: Inicialmente colocarei sobre a mesa uma grande cesta com frutas que tem na escola. Faremos uma roda para explicação da atividade, as crianças serão orientadas que trata-se de uma competição, quem chegar primeiro fica com todas as frutas. Após os comandos e observação do que acontecerá. Nesse momento é importante a intervenção do professor sobre quão valioso é compartilhar momentos felizes e prazerosos. Ao término da atividade passar o vídeo da tv cultura que exemplifica a proposta.

https://www.youtube.com/watch?v=93sc-sqK40o

Ubuntu’.  Como um de nós poderia ficar feliz se o resto estivesse triste?

HTTPS://WWW.YOUTUBE.COM/WATCH?V=-P1Y0-2CDLY