Tarefa 6 – Curso EDH – Ivone Marques Umbelino Teixeira

Data

6 de agosto de 2020

Cursista

Ivone Marques Umbelino Teixeira

Função

Professor de educação infantil

DRE / Unidade Educacional

Penha

Escola

CEI Jardim Popular

O tema: Diversidade racial

Justificativa: Partindo do princípio da equidade de que todos os estudantes são sujeitos íntegros, potentes, autônomos e, portanto, capazes de aprender e desenvolver-se, contanto que os processos educativos a eles destinados considerem suas características e seu contexto e tenham significado para suas vidas e a Educação em Direitos Humanos, considerando a importância de uma abordagem geral da discriminação de todo e qualquer tipo, do respeito ao outro e a si próprio, do convívio pacífico e, principalmente, da valorização da diversidade. Sabendo como é positivo o despertar na criança a consciência de que a diferença racial e da necessidade de se valorizar as raças no contexto histórico, social e saber que dos somos iguais. Faz-se necessário que se apresente o mundo africano recriado no Brasil tão belo e cheio de sabedoria, as várias dimensões do ser humanos, a racional, a ética, a estética, a corpórea, a espiritual, a ecológica, a política. Compartilhar o conhecimento e a beleza da cultura africana e compreender esse universo na escola e nas práticas pedagógicas como um processo e um instrumento de valorização e constituição da identidade de nossas crianças.

A quem o trabalho se destina: ensino infantil, alunos de 3 a 5 anos.

Finalidade – É na educação infantil que são formados os primeiros valores humanos. Abordar trabalhar a discussão da diversidade e combater ao racismo, buscando entender melhor como as crianças se relacionam com as diferenças, abordar o tema no cotidiano escolar até que se torne parte da realidade identidade escolar. Para que as crianças se tornem adultos que compreendam e combatam os preconceitos. Fortalecer as práticas e se libertar a cada dia da visão etnocêntrica e branqueadora. Buscar por meio das linguagens literárias, gráficas e musicais apresentar informações e conhecimentos sobre a cultura africana, despertar a afetividade das crianças que se envolveram com a beleza e a riqueza de detalhes sobre uma outra forma de interpretar e explicar o mundo. Apresentar elementos culturais e imagens capazes de estimular a imaginação das crianças, permitindo-lhes descobrir a beleza e o encantamento de outras culturas. Formação de seres humanos mais justos, solidários e conscientes da importância de se respeitar as diversidades humanas.

Objetivos: Desconstrução da imagem negativa do negro por meio da literatura. Promover o respeito e combater qualquer tipo de discriminação, valorizar as diferenças raciais e cultivar a igualdade entre as crianças. Analisar as práticas escolares em relação às questões étnico-raciais de uma instituição de Educação Infantil. Evidenciar e transformar comportamentos racistas que visam diminuir a humanidade do outro, pensamento ou atitude que separam as raças humanas por considerarem algumas superiores a outras o que algumas vezes acaba resultando em ódio, principalmente em relação às pessoas de raça negras. Estas práticas podem continuadas ao longo dos meses e quem sabe, conseguir adesão contínua seria o objetivo máximo. Iniciando por adesão de outras salas e se espalhando por toda a da escola. Afinal como sabemos, mudar a cultura e comportamentos requer trabalho contínuo por muito tempo.

Duração: 3 meses iniciais e conforme aceitação, trabalho permanente anual.

As atividades que comporão a sequência:

-Escolher obras que retratem princesas africanas e mitos que explicam o mundo por povos africanos e apresentar aos alunos das turmas de Educação Infantil em sala retratando aspectos da história africana como formadores da consciência negra.

-Roda de conversa com os alunos intercalando as atividades e propostas. Sobre o tema, sobre as personagens e suas características, as questões éticas, como vivem geograficamente, costumes para que os alunos conheçam os valores de sua cultura e de outras culturas como semelhantes e como riqueza e a necessidade de respeito. Representações positivas do negro, do descendente de africanos. Elevação da auto-estima e resgate de vocabulário contidos nos mitos.

-Uso do recurso confecção de painéis com os alunos com os diferentes tipos de raças: branco, negro e indígena. Utilizar espelho na sala de aula, para que as crianças possam ver sua imagem e reconhecer sua raça e simular com tecidos acessórios diversos as vestimentas das princesas dos contos.

-Buscar mais recursos que representem as etnias que surgirão nas rodas de conversas, negros, indígenas, amarelos. construção de um painel ilustrativo sobre o tema, exposto na escola

-Confecção de instrumentos musicais, adereços e turbantes. a cultura e linguagem musical cantos típicos de povos retratados nos livros, orixás, religiões e divindades que explicam o mundo de forma diversa. A importância da liberdade religiosa e respeito à fé de cada um sem menosprezar ou julgar outras crenças.

-Registro por meio de desenhos individuais e produções coletivas. produções resultantes, desenhos, painéis para serem expostas para toda a comunidade escolar não apenas na durante a semana de Consciência Negra.

-Visita as outras salas para roda de conversa onde os próprios alunos relatam sobre as concepções de mundo e ensinamento dos mitos dos povos africanos. Sobre o significado das narrativas que os alunos puderam conhecer. E os alunos responderam possíveis questionamentos das outras sala acerca das leituras realizadas.

-Montagem de esquete de algum dos mitos com os alunos que será apresentado aos alunos de toda a escola. Garantindo a ludicidade e o envolvimento das crianças, enfatizando as relações etnorraciais e o enfrentamento ao preconceito e ao racismo contra os negros, sua cultura, história e ancestralidade.

-Finalização com baile das princesas, reis e personagens africanos.

Avaliação: A avaliação se dará através da observação e escuta enquanto da realização das atividades, como as crianças se colocam verbalmente e corporalmente em situações de expressões de embate etnocêntrico, como descrevem suas ideias e no tratamento com seus pares. Observar como elas passam a se remeterem às literaturas, mitos e religiões de matriz africana como novas possibilidades.. Percepção do convívio respeitoso e de aceitação que se almeja com relação as diferenças, as culturas e modos de vida dos alunos e da familia na qual estão inseridos com relação aos povos africanos ou dos povos negros. Observar o alcance do despertamento do senso estético nas crianças e suas substituições das ideias depreciativas e preconceituosas por uma dimensão afetiva desencadeada pela beleza das narrativas culturais em geral.