Tarefa 6 – Curso EDH – Geise Neres Lima

Data

29 de junho de 2020

Cursista

Geise Neres Lima

Função

Professor de educação infantil

DRE / Unidade Educacional

Guaianases

Escola

Cei barbara Heliodora

Atividade obrigatória Curso Educação em Direitos Humanos- Desafios do contexto atual

Tema: Raça e relações étnico-raciais: branquitude e algumas questões étnico-raciais

Geise Neres Lima

RF: 774.127.8/2

CEI Bárbara Heliodora / DRE Guaianases

 

Apesar da Lei 10.639, de 2003 tornar obrigatório o trabalho com a temática étnico racial no âmbito das escolas de educação básica, sabemos que na prática as ações ficam limitada a data do dia da consciência negra, no entanto o preconceito sofrido pelos negros não estão limitados a esse dia, ocorrem diariamente, o ano todo, por isso a necessidade de trazermos cotidianamente propostas para a sala de aula durante todo o ano letivo, estimulando em nossas crianças o respeito a diversidade, ensinando- os a valorizar a cultura de nosso país, contribuindo para a construção da cultura do respeito mútuo.

Umas das principais questões a serem trabalhadas já na infância é a auto- estima da criança negra, que precisa se ver representada nos espaços nos quais ela convive e que raramente ocorre.  Infelizmente a gente se depara com as questões na própria rotina escolar, ainda que inconscientemente quando, por exemplo, somente crianças brancas são escolhidas para receber os acalentos, os chamegos e para representar a turma em alguma atividade e até nos materiais utilizados que em sua maioria não representam a raça negra.

Abaixo cito algumas formas de inserir a temática no dia-a-dia das salas dos Centros de Educação Infantil, que é o contexto no qual estou inserida como docente. Inclusive tive a oportunidade de proporcionar as minhas crianças algumas das atividades propostas como pode ser observada em algumas das fotos.

 

                                                                                                                                                                “Quem não se vê não se reconhece.”

                                                                                                                                                                “Quem não se reconhece não se identifica.”

                                                                                                                                                                 “Quem não se identifica, não se ama, tem baixa                                                                                                                                                                      auto- estima e se desinteressa por tudo o que                                                                                                                                                                        representa a educação formal.”

                                                                                                                                                                    Oswaldo Faustino “Reflexões diante de um                                                                                                                                                                             espelho sem reflexo” Nov.2007.

 

RODAS DE CONVERSA

     Trabalhar as questões das diferenças nas rodas de conversas, mostrando as crianças que não somos iguais, somos diferentes sim, as pessoas tem características que as diferem umas das outras, e é isso que torna cada um de nós especiais.

VIDE IMAGEM 1

RODAS DE HISTÓRIA

Nos CEIs a contação de história é parte diária de nossa rotina, momento muito esperado pelas crianças, assim sendo não haveria ambiente melhor para inserir a construção e o fortalecimento da identidade afro entre os pequenos através de obras literárias que tenham heróis e princesas negras, criando novos repertórios para as crianças afro descendentes, sendo importante que as crianças negras se vejam representadas nas histórias.

E para aqueles que acham que não existem variedades de literatura infanto-juvenil com a temática, segue algumas sugestões:

 

Akissi – O ataque dos gatos

Autora: Margarite Abouet

Ilustrador: Mathieu Sapin

Editora: Ática

Akissi é uma garotinha curiosa e intrépida que vive na Costa do Marfim. Cheia de vida e muito esperta, para a pequena heroína até entregar uma simples encomenda envolve confusão. Esta obra procura mostrar uma perspectiva da África que foge dos assuntos da pobreza, das guerras e das doenças. Visa a retratar uma infância cheia de brincadeiras, liberdade e alegria. O livro é composto de 7 histórias e de um apêndice que inclui glossário, curiosidades e uma receita culinária peculiar.

 

Gabriela – A princesa do Daomé

Autora: Marta Rodrigues

Ilustração: David Smyth

Editora:  Mazza

Tudo acontece num curto trajeto de ônibus em Belo Horizonte. Gabriela, a menina, está sentada em um banco enquanto o irmão e a mãe seguem em outro. A autora se senta do lado dela. Em alguns minutos, Gabriela esquadrinha o mundo para a refém de seus encantos – ela é princesa do Daomé porque seu pai, um fotógrafo alemão, reconheceu na mãe dela o porte inconfundível de rainha. Como o pai, ela quer ser fotógrafa, mas precisa primeiro aprender a enxergar as cores e as coisas. Entre seus heróis, ela é princesa e o irmão de dois anos é um guerreiro porque superou uma doença grave. Pedro se curou porque aprendeu a enfrentar o medo com a ajuda dos ancestrais africanos. Mas essas passagens são só amostras da eloquência de Gabriela, no livro tem mais.

 

As Tranças de Bintou

Autora: Sylviane A. Diuof

Ilustração: Shane W. Evans

Editora: Cosac Naify

As tranças de Bintou é um dos maiores sucessos do catálogo infantojuvenil da Cosac Naify. A autora Sylviane A. Diouf, estudiosa da cultura e da história da África, nos apresenta Bintou, uma menina negra que não se contenta com seus birotes no cabelo e sonha usar tranças como sua irmã mais velha. A história encanta pela maneira cuidadosa e doce com que trata, a partir de um contexto cultural específico, um momento universal: a passagem da infância para a adolescência. Um livro que nos revela a beleza de cada fase da vida e nos permite repensar o Brasil por meio dos costumes africanos.

 

Cheirinho de neném

Autora: Patrícia Santana

Ilustrador: Thiago Amormino

Editora: Mazza Edições

O livro ‘Cheirinho de neném’ fala da emoção de se receber um novo irmãozinho. Ao contrário do ciúme, medo e insegurança que muitas crianças sentem quando chega o irmão e a irmã, para o personagem do livro o sentimento é de comemoração e alegria.

Além desses no site https://www.geledes.org.br/100-livros-infantis-com-meninas-negras-50100-parte-i/ tem indicações de 100 obras literárias infanto – juvenis que trazem as meninas negras como destaque.

BONECOS NEGROS

Nós crescemos entendendo que ser princesa é ser loira do cabelo liso, as meninas negras e também os meninos precisam se enxergar nos diversos espaços e inclusive nas bonecas disponibilizadas nas escolas, as quais devem ter em suas caixas de brinquedos bonecas e bonecos que apresentem essa diversidade.

A ideia aqui é promover cantinhos e disponibilizá- las para as brincadeiras de faz- de – conta.

VIDE IMAGEM 2 E 3

TOQUE

Uma atividade que pode ser promovida com as crianças é de toque nos cabelos dos amigos, dialogando sobre as texturas de cabelos, cor, tamanho, e para iniciar o diálogo pode ser lida a história “O mundo no black Power de Tayó”

 Autora: Kiusam de Oliveira

Ilustradora: Taísa Borges

Editora: Peirópolis

Tayó é uma menina negra que tem orgulho do cabelo crespo com penteado black power, enfeitando-o das mais diversas formas. A autora apresenta uma personagem cheia de autoestima, capaz de enfrentar as agressões dos colegas de classe, que dizem que seu cabelo é ‘ruim’. Mas como pode ser ruim um cabelo ‘fofo, lindo e cheiroso’? ‘Vocês estão com dor de cotovelo porque não podem carregar o mundo nos cabelos’, responde a garota para os colegas. Com essa narrativa, a autora transforma o enorme cabelo crespo de Tayó numa metáfora para a riqueza cultural de um povo e para a riqueza da imaginação de uma menina sadia.

 Depois da leitura promover um momento de massagem nos cabelos, conversando sobre as texturas, cheiros e diálogos sobre o penteado que cada aluno gosta mais.

VÍDEOS     

Os vídeos com desenhos infantis que normalmente são utilizados na salas de educação infantil e também nos lares das crianças não costumam apresentar a diversidade existente não só no país, como nos próprios ambientes que estamos inseridos cotidianamente, dessa forma é importante que a escola promova a inserção através dos instrumentos que compõem a rotina das crianças, naturalizando assim a introdução da cultura afro.

É muito raro encontrar desenhos cujo protagonista não seja branco. O erro é em fazer com que crianças vejam desenhos que não condizem com sua realidade. O mundo não possuí só uma cor, uma língua e uma forma de ver as coisas. Essa é a grande importância de buscar desenhos com diversidade e que respeitem isso de forma leal.

Abaixo apresento duas sugestões, no entanto existem disponíveis diversos desenhos que retratam crianças negras como protagonistas.

Milly e Molly

Milly e Molly vivem aventuras, mostram o valor da amizade, discutem assuntos sobre a vivência infantil, quando tantos sentimentos e problemas estão se apresentando pela primeira vez.

 Guilhermina e Candelária

Os irmãos Guilhermina e Candelário compõem uma família negra, muito parecida com milhões de famílias brasileiras, atualmente pouco representadas nos meios de comunicação brasileiros, especialmente nos desenhos infantis. São risonhos e muito imaginativos e vivem às margens de uma praia na casa dos avós. Passam o dia brincando, fazendo descobertas e inventando coisas.

DIA DA BELEZA COM TURBANTES

     Promover dia da beleza com elementos da cultura afro, turbantes, tranças e outros elementos, demonstrando as crianças a beleza e o orgulho de pertencer a estes grupos.

VIDE IMAGEM 4,5, E 6

 

Referências:

https://youtu.be/8LLfasMQCLU

https://www.geledes.org.br/10-desenhos-infantis-inteligentes-e-que-promovem-a-igualdade/

https://www.geledes.org.br/100-livros-infantis-com-meninas-negras-50100-parte-i/

RODA DE CONVERSA

BRINCANDO COM BONECOS NEGROS

BRINCANDO COM BONECOS NEGROS

TURBANTES

TURBANTES

TURBANTES