Tarefa 6 – Curso EDH – FABIANA ABRAHAO ALVES

Data

7 de agosto de 2020

Cursista

FABIANA ABRAHAO ALVES

Função

Professor de Ed infantil e fundamental I/Assistente de Diretor de Escola

DRE / Unidade Educacional

Freguesia do Ó / Brasilândia

Escola

EMEI Dulce Hauck

TAREFA DO CURSO RESPEITAR É PRECISO!

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS E A ATUAÇÃO DAS COMISSÕES DE MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

 

PROJETO: EDH PARA TODA A COMUNIDADE ESCOLAR – RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA

  1. JUSTIFICATIVA

Em tempos de grandes conflitos sociais, econômicos e políticos que atingem, de forma crescente, nosso país e o mundo, é comum percebermos pessoas intolerantes, imediatistas, egocêntricas ao nosso redor. Tudo pode se tornar motivo para grandes batalhas quando se trata de aceitar a opinião dos outros. As pessoas querem convencer o outro de que sua opinião é a melhor, sem parar para refletir no que o outro diz. Interesses individuais prevalecem sobre os coletivos. Saber ouvir se tornou uma tarefa difícil entre os adultos e as crianças. Ter empatia com o outro é algo que precisa ser trabalhado na escola, para que estes jovens levem esses conceitos para suas famílias, através de relatos práticos baseados em atitudes de respeito aos direitos humanos.

 

  1. FINALIDADE

O presente projeto tem como finalidade resgatar o diálogo sadio entre todos da comunidade escolar, funcionários, alunos e famílias. Acredito que oportunizando mais momentos de conversa, as relações se estreitam, fortalecem-se os laços, intimidando ações desrespeitosas. A escola tem um papel de extrema importância na sociedade, pois trabalhamos com o desenvolvimento da criança e, indireta ou diretamente, com as famílias também. Promover a empatia e  o respeito ao outro, é a principal finalidade da proposta.

 

  1. OBJETIVOS/RESULTADOS ESPERADOS

– Promover momentos de discussão que permitam mais a expressão dos membros da comunidade escolar, para que através disso, todos aprendam a se ouvir e se respeitar. A utilização de assembleias mirins, reunião de Conselho de Escola/APM/CMC, além das reuniões de pais habituais, coletivas ou individuais, deverão ser repensadas para melhorar a participação de todos. É muito comum que esses momentos sejam exclusivamente de informes prontos, com pouca participação e muita timidez por parte das famílias. Muitas vezes, os assuntos das pautas são distantes da realidade da comunidade, então caberá a quem preside o momento, situar todos os presentes para que possam ouvir, refletir e opinar.

– Estreitar os vínculos familiares com a escola, através de grupos no Whatsapp e Facebook, promovendo um canal aberto de comunicação e escuta. Nesse momento de Pandemia, o qual gerou muitas dúvidas e ansiedade, já colocamos em prática e está sendo extremamente eficaz. No período pós-Pandemia, esses canais poderão ser utilizados também para a promoção de reflexões e discussões na EDH.

– Dar continuidade ao Currículo Integrador da Infância Paulistana, o qual é comprometido com a qualidade social da Educação, porém com um olhar mais abrangente à família. Assim, quando forem abordados conteúdos como Democracia, Cidadania, Direitos Humanos, Desigualdade Social, Respeito, Mediação de Conflitos, Diversidade, Discriminação, Violência, entre outros, promover discussões e reflexões envolvendo o aluno e seus familiares.

 

  1. DURAÇÃO

A proposta já vem sendo desenvolvida e perdurará até o término do ano letivo, com reinício e aprimoramento no próximo ano, pois a EDH não tem uma terminalidade.

 

  1. AVALIAÇÃO

Comprovadamente através de estudos e das vivências de minha trajetória, quando a família tem um real envolvimento com a proposta educacional e se sente parte da Escola, os resultados serão sempre positivos. Para isso, toda a equipe escolar deverá estar aberta aos pais, dando vez e voz, esclarecendo dúvidas e explicando propostas e, acima de tudo, refletindo sobre suas práticas. As relações harmônicas revelam que o Respeito foi conquistado e que a Educação em Direitos Humanos está realmente acontecendo.

FABIANA ABRAHÃO ALVES – RF 750.640.6/2