Tarefa 6 – Curso EDH – Eliano Macedo Souza

Data

28 de julho de 2020

Cursista

Eliano Macedo Souza

Função

Coordenador Pedagigico

DRE / Unidade Educacional

Guaianases

Escola

Emef almirante Frontin

Eliano Macedo Souza – [email protected]

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

 

  […] direitos humanos são difíceis de determinar porque sua definição, e na verdade sua própria existência depende tanto das emoções quanto da razão. A reivindicação de autoevidência se baseia em última análise num apelo emocional: ela é convincente se ressoa dentro de cada indivíduo. Além disso, temos muita certeza de que um direito humano está em questão quando nos sentimos horrorizados pela sua violação.

Hunt (2009, p. 24-25)

TEMA: Educação em Direitos Humanos na Educação Infantil: um olhar sobre a subjetividade infantil

 

JUSTIFICATIVA:

Os direitos humanos são todos os direitos relacionados à garantia de uma vida digna a todas as pessoas. Assim, são todos os direitos e liberdades básicos, considerados fundamentais para a dignidade, garantidos a todos os cidadãos de qualquer parte do mundo e sem qualquer tipo de discriminação como cor, religião, nacionalidade, gênero, orientação sexual e política. A educação em direitos humanos envolve princípios axiológicos, justamente porque a afirmação dos direitos humanos depende, dentre outros fatores, das emoções e envolve também posicionamento político, para que os grupos que historicamente foram desfavorecidos na sociedade. A escola de Educação Infantil, considerada o local onde se realiza a primeira etapa da Educação Básica, é também o primeiro ambiente, que se difere do ambiente familiar, onde as crianças estabelecem relações sociais.

O projeto em questão visa a primeira infância, ou seja, a Educação Infantil e foi pensando a educação em direitos humanos, sabendo que ela envolve a construção subjetiva do sujeito no seu processo de aprendizagem que esse tema em questão foi escolhido para ser trabalhado onde nossas crianças em suas vivências e em suas inteirezas estão construindo seus corpos numa conjuntura de territórios e relações.  O papel do professor é de mediar, incentivar a criatividade, acolher e tratar diferenças, oferecendo um ambiente propício para debater as questões relacionadas aos direitos humanos. É também de formar cidadãos conscientes, completos, autônomos. A escola de Educação Infantil é espaço também onde podem ser iniciadas relações democráticas, experiências de cidadania ativa e de empoderamento de grupo. Que práticas pedagógicas podem estimular nas crianças a vivência dos valores fundamentais da convivência humana?

 

PÚBLICO ALVO:

O trabalho se destina as crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos)

INTENÇÃO:

Promover com esta sequência de atividades o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças possibilitando a elas experiências de abertura para a diversidade aumentando o seu repertório cultural, o respeito por si e pelo outro além de ampliar o reconhecimento e reflexões sobre os territórios em que vivem e convivem.

OBJETIVOS:

Os objetivos, estão alinhados ao Currículo da Cidade da Educação Infantil/SME/SP/2019 e conforme sintetizado na Matriz de Saberes que tem como propósito a formação de cidadãos éticos, responsáveis e solidários que fortaleçam uma sociedade mais inclusiva, democrática, próspera e sustentável, visam desenvolver nas crianças:

  • Pensamento científico, crítico e criativo.
  • Resolução de problemas;
  • Comunicação;
  • Autoconhecimento e o autocuidado;
  • Autonomia e a determinação;
  • Abertura à diversidade;
  • Responsabilidade e a participação;
  • Empatia e a colaboração;
  • Repertório cultural

 

RESULTADOS ESPERADOS:

Esperamos que com o envolvimento e interação das propostas  as crianças aprendam sobre a importância do respeito pelos outros, e com o mundo  que construam sua identidade e reconheçam valores como a igualdade, cidadania, solidariedade e percebam-se como parte integrante da comunidade escolar e social.

O será desenvolvido ao longo do ano letivo como por exemplo nas mediações de conflitos dentro da escola onde sempre relembramos a importância do respeito, dos direitos e deveres de todos nós os seres humanos.

 

DURAÇÃO:

Um bimestre.

Lembrando que todo trabalho a ser desenvolvido com crianças pequenas deve ser feito de maneira um tanto mais lento, detalhado e por vezes repetindo de maneira diferenciada as ações e atividades.

 

PROPOSTAS DE ATIVIDADES

 

Conversas sobre as diferenças  de seus corpos diante do espelho dentro da sala de aula.Dialogar sobre os colegas da sala que chegam ou que vão embora de mudança pensando em levar a conversa num sentido de fazer as crianças entenderem que muitas vezes precisamos nos deslocar de uma casa para outra, de um bairro para outro, de uma cidade ou país para outro que há colegas na nossa escola e região que vieram de outros lugares e países;

Dialogar  cotidianamente até que as crianças percebam que há pessoas com costumes e sotaques diferentes dos nossos porque são de outras regiões, mas que precisamos respeitar e ajudar no que pudermos para que aquelas pessoas se sintam bem e acolhidas no nosso território que passa a ser dela também.

 

Trabalhar numa perspectiva  artísticas com as crianças que através de jogos, brincadeiras tradicionais, músicas, desenhos e pinturas livres todos pensados para possibilitar a troca de saberes como pintura de autorretrato, desenho de suas regiões, casas e famílias;

 

 

AVALIAÇÃO

Uma forma de avaliar é através da observação do desenvolvimento da aprendizagem das crianças tendo como cuidado o registro diário de suas falas, ações e atitudes de conscientização deste aprendizado, no sentido de que compreenderam que todos, independentemente de suas origens, gênero, classe, tipo de corpo, cabelo ou condição social devem ser respeitados e têm direitos e deveres em qualquer lugar do território em que estiverem.

 

Referências

HUNT, L. A invenção dos Direitos Humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.