Tarefa 6 – Curso EDH – Edneia Letícia Marguti

Data

6 de agosto de 2020

Cursista

Edneia Letícia Marguti

Função

Professora ed infantil e ens fundamental

DRE / Unidade Educacional

Penha

Escola

Emei Guilherme Rudge

SEQUÊNCIA DIDÁTICA

Tema: Como me vejo diante da violência, do racismo e do preconceito?

Introdução/Justificativa: Esta sequência foi pensada para turmas dos 5º anos do Ensino Fundamental I, de uma escola pública, da grande São Paulo. O tema abordado nesta sequência tem como propósito, entre outros, instigar a reflexão, entre os pares, sobre a violência crescente instalada na vida destes jovens que frequentam a escola. Após observações diárias dos acontecimentos de violências (agressões verbais e físicas) durante: as aulas, os intervalos e entradas e saídas do horário escolar, percebi que a maioria dessas ocorrências são originárias do sentimento preconceituoso ou de ações preconceituosas, especialmente a cor. E para refletir e dialogarmos, sobre o tema em questão, utilizaremos o filme e a música, pois, eles estão presentes na vida das crianças e adolescentes em tempo integral. E, logo que a criação pode ser intencional, e, portanto, colocar em palavras os mais diversos pensamentos, sentimentos, desejos, e princípios, que estão relacionados à vida a viver e superar os preconceitos, a violência, a desigualdade, que são obrigados a conviver e, que estão ali arraigados na sua rotina.

Finalidade: Promover rodas de conversas sobre a violência, o racismo e o preconceito, no contexto escolar, familiar e social dos alunos da turma do 5º ano em questão.

Ano: 5º ano do Ensino Fundamental

Duração: 8 aulas

Objetivos:
Favorecer a autoestima;
Refletir sobre seus sentimentos,
Representar sentimentos de forma a melhor compreendê-los;
Auxiliar na construção da representação de si;
Desenvolver a empatia e a resiliência
Resgatar e reconstruir a identidade.
Debater sobre o tema preconceito;
Incentivar o aluno a refletir sobre “colocar-se no lugar do “outro”.

A situaçãoo contexto de produção:
1ª aula- Sondagem sobre o tema a ser abordado, (oralidade); e Apresentação do filme: “Vista a minha pele”, Joel Zito Araújo & Dandara – BRA/2004
2ª aula – Roda de conversa: discussão oral sobre o mesmo, para aprofundar sobre o assunto: Ver-se do outro lado
3ª e 4ª aulas – Contextualização histórica explanação oral sobre o filme;(professor) –
Atividade para os estudantes em agrupamentos buscar Proposta de intervenção – para melhorias de todos na escola (Identificar os problemas que causam a violência e propor as ações). Após discussões em agrupamentos devem apresentar a turma, qual ou quais problemas e e as possíveis soluções.
5ª e ¨6ª aulas -Proposta de roda de conversa sobre: Eu também sou rei ou rainha?.
Escuta e leitura da música e “Menina Pretinha” – Mc Soffia;
Roda de conversa sobre a letra da música – os atributos – as cores – as roupas – preferências me fazem um cidadão diferente?
7ª e 8ª aulas: Produção final: Como me vejo diante da violência, do Racismo e do Preconceito após esta semana na sala de aula? O estudante pode escolher expressar em agrupamento ou individual através de uma produção (livre escolha): escrita ou gravado ou pintura ou desenho ou usando as mídias.

Orientação e Avaliação
Valorização da explanação individual e do grupo, estimulando-os e incentivando-os a falarem, escreverem ou mesmo desenharem sobre suas emoções envolvidas e vivenciados por eles;
Observação de todos os passos do desenvolvimento da sequência, pois, o professor tem como, primordial, função a mediação dos trabalhos. Auxiliando-os ao resultado final, que não tem terminalidade nessa sequência, mas é o primeiro passo para iniciar outras ações com os estudantes.
Resultados esperados (hipóteses)
Acredito que o estudante precisa vivenciar e transformar experiência para que haja a interiorização do processo de experiência criativa, das maneiras das pessoas criarem valores estéticos, descobertos na realidade do seu meio sociocultural, portanto, espera-se que o estudante ao propor ações contra as violências na escola, ele vislumbre que, também, poderá diariamente achar soluções fazer as mudanças na vida dele e, por conseguinte, no meio em que vive, porque aquele que conhece seu valor, faz a diferença, busque a melhoria do espaço em que vive.