Tarefa 6 – Curso EDH – Deyse Dallila Ferreira Lopes Santos

Data

20 de julho de 2020

Cursista

Deyse Dallila Ferreira Lopes Santos

Função

Professora de educação infantil

DRE / Unidade Educacional

Penha

Escola

CEI Maria da Glória Freire Lemos

Curso: Educação dos Direitos Humanos-Desafios no contexto atual

Aluno: Deyse Dallila Ferreira Lopes

Proposta: Escola e família: retorno às aulas pós pandemia, resgatando os laços

Justificativa: Sabendo que a Escola é um espaço de formação e de transformações, um lugar constituído por diversas culturas com múltiplos olhares. Foi pensando assim e observando os bebês /crianças e familiares do CEI que trabalho e após estudos realizados durante o curso em destaque, faz-se necessário repensar não somente nas dificuldades enfrentadas nesse momento de distanciamento social em relação à presença dos familiares nas ações educativas propostas pela Unidade com sistema remoto, mas também nas experiências anteriores realizadas no CEI onde as famílias não demonstravam muito interesse e quase não participavam dos momentos culturais organizados pela UE. Sendo assim, o retorno às aulas deverá ser planejado de maneira que não somente as crianças sejam acolhidas e respeitadas nas suas relações sócio emocionais, mas todos os profissionais envolvidos. De acordo com o Curriculo da cidade, mas especificamente no capítulo 01 afirma que:

“É urgente um olhar sensível para acolher todas as crianças, não só no início das atividades anuais, com propostas planejadas, mas no decorrer do ano, atendendo às especificidades e peculiaridades destas que vão sendo matriculadas durante esse período. É preciso ampliar a concepção de acolhimento no sentido de abraçar a criança na condição que está, acolher não só a criança, mas sua história de vida, seu contexto, seu modo de ser e estar no mundo (…). Acolher exige se colocar no lugar do outro. Em outras palavras, é uma questão humanitária e de muita sensibilidade.” (2019, p. 50-51).

O acolhimento será um momento muito importante para darmos continuidade às ações educativas. Portanto, precisaremos preparar o espaço para acolher os bebês e crianças com os familiares, os educadores e demais funcionários presentes que atuam nesse processo de aprendizagem. É preciso entender e se colocar no lugar do outro, pois não sabemos como essas pessoas ficaram em casa nesse momento de distanciamento social, como estão emocionalmente.

Para que toda essa volta às escolas seja feita com tranquilidade e segurança, será necessário a parceria de todos Família, Escola e a presença dos mediadores de Conflitos da Unidade para criar estratégias e seguir as orientações estabelecidas não somente pelos órgãos da Saúde, Educação, mas a gestão administrativa da escola.  A princípio, a mediação fará momentos de escuta das famílias, realizaremos também uma ação solidária onde todos possam doar mantimentos que tem em casa sobrando para as famílias que realmente necessitam.

O objetivo maior dessa proposta é promover um espaço de ações nas quais todos sintam-se acolhidos, pertencentes e respeitados pós pandemia. Sem um acolhimento significativo não será possível dar continuidade ao trabalho pedagógico da Unidade.  Saber como se sentem, o que necessitam nesse momento de retorno, quais foram as dificuldades maiores encontradas no período de Pandemia, são questionamentos muito importantes que precisam ser refletidos e analisados de forma coletiva.

Com essas ações humanas, olhares solidários e verdadeiros, será possível resgatar os valores, garantir os direitos do bebê/crianças, promover experiências que façam sentido para eles. Além disso, os profissionais poderão replanejar os projetos, atender com tranquilidade as famílias no período de pós pandemia. Identificar as singularidades e necessidades de cada um nesse contexto atual.

O tempo necessário para que essas ações se concretizem será de Setembro a Dezembro. Se houver necessidade estenderemos.

Dessa forma, as ações serão uma conscientização das famílias e funcionários do CEI para os cuidados e protocolos a serem seguidos pós pandemia. Escuta das famílias através da mediação de conflitos. Realização de uma ação solidária de alimentos para famílias que necessitam. Replanejamento das ações educativas, cartas de intenção e projetos da Unidade.

Todo o processo de retorno às aulas será avaliado diariamente na participação das famílias, funcionários, verificando juntamente com a mediação de conflitos e equipe gestora os pontos positivos e negativos apresentados durante essa volta.  As devolutivas dos bebês e crianças nas ações educativas organizadas pelo CEI. Através das experiências e vivencias realizadas pela criança.